PANORAMA DAS PESQUISAS RELACIONADAS À INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM GOIÁS

Palavras-chave: Levantamento bibliográfico, educação matemática, inclusão, deficiência

Resumo

Este artigo representa um panorama das pesquisas acadêmicas realizadas nas instituições de ensino superior do estado de Goiás no âmbito da educação matemática inclusiva. Os dados apresentados são resultados de um levantamento bibliográfico de teses e dissertações publicadas no período de 2010 a 2019, as quais abordam a relação entre educação matemática e inclusão, considerando os diferentes tipos de deficiências, tais como, altas habilidades, deficiência auditiva, visual e intelectual ou mental. O levantamento foi realizado no catálogo de teses e dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoas de Nível Superior -CAPES (BRASIL, 1987-), e no portal da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações - BDTD (BRASIL, 2002-), fazendo uso dos descritores "educação matemática", "inclusão" e "deficiência”, selecionando apenas as publicações de Goiás, um total de cinco instituições. A partir dos dados obtidos foi realizada uma análise visando verificar quais são as pesquisas e do que elas tratam, considerando os diferentes tipos de deficiência. Além disso, o artigo traz uma abordagem sobre o campo profissional e científico da Educação Matemática. O referencial teórico adotado é constituído por autores que evidenciam a importância do levantamento bibliográfico e as concepções sobre educação matemática inclusiva, tais como, Lüdke e André (1986), Fiorentini e Lorenzato (2009), D’Ambrósio (1996), Orrú (2017) e Civardi e Santos (2018). Assim foi possível traçar um panorama da produção acadêmica relacionada a essa temática, identificando as deficiências mais abordadas nas pesquisas e ao mesmo tempo a carência de pesquisas desse segmento no estado de Goiás. Sendo encontrada apenas 11 teses e dissertações, número que destoam da necessidade representada no último censo demográfico (IBGE, 2010), o qual registra que em Goiás 23% da população declararam possuir algum tipo de deficiência.

Biografia do Autor

Elisabeth Cristina de FARIA, Sra, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Licenciatura em Matemática, mestrado em Educação Brasileira pela Universidade Federal de Goiás e doutorado em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora Adjunta do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade Federal de Goiás, atua na área da Educação Matemática e seus interesses em pesquisa estão na formação de professores, tecnologias e tecnologias assistivas na educação, inovação na prática docente e educação a distância.

Fabiana Fernandes HARAMI, PPGEEB/UFG

Possui graduação em Processamento de Dados (Uni-Anhanguera - 2000) e Licenciatura em Pedagogia (ISSED - 2019) com especializações em Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos (FUBRA - 2001), Educação Profissional (SENAC - 2012) e Educação a Distância (SENAC - 2013). Mestra em Ensino na Educação Básica (PPGEEB - CEPAE/UFG - 2021) Instrutora de informática - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - GO. Com experiência na metodologia de ensino por competências na área de Ciência da Computação, com ênfase em redes de computadores, sistemas operacionais e aplicativos. Professora em cursos técnicos SENAC e SEDUC (Mediotec). Além de experiência em Educação a Distância, como tutora e coordenadora de tutoria (SENAC e IFG).

Referências

BOGDAN, Roberto Carlos; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação. Tradução de Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto, PT: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Decreto nº 7.612, de 17 de novembro de 2011. Institui o plano nacional dos direitos da pessoa com deficiência - plano viver sem limites. Diário Oficial de União, Brasília, 18 nov. 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7612.htm. Acesso em: 19 abr. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial de União, Brasília, 26 jun. 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 19 abr. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial de União, Brasília, 7 jul. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 19 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações - BDTD. Brasília, DF: IBCT, 2002-. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind. Acesso em: 17 de mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Catálogo de teses e dissertações. Brasília, DF: CAPES, 1987- . Disponível em: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses. Acesso em: 15 de abr. 2020.

CAETANO, Danilo Borges. Estratégias e mediações para o ensino de geometria plana à luz do desenho universal pedagógico na perspectiva da educação matemática inclusiva. 2018. 193 f. Dissertação (Mestrado em Ensino na Educação Básica) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2018.

CIVARDI, Jaqueline Araújo; SANTOS, Elismar Alves dos (orgs.). Educação, matemática e inclusão escolar: perspectivas teóricas. Curitiba: Appris, 2018.

CORRÊA, Wallace Cayke Ribeiro. Avaliação e surdez: um olhar dos professores de matemática de alunos surdos. 2018. 131 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2018.

