AÇÕES EDUCATIVAS PARA O PATRIMÔNIO NO ÂMBITO DO IPHAN

POR UMA CONCEPÇÃO DE PROJETOS EM REDES LOCAIS

Resumo

Trago, no presente artigo, uma reflexão acerca da capacidade de enlace social que oferecem os projetos de ações educativas para o patrimônio (ou educação patrimonial). Tem como recorte as Casas do Patrimônio Iphan, considerando que esses espaços devem ir além da função de escritório técnico, quando, em sua maioria, atuam em demandas de fiscalização e conservação de bens patrimoniais materiais tombados, provocando mais conflitos que diálogo e participação social, na preservação do patrimônio cultural. O trabalho apresenta uma aliança entre os conceitos de Educação Patrimonial, Redes de Patrimônio e Metodologia de Projetos, unindo-se à contação de histórias como possibilidade efetiva de preservação e difusão das referências culturais, das memórias e das identidades da comunidade. Para tanto, firma a necessidade de se estruturar ações educativas para o patrimônio cultural que se estabeleçam sobre uma rede local de parcerias, em projetos de ação e gestão compartilhadas com o poder público local e a comunidade, de forma permanente, primando pela ampliação da capacidade prática de execução real da Política Nacional de Educação Patrimonial. Por fim, demonstra, com o projeto Quintal do Patrimônio, como redes de patrimônio e contações de histórias podem ser efetivas enquanto instrumento de difusão e salvaguarda do patrimônio cultural, a partir do que a comunidade sente e vivencia como tal.

Biografia do Autor

Ana Paula CARVALHO, Mestrado em Estudos Culturais, Memória e Patrimônio na Universidade Estadual de Goiás

Mestranda em Estudos Culturais, Memória e Patrimônio pela Universidade Estadual de Goiás-UEG. Licenciada e Bacharel em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia-UFU; Gestora do Patrimônio Cultural no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, lotada no estado de Goiás. De 2015 a 2019, no Departamento Municipal de Água e Esgoto de Uberlândia-DMAE, foi Supervisora de Projetos de Educação Ambiental, atuando também como Responsável Técnica do Plano de Desenvolvimento Socioambiental da Construção do Sistema Produtor de Água Capim Branco, coordenando a equipe de atendimento social e comunitário na promoção de palestras, cursos, eventos culturais e educacionais voltados para a sustentabilidade socioambiental da região, desde a elaboração e aprovação do projeto à sua execução e gestão ao longo da obra. De 2006 a 2014, desenvolveu projetos socioculturais pela CUFA - Central Única das Favelas -, visando a formação cultural de jovens em periferias de São Paulo e Rio de Janeiro, sendo responsável pelo desenvolvimento de projetos culturais e esportivos, bem como pela coordenação da CUFA no estado de São Paulo.

Publicado
2021-06-18
Como Citar
CARVALHO, A. P. AÇÕES EDUCATIVAS PARA O PATRIMÔNIO NO ÂMBITO DO IPHAN. Revista Temporis[ação] (ISSN 2317-5516), v. 21, n. 01, p. 23, 18 jun. 2021.
Seção
PRIMEIRAS LETRAS