PERCEPÇÕES DOS COORDENADORES PEDAGÓGICOS SOBRE O USO DE DROGAS ENTRE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO DISTRITO FEDERAL

Palavras-chave: Drogas na escola; Educação de Jovens e Adultos; Coordenação pedagógica.

Resumo

O presente artigo é rsultado de uma pesquisa de dissertação de mestrado em Educação. Como objetivo principal, buscou-se compreender as percepções dos coordenadores pedagógicos sobre o uso de drogas entre estudantes da  (EJA), numa escola pública no DF. Como objetivos específicos, procuou-se conhecer as trajetórias profissional, biográfica e escolar desses profissionais; saber suas concepções acerca do uso de drogas entre aqueles estudantes e verificar como elas orientam suas práticas de intervenção. Para isso, foram utilizados a metodologia qualitativa (ZANETTE, 2017), o instrumento de pesquisa entrevista narrativa (WELLER & ZARDO, 2013) e o método de análise de conteúdo (BARDIN, 2009). A pesquisa ancorou-se em estudos que problematizam a criminalização das drogas como uma das formas de manutenção de desigualdades sociais histórica e socialmente construídas, em vez de promover a saúde e a proteção da vida. Por fim, mediante a interpretação dos dados obtidos, observou-se que, embora a maior parte dos coordenadores, por vezes, reforçam a estigmatização de usuários. Por outro lado, os mesmos profissionais também percebem que o baixo rendimento escolar e/ou atos de violência estão mais associados à vulnerabilidade social do que ao uso de drogas.

Referências

ACSELRAD, G. (Org.) A educação para a autonomia: construindo um discurso democrático sobre as drogas. In: ______. Avessos do prazer: drogas, Aids e direitos humanos [online]. 2nd ed. rev. and enl. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005, pp. 183-212.
ARANHA, M. L. A. Filosofia da educação. São Paulo: Moderna, 2001.
ARANHA, M. L. A. História da educação e da pedagogia: geral e Brasil. 3ª ed. São Paulo: Moderna, 2006.
ARROYO, M. G. Educação de Jovens e Adultos: um campo de direitos e de responsabilidade pública. In: SOARES, L.; GIOVANETTI, M. A.; GOMES, N. L. Diálogos na educação de jovens e adultos. Belo Horizonte/MG: Autêntica, 2005, p. 19- 50.
ARROYO, M. G. Formar educadores e educadoras de jovens e adultos. In: SOARES, L. J. G. (Org.). Formação de educadores de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autentica, 2006.
BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009.
BOITEUX, L. O antimodelo brasileiro: proibicionismo, encarceramento e seletividade penal frente ao tráfico de drogas. Nueva sociedad, Buenos Aires, Especial, p. 140-152., out. 2015.
BOITEUX, L. Tráfico e Constituição: um estudo sobre a atuação da justiça criminal do Rio de Janeiro e de Brasília no crime de tráfico de drogas. Revista Jurídica, Brasília, v. 11, n.94, jun. – set. 2009.
BRANDÃO, C. R. A educação popular e a educação de jovens e adultos: antes e agora. In.: MACHADO, M. M. Formação de educadores de jovens e adultos. Brasília: Secad/MEC, UNESCO, 2008.
BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Parecer 11/2000. Brasilia.2000.
_______. Ministério da Educação e Cultura. Lei de Diretrizes e Bases da Educação.(9394/96). Brasília,1996.
_______. Lei nº 11.738, de 16 de julho de 2008. Regulamenta a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Brasília: Senado Federal, 2008. Disponível em: http://www.seed.se.gov.br/arquivos/Lei_Piso_Nacional_Magisterio.pdf Acesso em: 15/06/18.
________. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Drogas: Cartilha para Educadores. Brasília: Ministério da Justiça / Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, Brasília, 2011.
CARNEIRO, H. A fabricação do vício. Anais do XIII Encontro Regional de História-Anpuh-MG, LPH-Revista de História, Departamento de História/ICHS/UFOP, Mariana-MG, nº 12, 2002a, p. 9-24.

________.As necessidades humanas e o proibicionismo das drogas no século XX. Rev. Outubro, IES, São Paulo, vol. 6, 2002b, p. 115-128.

