A EDUCAÇÃO PATRIMONIAL EM SUA RELAÇÃO COM A UNIVERSIDADE

SINERGIAS E VULNERABILIDADES

Palavras-chave: Espaços de memória, processos educacionais, educação patrimonial, universidade e comunidade

Resumo

Sob o entendimento de que as universidades precisam investir, cada vez mais, em espaços de memória como condição para que se assumam enquanto ambientes acadêmicos efetivamente sociointeracionistas, este artigo tem como objetivo evidenciar a importância de processos educacionais com foco na educação patrimonial potencializada no contexto universitário por meio de centros, museus e outros espaços de memória. Para tanto, constitui-se em uma revisão de literatura com abordagem qualitativa que possibilita compreender a importância dos espaços universitários de memória, tanto para fortalecer os laços entre ensino, pesquisa e extensão necessários ao processo de formação do acadêmico, quanto para aproximar a universidade da comunidade por meio de processos educativos patrimoniais que visem proteger e conservar memórias passadas, presentes e futuras que explicam as trajetórias humanas. Desfecha-se este artigo concluindo que a formação de professores, se situada aos espaços de memórias, pode ser uma válida estratégia para potencializar a relação entre espaços educativos formais e não formais, o que incidirá na proteção e conservação de memórias passadas, presentes e futuras.

Biografia do Autor

Daniel Cardoso ALVES, Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)

Geógrafo, Pedagogo, Filósofo e Poeta. Doutorando em Educação: Conhecimento e Inclusão Social (UFMG). Mestre em Ciências Ambientais (UESB). Especialista em Análise do Espaço Geográfico (UESB). Professor e Pesquisador do Departamento de Fundamentos Sócio históricos e Filosóficos da Educação, Área de Filosofia e Educação, da Faculdade de Educação da Universidade do Estado de Minas Gerais, Campus Universitário de Belo Horizonte (DFSHFE/FaE/UEMG-CBH). Tem experiência nas Áreas de: Ciências Humanas, com ênfase em Ensino de Geografia, Filosofia da Educação e Educação e Linguagem; Multidisciplinar, com ênfase em Meio Ambiente e Desenvolvimento e Cultura, Sociedade e Natureza; Ciências Sociais, com ênfase em Legislação Universitária e Gestão Acadêmica no Serviço Público. Participou e participa de projetos de extensão e de pesquisa, assim como de grupos de pesquisa do CNPQ na UESB-BA, FaE/UEMG-CBH e FaE/UFMG. Foi professor dos Cursos de: Especialização em Educação e Gestão Ambiental da Faculdade Zacarias de Góes (FAZAG-BA); Especialização em Gestão Universitária da UESB-BA; e Ensino Fundamental II, Programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA), da Secretaria de Educação do município de Vitória da Conquista - BA. Integrou variadas comissões de assuntos acadêmicos e ocupou diversos cargos de educação superior, dentre os quais: Professor especialista, Gestor de Pólo, Coordenador de Matrícula, Coordenador de Vestibular, Coordenador do ENEM, Coordenador de Registro e Controle de Discentes, Secretário de Expediente e Protocolo, Subgerente de Extensão, Coordenador de Programas e Projetos, Coordenador de Pós-Graduação e Diretor Geral de Cursos. 

Referências

ABREU, Regina; CHAGAS, Mário. Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: DP&A; Unirio; Faperj, 2003.

AGAR, Michael. Language shock: understanding the culture of conversation. New York: Perenial, 2002.

ALMEIDA, Adriana Mortara. Museus e coleções universitários: por que museus de arte na Universidade de São Paulo? 2001. Tese (Doutorado em Ciências da Informação e Documentação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001. Disponível em: http://www.teses.usp.br. Acesso em: 01 nov. 2019.

ALVES, Vânia Maria Siqueira. Museus escolares no Brasil: de recurso de ensino ao patrimônio e a museologia. 2016. Tese (Doutorado em Museologia e Patrimônio) – Museu de Astronomia e Ciências Afins, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

BOGDAN, Robert C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação? 6. ed. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2005.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial de União, Brasília, 05 out. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 20 nov. 2019.

