RONKÓ DE ENSINANÇAS E OUTRAS VIADAGENS:

A TRAJETÓRIA PEDAGÓGICA AFRO-DIASPÓRICA BIXA

Palavras-chave: Negro-gay, Padagogia Afro-Diaspórica-Bixa, Resistência, Axé, Padilhagem, Trajetória de Vida

Resumo

Este artigo recupera a trajetória de escolarização de um sujeito negro gay do Brasil Central. O filho mais novo de uma passadeira de roupas e de um ex-presidiário, já falecido, é quem fala. Aquele que fez da educação uma máquina de guerra em uma espacialidade guiada pelo ódio às corporeidades abjetas. Decifrar os lugares de fala cortados pela corporeidade negra-gay goianiense, fatiados não somente pela dor, mas também cravejados pela resistência de quem fez da educação o ouro que guarda a vida, é a forja desta escritura dourada preta-gay. Esses elementos são indispensáveis para compreensão de um enredo fundido pela pedagogia afro-diaspórica-bixa, marcada pela padilhagem.

Biografia do Autor

André Luiz de Souza FILGUEIRA, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA

Preto gayaniense. A interdisciplinaridade exusíaca me cavalga. Graduado em História (habilitação: bacharelado e licenciatura) pela PUC-GO, Mestre em Ciências Sociais (área de concentração: estudos comparados sobre as Américas) pela UnB e Doutor em Literatura (área de concentração: literatura e práticas sociais) também pela UnB. Pós-Doutor em Ciências Humanas pelo Programa de Pós-Graduação em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado, da UEG. Foi docente substituto na PUC Goiás (2012-2013), na Universidade Federal de Goiás (2015-2016) e na Rede Municipal de Ensino de Goiânia (2017-2018). Colaborou com outras instituições de ensino superior como o ITEG (2017), a FAJE (2017) e o CEAP (2012-2017). Desde julho de 2019 é Professor Adjunto de História da África e de História e Cultura Afro-Brasileira, na Licenciatura de História, na UFPA, no Campus Universitário do Tocantins/Cametá. É líder do Grupo de Estudos Jorge Laffond (Masculinidades e Sexualidades Afro-Diaspóricas) UFPA/CNPq. Integra a RHN (Rede de Historiadores/as Negros/as), a ABPN (Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as) e o NEAAD/UEG (Núcleo de Estudos Africanos e Afro-diaspóricos da Universidade Estadual de Goiás). Sou amante da história, com ênfase em história da África e história e cultura afro-brasileira. Na educação fiz morada a partir da formação de professores/as e das relações étnico-raciais. Transito devagarinho, ao som do ijexá, pelas veredas filosóficas africana e preto-diaspórica. Sigo pela estrada das ciências sociais, atento aos sinais do pensamento social africano, ori-entado pelo pensamento social afro-diaspórico, tatuado pelas etnografias do corpo, navalhado pelas masculinidades pretas e em gozo com as sexualidades marginais. Entro em transe com a literatura, atravesso as encruzilhadas das prosas negra e africana e descanso no desassossego das textualidades poéticas de tintas pretas.

Referências

BADINTER, Elisabeth. XY: sobre a identidade masculina. Tradução Maria Ignez Duque Estrada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BALDWIN, James. Da próxima vez, o fogo. Tradução Christiano Moreira Oiticica. Rio de Janeiro: Biblioteca Universal Popular, 1967.

BARCELLOS, Mario Cesar. Os orixás e a personalidade humana. Rio de Janeiro: Pallas, 2011.

BRASILEIRINHO. Intérprete: Maria Bethânia. Rio de Janeiro: Biscoito Fino, 2003. 1 DVD (86 min.).

CINEMA transcendental. Compositor e intérprete: Caetano Veloso. Rio de Janeiro: PolyGram Studios, 1979. 1 disco (40 min.).

CORREIA, Paulo Petronilio. Agô, orixá! Gestão de uma jornada afro-estética-trágica: o relato de um aprendizado e de uma formação pedagógica vivida no candomblé. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2009.

