QUADRINHOS VISIONÁRIOS

  • Matheus Moura Silva
Palavras-chave: processo criativo, arte visionária, estado não ordinário de consciência, quadrinhos

Resumo

O trabalho aqui exposto é um trecho da tese, desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual na UFG, sobre processos criativos em quadrinhos visionários. Nele verso a respeito da interseção entre o conceito de Arte Visionária, desenvolvido por Laurence Caruana, no Primeiro Manifesto da Arte Visionária (2001), com o de histórias em quadrinhos. Para tanto, são feitas aproximações e distanciamentos entre autores de HQs como Alan Moore, Grant Morrison, Rick Veitch, Robert Crumb, dentre outros, com os paramentos propostos pelo artista, dividindo-os em três categorias: visionários verdadeiros; quase visionários; e falsos visionários. O intuito foi determinar quais autores de quadrinhos podem ou não ser tidos como pertencentes ao movimento. Apesar de usar critérios estanques nas definições de Caruana, a tabela criada não é determinante, sendo passível de ajustes baseados em novas informações a respeito dos processos criativos dos autores selecionados. No artigo a pergunta básica foi: quais obras de quadrinhos (e seus autores) podem ser tidas como visionárias (dentro do crivo de Caruana)? Para responder a esta pergunta, foi necessário seguir a estrutura de análise apresentada por Caruana e submeter obras e artistas ao mesmos padrões de análises, dividindo-os nas três categorias citadas. Como resultado cheguei a uma lista preliminar com 21 artistas visionários, 15 quase visionários e 19 falsos visionários – na maioria estrangeiros, mas com significativa participação de autores brasileiros. O estrato de
análise, inicialmente foi determinado dentre 1970 e 2015, uma vez que não existem muitos autores de quadrinhos visionários. Porém, um criador fugiu a regra, Winsor McCay (1871-1934), com o trabalho Little Nemo, publicado entre 1905 e 1913, nos EUA. Nas considerações saliento o quão importante é aglutinar os autores de histórias em quadrinhos que utilizam de estados não ordinários de consciência (ENOC) para criarem. Sendo esta mais uma possibilidade aberta de interpretação sobre as obras e processos dos próprios artistas destacados e de outros por vir.

Biografia do Autor

Matheus Moura Silva
Mestre em Arte e Cultura Visual pelo PPGACV-FAV/UFG. Doutorando no mesmo programa a pesquisar processos criativos de quadrinhos a partir de estados não ordinários de consciência.
Publicado
2016-10-11
Como Citar
SILVA, M. QUADRINHOS VISIONÁRIOS. Revista Temporis[ação] (ISSN 2317-5516), v. 16, n. 2, p. 61-81, 11 out. 2016.
Seção
DOSSIÊ HISTÓRIA EM QUADRINHOS