________. Bebida, abstinência e temperança na História Antiga e Moderna. São Paulo: Editora Senac São Paulo 2010.

________. Filtros, mesinhas e triacas: as drogas no mundo moderno. São Paulo: Xamã Editora, 1994.
CARNEIRO, H. et al. Drogas & sociedade contemporânea: perspectivas para além do proibicionismo. (Orgs). FIGUEIREDO, R.; FEFFERMANN, M.; ADORNO, R. São Paulo: Instituto de Saúde, 2017.
CARVALHO, S. de. A política criminal de drogas no Brasil: estudo criminológico e dogmático da Lei 11.343/06. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.
________. Política de drogas: mudanças e paradigmas. EMERJ-RJ, v. 16, n. 63, out.-dez., p. 46-69, 2013.
________. A Política Criminal de Drogas no Brasil: do discurso oficial às razões da descriminalização. 1ª Edição. Rio de Janeiro: LUAM, 1996.
CARVALHO, M. P. As políticas para a Educação de Jovens e Adultos nos governos Lula (2003-2010): incongruências do financiamento insuficiente. 2011. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. doi:10.11606/T.48.2011.tde-20012012-094046. Acesso em: 08/04/2019.
CASTILHO, E. W. V. de. Em nome da proteção do cuidado, que formas de sofrimento e exclusão temos produzido? In: CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA (Org.). Drogas, Direitos Humanos e Laço Social. - Brasília: CFP, 2013, p. 24-27. ISBN: 9788589208529.

CHAUÍ, M. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2002.
DISTRITO FEDERAL. Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios do Distrito Federal - PDAD/DF - 2015. Companhia de Planejamento do Distrito Federal - CODEPLAN. Brasília, 2016. Disponível em: Disponível em:http://www.codeplan.df.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/PDAD-Distrito-Federal-1.pdf . Acesso:24 de jun. 2019.
________. Lei Nº 5.499, de 14 de julho de 2015. Institui o Plano Distrital de Educação (PDE), e dá outras providências. Disponível em:Lei 5499 de 14/07/2015 (sinj.df.gov.br). Acesso em: 29, jun. 2018.
________. Portaria nº 97, de 13 de junho de 2012. Política sobre Drogas da Secretaria de Estado e Educação do Distrito Federal. Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal, 2012.
________. Secretaria de Estado de Educação. Currículo em Movimento – Pressupostos Teóricos. Livro 1. Brasília: SEEDF, 2014a.
________. Secretaria de Estado de Educação. Currículo em Movimento – Educação de Jovens e Adultos. Livro 7. Brasília: SEEDF, 2014b.
________. Secretaria de Estado de Educação. Orientação pedagógica: projeto político-pedagógico e coordenação pedagógica nas escolas. Brasília, DF, 2014c.
________. Secretaria de Estado de Educação. Projeto Político-Pedagógico: Professor Carlos Mota. Brasília: SEEDF, 2012.
________. Secretaria de Estado de Educação. Regimento Escolar da Rede Pública de Ensino. Brasília: SEEDF, 2015.
ESCOHOTADO, A. História general de las drogas. 6. ed. Madrid: Espasa, 2007.
GADOTTI, M. Concepção dialética da educação: um estudo introdutório. 15. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
GALLASSI, A. D. A Política do Ministério da Saúde na atenção às pessoas em uso problemático de álcool e outras drogas: Avanços e retrocessos. Boletim de Análise Político-Institucional/Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 18(1), 2018, pp. 63-69.
HADDAD, S. A ação dos governos locais na educação de jovens e adultos. Revista Brasília de Educação. V. 12, n. 35 maio/ago. 2007a.
________. Os desafios da educação de jovens e adultos. In: GRACIANO, M. (coord.) O Plano de Desenvolvimento da Educação. São Paulo, Ação Educativa, 2007b (Em Questão, 4), p. 25-28.
________. Por uma nova cultura de Educação de Jovens e Adultos, um balanço de experiências de poder local. In: HADDAD, S. (Coord.). Novos caminhos em Educação de Jovens e Adultos: um estudo de ações do poder público em cidades de regiões metropolitanas brasileiras. São Paulo: Global, Ação Educativa, Fapesp, 2007c, p. 7-25.
HART, C. Um preço muito alto: a jornada de um neurocientista que desafia nossa visão sobre drogas. Tradução Clóvis Marques. - 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.
KARAM, M. L. Quem tem medo de falar sobre drogas? Saber mais para se proteger. In: ACSELRAD, G. (Org.). Quem tem medo de falar sobre drogas? Saber mais para se proteger. Rio de Janeiro: FGV, 2015.
LABATE, B. C.; et al. Drogas e cultura: novas perspectivas. Salvador: EDUFBA, 2008.
LAGAR, F. M. G. Formação continuada de professores da SEEDF (2009-2011): a percepção docente. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação. UnB, 2012.
LIMA, S. M. G. de. O coordenador pedagógico e seu processo formativo: Perspectivas e limites de trabalho. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação. UnB, 2016.
MACHADO, M. M. A educação de jovens e adultos após 20 vinte anos da Lei nº 9.394, de 1996. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 10, n. 19, p. 429-451, jul./dez. 2016.
MALANCHEN, J.; VIEIRA, S. R. da. A política brasileira de formação de professores: repercussões sobre o trabalho decente. 2006. Disponível em: . Acesso em: 05 maio. 2019.
MÁRCIO JÚNIOR, F. Percepções dos coordenadores pedagógicos sobre o uso de drogas entre estudantes da Educação de Jovens e Adultos. 2019. 157 f., il. Dissertação (Mestrado em Educação)—Universidade de Brasília, Brasília, 2019.
MEDEIROS, M. N. de. A educação de jovens e adultos como expressão da educação popular: a contribuição do pensamento de Paulo Freire. V Colóquio Internacional Paulo Freire – Recife, 19 a 22-setembro 2005.

