PATRIMÔNIO HISTÓRICO

A PRODUÇÃO DO HABITUS NA UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NA CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE MINAÇU (GO)

Resumo

O presente artigo trata da utilização de plantas medicinais pelas comunidades remanescentes de Quilombo, uma formulação guiada pelos conceitos de patrimônios materiais e imateriais, sendo definido e reconhecido com base na cultura quilombola.  Sob o título de “Patrimônio histórico: a produção do habitus na utilização da cultura de Plantas Medicinais dos remanescentes Quilombolas de Minaçu-Go”, aborda aspectos históricos e socioculturais desse grupo, sob a ótica do mito e do habitus, caracterizando a compreensão de seu ritual e a importância como fins medicinais. Pretende-se, portanto, a referida pesquisa caracterizar os principais comportamentos e práticas do grupo que utilizam plantas típicas da região para cuidados com a saúde, plantas essas que se classificam como habitus, a partir da compreensão e definição de Pierre Bourdieu. Comportamentos que se fundamentam nos mitos que sustentam e protegem a comunidade, formadores e conservadores de habitus e identidades. Metodologicamente vale-se da referência de teóricos pesquisadores do assunto e coleta de relatos. Desse modo fundamenta-se em autores como: ALBERTI (2004); BONNEWITZ (2003); (BRASIL, 2015); pesquisadores como DEVIENNE et al (2004); (SOUZA-MOREIRA et al, 2010) entre outros. Conclui-se que o habitus se apresenta, de forma resumida, como “um sistema de disposições duradouras adquiridas pelo homem durante o processo de socialização”. E percebe-se que as práticas expressadas na utilização das plantas medicinais, bem como sua utilização pela comunidade remanescentes Quilombola, demonstram a riqueza culturalmente construída dentro do campo social.

Biografia do Autor

Maria Edimaci Teixeira Barbosa LEITE, Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO)

Doutoranda em Educação pela PUC-Goiás, Linha de Pesquisa Sociedade, Cultura e Educação. Membro do Grupo de Pesquisa Educação, História, Memória e Culturas em Diferentes Espaços Sociais/HISTEDBR, disponível em dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6973340117105960. Mestre em Educação pela PUC-GO. Pós em Sociolinguística e Letramento (PUC-GO); Pós em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela Faculdade Brasileira de Educação e Cultura (2012). É Pedagoga e atua na Rede Municipal de Educação de Goiânia, atuando na área de Educação de Jovens e Adultos. Tem experiência em Educação Infantil, Ensino Superior, Educação Inclusiva e Língua Brasileira de Sinais (Libras)

Publicado
2021-06-30
Como Citar
LEITE, M. E. T.; SOUZA, E. M. PATRIMÔNIO HISTÓRICO. Revista Temporis[ação] (ISSN 2317-5516), v. 21, n. 01, p. 19, 30 jun. 2021.
Seção
DOSSIÊ EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: HISTÓRICO, CONCEITOS E PROCESSOS