O PAPEL DA REPRESENTATIVIDADE ETÁRIA NAS COLEÇÕES DE LIVROS DIDÁTICOS DE LÍNGUA INGLESA

Palavras-chave: Análise de Livro Didático, Representatividade Etária, Multiletramento, Semiótica

Resumo

Muito mais do que um núcleo de formação intelectual e cognitiva do indivíduo, a escola vem, ao longo do tempo, desempenhando a promoção dos valores cidadãos, o que permeia inúmeras discussões em torno da representatividade social e contribui para uma desconstrução de preconceitos, intolerâncias, desrespeitos e marginalizações, a partir de propostas didático-pedagógicas que alicerçam uma naturalização positiva da diversidade e pluralidade existentes na representatividade humana. Esse artigo, portanto, propôs analisar três coleções de livros didáticos de Língua Inglesa (LI), a partir da fundamentação teórica construída por leituras diversas dentro da Linguística Aplica, da Semiótica e dos Multiletramentos. Nesse contexto, buscou-se traçar uma reflexão sobre a diversidade etária a luz da presença, ou não, de imagens de idosos na ilustração das unidades didáticas, a fim de inferir o nível de importância dada a essa questão dentro da proposta de multiletramento, sustentada pelas contribuições advindas da Semiótica.

Biografia do Autor

Alessandra Leles ROCHA

Graduada em Letras, Habilitação em Inglês e Literaturas de Língua Inglesa, pela Universidade Federal de Uberlândia.

Mestre em Geografia (Área de Concentração: Análise, Planejamento e Gestão Socioambiental), pela Universidade Federal de Uberlândia.

Bacharel em Ciências Biológicas, pela Universidade Federal de Uberlândia.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/3159400393008830

Referências

AMOS, E. (org.). Students for peace. São Paulo: Moderna, 2015a. 144 p. (4 volumes).

AMOS, E. Students for peace. Manual do professor. São Paulo: Moderna, 2015b. 112 p. (4 volumes).

AMOS, E.; PRESCHER, E.; PASQUALIN, E. Our way. 8. ed. São Paulo: Moderna, 2016a. 144 p. (4 volumes).

AMOS, E. Our way. Manual do professor. 8. ed. São Paulo: Moderna, 2016b. 48 p. (4 volumes).

BAUMAN, Z. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. 120 p.

BELMIRO, C. A. A imagem e suas formas de visualidade nos livros didáticos de português. Educação e Sociedade, Campinas, SP, ano 21, n. 72, p. 11-31, ago. 2000.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, 1998. 120 p.

CARLOS, E. J. O texto em questão: re-significação conceitual e implicações pedagógicas. Conceitos, João Pessoa, PB, v. 5, n. 8, p. 61-73, 2002.

CARMAGNANI, A. M. G. A concepção de professor e de aluno no livro didático e o ensino de redação em LM e LE. In: CORACINI, M. J. R. F. (org.). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático. Campinas, SP: Pontes, 1999. p. 127-133.

CELANI, M.A.A. Transdisciplinaridade na linguística aplicada no Brasil. In: SIGNORINI, I.; CAVALCANTI, M. (org.). Linguística aplicada e transdisciplinaridade. Campinas: Mercado de Letras, 1998. p. 129-142.

COELHO, L. P.; MESQUITA, D. P. C. de. Língua, cultura e identidade: conceitos intrínsecos e interdependentes. Entreletras, Araguaína, TO, v. 4, n. 1, p. 24-34, jan./jul. 2013.

COPE, B.; KALANTZIS, M. Multiliteracies: new literacies, new learning. Pedagogies: an international journal, Singapore, v. 4, p. 164-195, 2009.

CORACINI, M. J. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade: línguas (materna e estrangeira), plurilinguismo e tradução. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007. 248 p.

FUNDO POPULACIONAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Envelhecimento no século XXI: celebração e desafio. Nova York: UNFPA, 2012. Londres: HelpAge International, 2012. Disponível em: https://www.unfpa.org/sites/default/files/pub-pdf/Portuguese-Exec-Summary_0.pdf. Acesso em: 06 abr. 2019.

GOUVÊA, G.; OLIVEIRA, C. I. C. Memória e representação: imagens nos livros didáticos de física. Ciências e Cognição, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 69-83, dez. 2010.