PARO, V. H. Gestão Democrática da Escola Pública, 8 ed. São Paulo: Editora Ática, 2004.
PIRES, E. S. Coordenador pedagógico: o alcance da sua ação e aspectos de seu fortalecimento e legitimidade no contexto escolar. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação. Universidade de Brasília. 2014.
ROSENTHAL. G. Pesquisa social interpretativa: uma introdução. 5ª edição. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014.
RIBEIRO, T. M. Do “você não pode” ao “você não quer”: a emergência da prevenção às drogas na educação. 1ª edição. Curitiba: Prismas, 2013.
RODRIGUES, T. Narcotráfico e militarização nas Américas: vício de guerra. Contexto int., Rio de Janeiro, v.34, n. 1, p. 9-41, Jun,  2012.  
SAVIANI, D. Escola e democracia. 42ª ed. Campinas: Autores Associados, 2012.
SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas/SP: Autores associados, 2013.
SCHÜTZE, F. Pesquisa biográfica e entrevista narrativa. In: WELLER, W.; PFAFF, N. (Org.). Metodologias da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.
SOUZA, D. P. O. de; SILVEIRA FILHO, D. X. da. Uso recente de álcool, tabaco e outras drogas entre estudantes adolescentes trabalhadores e não trabalhadores. Rev. bras. epidemiol., São Paulo ,  v. 10, n. 2, p. 276-287,  Jun  2007.  
TORCATO, C. E. M. A história das drogas e sua proibição no Brasil: da Colônia à República. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de História. Universidade de São Paulo, São Paulo/SP, 2016.
TOSCANO Jr., A. Um breve histórico sobre o uso de drogas. In: Seibel S. & Toscano Jr. A. (Eds.). Dependência de drogas. Atheneu: São Paulo. 2001. pp. 7-23.
TRAD, S. Controle do uso de drogas e prevenção no Brasil: revisitando a trajetória para entender melhor os desafios atuais. In: NERY FILHO, A; et al. (Orgs.). Toxicomanias: incidências clínicas e socioantropológicas. Salvador: EDUFBA; Salvador: CETAD, 2009. ISBN: 9788523208820.
UNODC - United Nations Office on Drug and Crime. World drug Report, Livro 2., 2018.
VEIGA, I. P. A. A aventura de formar professores. Campinas, SP: Papirus, 2009.
WELLER, W.; ZARDO, S. P. Entrevista narrativa com especialistas: aportes metodológicos e exemplificação. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 131-143, jul./dez. 2013.
WORLD HEALTH ORGANIZATION. The world health report 2006: working together for health. 2006.
ZANETTE, M. S. Pesquisa qualitativa no contexto da Educação no Brasil. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 65, p. 149-166, jul/set. 2017.
Publicado
2022-08-09
Como Citar
JUNIOR, F. PERCEPÇÕES DOS COORDENADORES PEDAGÓGICOS SOBRE O USO DE DROGAS ENTRE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO DISTRITO FEDERAL. Atâtôt - Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos da UEG, v. 3, n. 1, p. 74-98, 9 ago. 2022.
Seção
Artigos