BRASIL. Decreto nº 3.551/2000. Institui o registro de bens culturais de natureza imaterial que constituem patrimônio cultural brasileiro, cria o programa nacional do patrimônio imaterial e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 07 ago. 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3551.htm. Acesso em: 20 nov. 2019.

CANCLINI, Nestor Garcia. O patrimônio cultural e a construção imaginária do nacional. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 23, 1994.

CHAGAS, Mário. Museália. Rio de Janeiro: JC Editores, 1996.

CHAUÍ, Marilena. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 24, set./out./nov./dez. 2003. Disponível em: http://scielo.br/pdf/rbedu/n24/n24a02.pdf. Acesso em: 12. Jul. 2018.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Editora Unesp, 2001.

COELHO, Alexandra Prado; COUTINHO, Isabel. O incêndio do Museu Nacional do Rio foi “a queima de 200 anos de história”. Ípslon, 03 set. 2018. Disponível em: https://www.publico.pt/2018/09/03/culturaipsilon/noticia/o-incendio-do-museu-nacional-do-rio-foi-a-queima-de-200-anos-de-historia-1842916. Acesso em: 02 fev. 2021.

CONSELHO INTERNACIONAL DE MUSEUS (ICOM). Código de Ética do ICOM para os museus. In: ASSEMBLEIA
GERAL DO CONSELHO INTERNACIONAL DE MUSEUS, 20., 2001, Barcelona, ES. Documento aprovado [...]. Barcelona, ES: ICOM, 2001

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

GIOVANAZ, Marlise. Pedras e emoções: os percursos do patrimônio. Em questão, Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 235-242, jul./dez. 2007.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Laurent Léon Schaffter. São Paulo: Edições Vértice; Editora Revista Dos Tribunais LTDA, 1990.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN). Caderno de diretrizes museológicas. Brasília: IPHAN, 2002.

______. Inventário nacional de referências culturais: manual de aplicação. Brasília: IPHAN, 2000.

JULIÃO, Letícia. Pesquisa histórica no museu. In: BRASIL. Ministério de Cultura. Caderno de diretrizes museológicas 1. 2. ed. Brasília: MinC; IPHAN; Departamento de Museus e Centros Culturais, 2006. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura; Superintendência de Museus, 2006. p. 91-107

LE GOFF, Jacques. A história nova. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para que? 12. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

LIMA, Déborah. 'Não foi por falta de aviso', afirma ex-diretor do museu da UFMG que pegou fogo. Estado de Minas, Belo Horizonte, 15 jun. 2020. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2020/06/15/interna_gerais,1156789/nao-foi-por-falta-de-aviso-afirma-ex-diretor-do-museu-da-ufmg-que-p.shtml. Acesso em: 02 fev. 2021.

MINAS GERAIS. Corpo de Bombeiros. Imagens do Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG. 1 fotografia aérea, color. In: LIMA, Déborah. 'Não foi por falta de aviso', afirma ex-diretor do museu da UFMG que pegou fogo. Estado de Minas, Belo Horizonte, 15 jun. 2020. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2020/06/15/interna_gerais,1156789/nao-foi-por-falta-de-aviso-afirma-ex-diretor-do-museu-da-ufmg-que-p.shtml. Acesso em: 02 fev. 2021.

MORAES, Ricardo. Vista aérea do Museu Nacional do Rio depois do incêndio. 1 fotografia aérea, color. In:

COELHO, Alexandra Prado; COUTINHO, Isabel. O incêndio do Museu Nacional do Rio foi “a queima de 200 anos de história”. Ípslon, 03 set. 2018. Disponível em: https://www.publico.pt/2018/09/03/culturaipsilon/noticia/o-incendio-do-museu-nacional-do-rio-foi-a-queima-de-200-anos-de-historia-1842916. Acesso em: 02 fev. 2021.

SANTOS, Maria Célia Moura T. Museu, Escola e Comunidade – Uma integração necessária. Salvador: UFBA, 1987.

VYGOTSKY, Lev Semionovitch. A formação social da mente. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
Publicado
2022-03-07
Como Citar
ALVES, D. A EDUCAÇÃO PATRIMONIAL EM SUA RELAÇÃO COM A UNIVERSIDADE. Revista Temporis[ação] (ISSN 2317-5516), v. 22, n. 01, p. 19, 7 mar. 2022.
Seção
ARTIGO ACADÊMICO