QUANDO OS CASOS NOTICIADOS FAZEM PARTE DO PROBLEMA: UMA ANÁLISE SOBRE NARRATIVAS JORNALISTICAS E A CULPABILIZAÇÃO DAS MULHERES VITIMADAS EM GOIÁS DE 2016 A 2017

Palavras-chave: Estupro, Gênero, Jornais., DirDireitos humanos das mulheres

Resumo

: Este artigo busca incitar o debate sobre as narrativas dos jornais diários de Goiânia, O Popular e Diário da Manhã, entre 2016 a 2017, com a culpabilização das vítimas de estupro, estabelecendo, para isso, uma relação entre elas no intuito de identificar se há uma naturalização da violência de gênero nas publicações dos veículos de comunicação. Desse modo, o objetivo geral desta pesquisa é realizar uma análise de conteúdo entre as narrativas dos dois jornais para observar se os jornalistas reproduzem narrativas que favorecem a manutenção da violência de gênero. Dessa forma, foram analisados o corpo da matéria, lide, título e retrancas. O Tema abordado nesse estudo possui perspectiva interdisciplinar que envolve as categorias de gênero e interseccionalidades étnico-raciais e de classe cuja análise restou prejudicada haja vista que foram deixados de lado nos casos noticiados. A metodologia utilizada foi a qualitativa e o método de Análise de Conteúdo (AC), da teórica Bardin (1977), que é um método importante para interpretar os resultados das narrativas dos jornais, ou seja, das palavras e termos, na busca dos sentidos encobertos que cooperam para a naturalização e propagação da violência de gênero, da cultura do estupro e da violação dos direitos humanos das mulheres, além da pesquisa bibliográfica. Ao final, a amostra analisada apontou como resultado que as narrativas dos jornais, no padrão em que são apresentadas, influenciam na culpabilização da vítima de estupro, o que nos permite dizer que esse padrão narrativo acaba por favorecer e reforçar a reprodução da desigualdade de gênero e naturalização da violência contra mulheres.

Biografia do Autor

Angelita Pereira de Lima, (PPGIDH/NDH/PRPG/UFG)

Reitora da Universidade Federal de Goiás nomeada para o período de janeiro de 2022 a janeiro de 2025. Mestra em Educação Brasileira e Doutora em Geografia pela Universidade Federal de Goiás. Professora do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Direitos Humanos. Diretora da Faculdade de Informação e Comunicação da UFG.

Carlos Ugo Santander Joo, (PPGIDH/NDH/PRPG/UFG)

Doutor e professor na Faculdade de Ciências Sociais (FSC/UFG), no Programa Interdisciplinar de Direitos Humanos (PPGIDH/UFG).

Rosely Maria dos Santos, PPGIDH/UFG

Policial Penal e mestranda em Direitos Humanos do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Direitos Humanos - (PPGIDH) da Universidade Federal de Goiás

Athara Esther Soares Souza

Advogada e especialista em Direito Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

Referências

ABRAMO, Perseu. Padrões de manipulação na grande imprensa. 2. ed. São Paulo: Perseu Abramo, 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IMPRENSA. Princípios internacionais da ética profissional no jornalismo. 2013. Disponível em http://www.abi.org.br/institucional/legislacao/principios-internacionais-da-etica-profissional-no-jornalismo/. Acesso em: 20 dez. 2019.

BANDEIRA, Loudes et al. Preconceito e discriminação como expressões de violência. Rev. Estud. Fem., vol. 10, n. 1, Florianópolis, Jan. 2002. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2002000100007. Acesso em: 21 nov. 2019.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, v. 70, 1977.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. Rio de Janeiro: Bestbolso, 2014.

BRASIL. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2017. Disponível em http://www.forumseguranca.org.br/wpcontent/uploads/2019/01/ANUARIO_11_2017.pdf. Acesso em: 01 fev. 2019.

BRASIL. Decreto nº 1.973, de 1º de agosto de 1996. Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará, em 9 de junho de 1994. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1996/D1973.htm. Acesso em: 05 jan. 2020.

BRASIL. Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm. Acesso em: 05 jan. 2020.

BROWNMILLER, Susan. Against our will: men, women, and rape. Bantam Books, 1975.

CARDOSO, Isabela et al. A mídia na culpabilização da vítima de violência sexual: os discursos de notícias sobre estupro em jornais eletrônicos. EID&A – Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação. Ilheús, nº 7, p. 69-85, dez. 2014. Disponível em http://uesc.br/revistas/eidea/revistas/revista7/eid&a_n7_05_iv.pdf. Acesso: 10 jan. 2019.

CHACHAM, Alessandra S. et al. Corpo e sexualidade da mulher brasileira. In A mulher brasileira nos espaços público e privado. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

CHAGAS, Fundação C. Vivência: história, sexualidade e imagens femininas. São Paulo: Brasiliense, 1980.

CHAUÍ, Marilena. Participando do debate sobre mulher e violência. In: Franchetto, Bruna, Cavalcanti, Antropológicas da Mulher 4, São Paulo: Zahar Editores, 1985.

CLEMENT, Jennifer. Reze pelas mulheres roubadas. Tradução: Léa V. Castro. Rio de Janeiro: Racco, 2014.