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Etnomatemática: arte ou técnica de explicar ou conhecer. 2. ed. São Paulo: Atual, 1996.

DELABONA, Stênio Camargo. A mediação do professor e a aprendizagem de geometria plana por aluno com transtorno do espectro autista (síndrome de Asperger) em um laboratório de matemática escolar. 2016. 195 f. Dissertação (Mestrado em Ensino na Educação Básica) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

FIORENTINI, Dario; LORENZATO, Sergio. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 37. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GALVÃO, Maria Cristiane Barbosa; RICARTE, Ivan Luiz Marques. Revisão sistemática da literatura: conceituação, produção e publicação. Logeion: filosofia da informação, v. 6, n. 1, p. 57-73, 2019. Disponível em: http://revista.ibict.br/fiinf/article/view/4835. Acesso em: 30 ago. 2021.

GIARDINETTO, José Roberto Boettger. Sujeitos, escola e produção de conhecimento: a pedagogia histórico-crítica subsidiando a reflexão da questão cultural na educação escolar. In: MENDONÇA, Sueli Guadelupe Lima; MILLER, Stela (orgs.). Vygotsky e a escola atual: fundamentos teóricos e implicações pedagógicas. Araraquara, SP: Junqueira&Marin, 2006. p. 85-122.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9662-censo-demografico-2010.html?edicao=9749&t=destaques. Acesso em: 19 abr. 2020

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Nota técnica 01/2018. Releitura dos dados de pessoas com deficiência no censo demográfico 2010 à luz das recomendações do Grupo de Washington. Rio de Janeiro: IBGE, 2018. Disponível em: https://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/metodologia/notas_tecnicas/nota_tecnica_2018_01_censo2010.pdf. Acesso em: 21 set. 2020.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LÜDKE, Menga. ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2015.

MARTINS, Leila Alves. Educação matemática para surdos: contribuições de um glossário para o ensino de probabilidade e estatística. 2019. 113 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação para Ciências e Matemática) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Jataí, GO, 2019.

MENDES JÚNIOR, Josino Lucindo. Objeto de aprendizagem hiperligado com materiais manipuláveis para o ensino de geometria espacial para alunos com baixa visão na educação básica. 2016. 237 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

MORAES, Mara Cristina Vieira de. Educação matemática e deficiência intelectual, para inclusão escolar além da deficiência: uma metanálise das dissertações e teses de 1995 a 2015. 2017. 240 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.

ORRÚ, Sílvia Ester. O re-inventar da inclusão: os desafios da diferença no processo de ensinar e aprender. Petrópolis: Vozes, 2017.

RIVERA, Andreza Fiorini Perez. O desafio da inclusão de alunos com NEE em aulas de matemática: o caso dos anos iniciais do ensino fundamental. 2017. 100 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Goiás, Goiânia, 2017.

RODRIGUES, Lis Borges. O uso da calculadora como recurso de tecnologia assistiva no ensino de aritmética para os alunos com deficiência intelectual inseridos na Educação de Jovens e Adultos (EJA). 2015. 238 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino na Educação Básica) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.

SANTOS, Eliane Pereira dos. Ensino de números inteiros associado à literatura infantil para alunos com Síndrome de Down. 2016. 72 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências) – Universidade Estadual de Goiás, Anápolis, GO, 2016.

SANTOS, Magda Cabral Costa. Investigação matemática em sala de aula: uma proposta para a inclusão do aluno surdo no ensino regular. 2015. 152 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação para Ciências e Matemática) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Jataí, GO, 2015.

SANTOS, Vanessa Silveira Moraes. Bilinguismo e ensino de matemática: a aprendizagem de situações-problema por alunos surdos e ouvintes no ensino fundamental I. 2018. 226 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação para Ciências e Matemática) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Jataí, GO, 2018.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. SINAce: Sistema Integrado de Núcleos de Acessibilidade. Portal UFGNet, 16 fev. 2018. Disponível em: https://acessibilidade.ufg.br/p/23486-sobre-o-sinace. Acesso em: 21 abr. 2020

VIANNA, Ilca Oliveira de Almeida. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: EPU, 2001.
Publicado
2022-06-10
Como Citar
FARIA, E. C.; HARAMI, F. PANORAMA DAS PESQUISAS RELACIONADAS À INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM GOIÁS. Revista Temporis[ação] (ISSN 2317-5516), v. 22, n. 01, p. 24, 10 jun. 2022.
Seção
ARTIGO ACADÊMICO