ELIS & Tom. Intérpretes: Elis Regina e Antônio Carlos Jobim. Los Angeles, USA: Philips, 1974. 1 disco (37 min.).

FILGUEIRA, André Luiz de Souza. Pedagogia preto-diaspórica: uma etnografia ético-filosófica do corpo deseducado. In: FILGUEIRA, André Luiz de Souza; OLIVEIRA, Vanilda Maria; SILVA, Lion Marcos Ferreira e (orgs.). Corpo, corporeidade e diversidade na educação. Uberlândia, MG: Culturatrix, 2021.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Organizado por Flávia Rios e Márcia Lima. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

HOOKS, Bell. Escolarizando homens negros. Tradução de Alan Augusto Ribeiro e Keisha-Khan Y. Perry. Estudos Feministas, Florianópolis, SC, v. 23, n. 3, p. 667-689, set./dez. 2015.

KILEUY, Odé; OXAGUIÃ, Vera de. O candomblé bem explicado: nações bantu, iorubá e fon. Rio de Janeiro: Pallas, 2009.

LIMA, Luís Filipe de. Oxum: a mãe da água doce. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

LORDE, Audre. Irmã outsider: ensaios e conferências. Tradução de Stephanie Borges. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

MAÇALÊ. Compositor e interprete: Tinagá Santana. São Paulo: Tratore, 2010.

MUNANGA, Kabegele; GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global, 2006.

OLIVEIRA, Dú. Xirê: a brincadeira lírica. Salvador: Ogum’s Toques Negros, 2016.

OLIVEIRA, Eduardo. Cosmovisão africana: elementos para uma filosofia afrodescendente. Curitiba: Gráfica Popular, 2006.

PRANDI, Reginaldo. Ogum: caçador, agricultor, ferreiro, trabalhador, guerreiro e rei. Rio de Janeiro: Pallas, 2019.

QUANTO mais curtido melhor. Intérprete: Cidade Negra. Rio de Janeiro: Sony Music, 1998. 1 CD.

RATTS, Alex. Corpos-espaços e diferenças no Centro-Norte brasileiro. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA E TERRITÓRIO, 1., 2018, Araguaína, TO. Comunicação proferida na mesa "Do corpo ao território: relações etnicorraciais e de gênero” [...]. Araguaína, TO: Universidade Federal do Tocantins, 2018.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019.

DE SANTO Amaro a Xerém. Intérpretes: Zeca Pagodinho e Maria Bethânia. São Paulo: Biscoito Fino, 2018. 1 DVD (97 min.).

SILVA, Vagner Gonçalves da. Exú: o guardião da casa do futuro. Rio de Janeiro: Pallas, 2015.

SIMAS, Luiz Antonio; RUFINO, Luiz. Fogo no mato: a ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

VERGER, Pierre. Lendas africanas dos orixás. Salvador: Fundação Pierre Verger, 2019.

VIEIRA JUNIOR, Itamar. Torto arado. São Paulo: Todavia, 2019.

VIP, Angelo; LIBI, Fred. Aurélia: a dicionária da língua afiada. São Paulo: Editora da Bispa, [s. d.].

WYLLYS, Jean. Aflitos. Salvador : Casa da Palavra, 2001.

WYLLYS, Jean. Ainda lembro. São Paulo : Globo, 2005.

WYLLYS, Jean. Tudo ao mesmo tempo agora. São Paulo : Giostri, 2009.

WYLLYS, Jean. Tempo bom, tempo ruim: identidades, políticas e Afetos. São Paulo: Paralela, 2014.

WYLLYS, Jean. O que será: a história de um defensor dos direitos humanos no Brasil. Rio de Janeiro: Objetiva, 2019.
Publicado
2022-09-29
Como Citar
FILGUEIRA, A. RONKÓ DE ENSINANÇAS E OUTRAS VIADAGENS:. Revista Temporis[ação] (ISSN 2317-5516), v. 22, n. 02, p. 30, 29 set. 2022.
Seção
DOSSIÊ LGBTQIA+ NA EDUCAÇÃO