DANTAS, Fernanda B.C. et al. Violência sexual contra a mulher: culpabilização da vítima. Revista Fadivale, Governador Valadares. Ano XII, n° 14, 2017. Disponível em http://www.fadivale..com.br/portal/revista-online/revistas/2017/Fernanda-Bethania-Cardoso- Dantas.pdf. Acesso em: 07 jan. 2019.

GREGORI, Maria F. Cenas e queixas um estudo sobre mulheres, relações violentas e a prática feminista. São Paulo: Paz e Terra, 1993.

LIMA, Ana C. S. de. Violência sexual em mulheres na cidade de Porto Alegre/RS. Dissertação de Mestrado. UFRGS, 2014.

LIMA, Angelita P. A notícia de violência contra a mulher e a violência da notícia. Dissertação de Mestrado. UFG. Goiânia, 2001.

LIMA, Marcus E. O. Estereótipos, preconceitos e discriminação: perspectivas teóricas e metodológicas. EDUFBA, Salvador: 2004.

MARTIN-BARÓ, Ignácio. Psicologia social: crítica e libertação na psicologia. Petrópolis: Vozes, 2017.

MOURA, Samantha N. C. Estupro de mulheres como crime de guerra: lições sobre direito, feminismo e vítimização. Campinas-SP: Servanda, 2017.

ONU. Declaração dos Princípios Básicos de Justiça Relativos às Vítimas da Criminalidade e de Abuso de Poder. Adotada pela Assembléia Geral das Nações Unidas na sua resolução 40/34, de 29 de Novembro de 1985. Disponível em https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cdhm/comite-brasileiro-de-direitos-humanos-e-politica-externa/DecPrincBasJustVitCriAbuPod.html. Acesso em: 05 jan. 2020.

PATEMAN, Carole. O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

PÊCEGO, Antônio J. F. S. Delito de estupro: uma leitura tipológica. São Paulo: Nova edições acadêmicas, 2018.

ROSSI, Giovanna. A culpabilização da vítima no crime de estupro: os estereótipos de gênero e o mito da imparcialidade jurídica. Florianópolis: Empório do direito, 2016.

SAFFIOTI, Helieth I. B. Gênero, patriarcado e violência. Expressão Popular, São Paulo, 2015.

SAFFIOTI, Helieth I. B. et al. B. Gênero e Patriarcado: violência contra mulheres. In: VENTURI, Gustavo; RECAMÁN, Marisol; OLIVEIRA, Suely de (Org.) A mulher brasileira nos espaços público e privado. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SAFFIOTI, Helieth I. B. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SARTI, Cynthia et al. Aí a porca torce o rabo. In: BRUSCHINI, Maria Cristina A.; ROSEMBERG, Fúlvia. Vivência: história, sexualidade e imagens femininas. Fundação Carlos Chagas. Brasiliense, São Paulo: 1980.

SCARPATI, Arielle S. A cultura do estupro faz a culpa ser transferida do agressor para a vítima. Disponível em https://professorlfg.jusbrasil.com.br/artigos/173139525/feminicidio-entenda-as-questoes-controvertidas-da-lei-13104-2015. Acesso em: 30 dez. 2019.

SILVA, Beatriz C. O atendimento de mulheres vítimas de violência sexual pela Segurança Pública no Distrito Federal e a percepção dos profissionais da área sobre atendimento. Dissertação de mestrado. UNB. Brasília, 2017.

SOUSA, Renata Floriano de. Cultura do estupro: prática e incitação à violência sexual contra mulheres. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 25, n. 1, p. 9-29, abr. 2017.

SOUZA, C.; ADESSE, L. Violência sexual no Brasil: perspectivas e desafios. Brasília: Ipas, 2005.

SOUZA, Cecilia M.; ADESSE, Leila. Violência sexual no Brasil: perspectivas e desafios. Brasília: Ipas, 2005.

SOUZA, Cecília de Mello et al. Violência sexual no Brasil: perspectivas e desafios. Brasília: IPAS, 2005.

SOUZA, Isabela A. O preconceito nosso de cada dia: um discurso sobre as práticas discursivas no cotidiano. Tese de Doutorado em psicologia social. PUC-SP, São Paulo, 2008. Disponível em http://livros01.livrosgratis.com.br/cp058855.pdf. Acesso: 12 jan. 2019.

SOUZA, Marcio. F. Desigualdades de gênero no Brasil: novas ideias e práticas antigas. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

SOUZA, Tatiana M. C. et al. Violência contra mulheres. Goiânia: UFG, 2018.

TRINDADE, Antonio et al. Estereótipos, preconceito e discriminação. São Paulo: IEI, 2017.
Publicado
2022-08-04
Como Citar
MOREIRA, R. D.; PEREIRA DE LIMA, A.; JOO, C. U. S.; DOS SANTOS, R. M.; SOARES SOUZA, A. E. QUANDO OS CASOS NOTICIADOS FAZEM PARTE DO PROBLEMA: UMA ANÁLISE SOBRE NARRATIVAS JORNALISTICAS E A CULPABILIZAÇÃO DAS MULHERES VITIMADAS EM GOIÁS DE 2016 A 2017. Atâtôt - Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos da UEG, v. 3, n. 1, p. 16-36, 4 ago. 2022.
Seção
Artigos