CULTURA POLÍTICA, DIREITOS HUMANOS E A VIOLÊNCIA CONTRA OS CAMPONESES DO PARÁ NAS NARRATIVAS DA COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE

Resumo

Neste artigo, pretendemos discutir questões relativas à cultura política e a cidadania no Brasil, destacando a contribuição das narrativas presentes no relatório da Comissão Nacional da Verdade (CNV) para os esclarecimentos das violências cometidas, especialmente contra os camponeses do território paraense, entre 1946-1988. Utilizando uma metodologia qualiquantitativa, que considera as estatísticas, sobre a violência no campo, e as subjetividades presentes nas narrativas dos familiares de camponeses, nosso objetivo é demonstrar a importância das legislações e da transparência dada pelos relatórios da Comissão Nacional da Verdade (CNV) e da Comissão Camponesa da Verdade (CCV) para o avanço dos direitos humanos no País nas chamadas “áreas opacas”, como aponta Milton Santos (2006), conceito que acreditamos ser útil para pensar o território paraense. Embasando-nos em Lynn Hunt (2009), também compactuamos com a ideia de que as declarações formais de direitos contribuíram para a existência dos direitos de fato, pois possibilitou que não somente as pessoas abastadas, mas também as camadas populares pudessem reivindicar seus direitos à cidadania, incluindo direito à memória.

Biografia do Autor

Martha Victor VIEIRA, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Graduação e mestrado em História, realizados na Faculdade de História, Direito e Serviço Social, Campus de Franca, da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Doutorado em História Social pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Pós-doutorado no Departamento de Educação e Psicologia da Universidade de Aveiro-PT. É professora adjunto IV do Colegiado de História da Universidade Federal do Tocantins (UFT), câmpus de Araguaína. Atua também no Programa de Mestrado Profissional em Ensino de História (ProfHistória)) e no Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura e Território na UFT. Tem experiência na área de História do Brasil, pesquisando, principalmente, os seguintes temas: história da imprensa em Goiás, cultura política, ensino de história e direitos humanos.

Eli da Silva DUARTE, PPGCULT/UFT

Possui graduação em História pela Universidade Federal do Tocantins (2015). Graduação em Pedagogia pela Unicesamar, Mestrado Cultura e Território pela Universidade Federal do Tocantins (em Andamento)

Publicado
2021-03-07
Seção
DOSSIÊ CULTURA E TERRITÓRIO NA AMAZÔNIA