GUIMARÃES, E. Linguagem verbal e não verbal na malha discursiva. Bakhtiniana, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 124-135, jul./dez. 2013.

KUMARAVADIVELU, B. (Re)visioning language teacher Education. In: ______. Language teacher education for a global society. New York, UK: Routledge, 2012. p. 1-19.

LOPES, L. P. M. Da aplicação de linguística à linguística aplicada indisciplinar. In: PEREIRA, R.C.; ROCA, P. (org.). Linguística aplicada: um caminho com muitos acessos. São Paulo: Editora Contexto, 2009. p. 11-24.

MARTIN, J.R. Construing knowledge: a functional linguistic perspective. In: CHRISTIE, F.; MARTIN, J.R. Language, knowledge and pedagogy: functional linguistic and sociological perspectives. London: Continuum, 2007.

MENEZES, E. T.; SANTOS, T. H. Dicionário interativo da educação brasileira. São Paulo: Midiamix, 2001. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2018.

MEUCCI, S. Os livros didáticos da perspectiva da sociologia do conhecimento: uma pro-posição teórico-metodológica. Revista Brasileira de História da Educação, Maringá, PR, v. 20, p. 1-18, 2020.

OLIVEIRA, M. B. F.; SZUNDY, P. T. C. Práticas de multiletramentos na escola: por uma educação responsiva à contemporaneidade. Bakhtiniana, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 184-205, ago./dez. 2014.

OLIVEIRA, E.; SOUZA, M. L. Multiculturalismo, diversidade cultural e direito coletivo na ordem contemporânea. Cadernos da Escola de Direito e Relações Internacionais, Curitiba, v. 3, n. 16, p. 121-139, 2011.

OLIVEIRA, S. Texto visual, estereótipos de gênero e o livro didático de língua estrangeira. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 47, n. 1, p. 91-117, jan./jun. 2008.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 2001.

RAJABI, S.; KETABI, S. Aspects of cultural elements in prominent english textbooks for efl setting. Theory and Practice in Language Studies, Finland, v. 2, n. 4, p. 705-712, apr. 2012.

RAJAGOPALAN, K. O conceito de identidade em linguística: é chegada a hora de uma reconsideração radical? Tradução de Almiro Pisetta. In: SIGNORINI, I. (org.). Lingua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998. 384p.

RAMOS, R. C. G. O livro didático de língua inglesa para o ensino fundamental e médio: papeis, avaliação e potencialidades. In: DIAS, R.; CRISTÓVÃO, V. L. L. (org.). O livro didático de língua estrangeira: múltiplas perspectivas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2009. p. 173-198.

SANTOS. R. M. Formação artística, percepção semiótica e o signo simbólico. Revista Farol, Vitória, ES, n. 16, p. 37-47, 2016.

SEVERINO, T. A. Imagem e imaginário social na pós-modernidade. Revista Ciclos, Florianópolis, SC, v. 4, n. 8, p. 81-91, 2017.

SOUSA, S. M.; TEIXEIRA, L. Contribuições da semiótica às práticas de multiletramento. Estudos Semióticos, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 46-62, dez. 2019.

TEIXEIRA, C. S.; RIBEIRO, M. A. A. Ensino de língua estrangeira: concepções de língua, cultura e identidade no contexto do ensino/aprendizagem. Linha d’Água, São Paulo, v. 1, n. 25, p. 183-201, 2012.

TOMLINSON, B.; MASUHARA, H. A elaboração de materiais para cursos de idiomas. São Paulo: SBS Editora, 2005. 86 p.

VALVERDE, I. Log in to english. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2013a. 144 p. (4 volumes).

VALVERDE, I. Log in to english. Manual do professor. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2013b. 48 p. (4 volumes).

VILAÇA, M. L. C. O material didático no ensino de Língua estrangeira: definições, modalidades e papeis. Revista Eletrônica do Instituto de Humanidades, Rio de Janeiro, v. 8, n. 30, p. 1-14, jul./set. 2009.
Publicado
2021-12-20
Como Citar
ROCHA, A. O PAPEL DA REPRESENTATIVIDADE ETÁRIA NAS COLEÇÕES DE LIVROS DIDÁTICOS DE LÍNGUA INGLESA. Revista Temporis[ação] (ISSN 2317-5516), v. 21, n. 02, p. 26, 20 dez. 2021.
Seção
ARTIGO ACADÊMICO

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##