Parque Nacional dos Campos Gerais (PR): subsídios visando o manejo e o monitoramento dos impactos do uso público da atividade de escalada

Campos Gerais National Park (Paraná - Brazil): Subsidies for public use management and impacts monitoring related with climbing activity

  • Sara Ferreira Ribas Universidade Federal de Santa Catarina
  • Jasmine Cardozo Moreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - Paraná
Palavras-chave: Parque Nacional dos Campos Gerais. Escalada. Uso Público. Impactos.

Resumo

Resumo: O Parque Nacional dos Campos Gerais (PNCG), no Paraná, é uma Unidade de Conservação de Proteção Integral, criada em 2006. Não possui Plano de Manejo e sua área ainda não foi desapropriada, entretanto, possui áreas de uso público e a escalada é realizada há muitos anos. Para evitar impactos negativos da atividade,  é necessário compreender as práticas de gestão para viabilizar a continuidade da escalada de maneira ordenada e compatível com a conservação dos recursos naturais do Parque. Desse modo, este artigo tem como objetivo oferecer subsídios para o manejo e apresentar sugestão de regras de uso público para a realização da atividade de escalada no PNCG. A metodologia utilizada foi a consulta em referencias bibliográficas, saídas de campos e a utilização do Roteiro Metodológico para Manejo do Impacto da Visitação, publicado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBIO), para priorizar os lugares com atividades de escalada que devem ser objeto de manejo de impacto da visitação. O PNCG possui 14 setores que englobam diversas vias, e concluiu-se que os setores prioritários para o manejo na área da Cachoeira do Rio São Jorge são os denominados Valéria e Mesa de Pedra e o Boulder da Serrinha.  Na área do Buraco do Padre os impactos não são tão evidentes e a priorização deve ser dada para a área da Dolina Grande. Por fim, são apresentadas as recomendações de manejo para a prática e é feita a sugestão de um Termo de Responsabilidade.

Campos Gerais National Park (Paraná - Brazil): Subsidies for public use management and impacts monitoring related with climbing activity

Abstract: The Campos Gerais National Park (PNCG), in Paraná State (Brazil), is a Conservation Unit of Integral Protection created in 2006. It does not have a Management Plan and its area has not yet been expropriated, however, it has areas of public use used for climbing since many years ago. To avoid negative impacts of the activity, this study seeks to understand the management practices necessary to enable the continuity of climbing in a compatible manner with the conservation of the Park's natural resources. Thus, this article aims to offer subsidies for the management and to present a suggestion of public use rules for the climbing activity in Campos Gerais National Park. The methodology used bibliographical references, field trips and the Methodological Guidelines for the Impact of Visitation, published by the Chico Mendes Institute of Biodiversity Conservation - ICMBIO, to prioritize places with climbing activities that should be object of visitor impact management. The PNCG has 14 climbing sectors and several climbing routes. It was concluded that the priority sectors for management at the São Jorge area are those named Valéria, Mesa de Pedra and Boulder da Serrinha. At ​​Buraco do Padre sinkhole the impacts are not so evident and the prioritization must be given to the Dolina Grande area. Concluding, the management recommendations for the practice are presented and a Responsibility Term is suggested.

Key Words: Campos Gerais National Park. Climbing. Public Use. Impacts.

Parque Nacional Campos Gerais (Paraná - Brazil): subsidios para la gestión de uso público y el monitoreo de los impactos relacionados con la actividad de escalada

Resumen: El Parque Nacional Campos Gerais (PNCG), en Paraná (Brazil), es una Unidad de Conservación de Protección Integral creada en 2006. No tiene un Plan de Manejo y su área aún no ha sido expropiada, sin embargo, tiene áreas de Uso Público donde ya se realiza la escalada desde hace años. Para evitar los impactos negativos de la actividad, esta investigacion busca comprender las prácticas de manejo necesarias para permitir la continuidad de la escalada de manera compatible con la conservación de los recursos naturales del Parque. Por lo tanto, este artículo tiene como objetivo ofrecer subsidios para la gestión y presentar una sugerencia de reglas de uso público para la actividad de escalada en el PNCG. La metodología utilizada fue la consulta en referencias bibliográficas, viajes de campo y las Directrices Metodológicas para el Impacto de la Visita, publicadas por el Instituto Chico Mendes de Conservación de la Biodiversidad - ICMBIO, para priorizar lugares con actividades de escalada que deberían ser objeto de la gestión del impacto del visitante. El PNCG tiene 14 sectores y varias rutas de escalada. Se concluyó que los sectores prioritarios para la gestión en el área del río São Jorge son los llamados Valéria y Mesa de Pedra y Boulder da Serrinha. En el área del sumidero de Buraco do Padre, los impactos no son tan evidentes y se debe dar prioridad al área de Dolina Grande. Concluyendo, se presentan las recomendaciones de manejo para la práctica y se sugiere un término de responsabilidad.

Palabras clave: Parque Nacional dos Campos Gerais. Escalada. Uso Público. Impactos.

Biografia do Autor

Sara Ferreira Ribas, Universidade Federal de Santa Catarina

Bacharel em Geografia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Especialista em Gestão e Educação Ambiental. Mestre em Geografia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Doutoranda do programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Jasmine Cardozo Moreira, Universidade Estadual de Ponta Grossa - Paraná

Graduada e mestre em Turismo. Doutora em Geografia. Docente nos níveis de graduação é pós graduação (mestrado e doutorado), da  Universidade Estadual de Ponta Grossa. Professora assistente adjunta (visitante), na Universidade de West Virginia, nos Estados Unidos.

Referências

ABNT (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS). NBR 15500: Turismo de Aventura – Terminologia. Rio de Janeiro: ABNT, 2007.

ALTA MONTANHA. O Paraná e o montanhismo. Disponível em: < http://altamontanha.com/Colunas/3023/o-parana-e-o-montanhismo> Acesso em: 7 jan. 2017.

ALVES, Ruy. Morphological age determination and longevity in some Vellozia populations in Brazil. Folia Geobotanica Phytotaxa, Praha, v.29, n.1, p.55-59, jan. 1994.

ASSOCIAÇÃO CAXIENSE DE MONTANHISMO - ACM. Modalidades de escalada e montanhismo. Disponível em: < http://www.acm-rs.org.br/?p=150 > Acesso em: 13 maio 2016.

BARROS, Fábio; MASSUQUETO, Lilian. Guia de escalada em rocha: Ponta Grossa, Paraná. Curitiba: Marumby, 2010.

BODENS, Johannes Peixoto. Diretrizes para avaliação do impacto ambiental da prática de boulder em Parques Nacionais e Estaduais: o caso do Parque Estadual dos Pirineus (GO). 2013, 78 f. Monografia (Bacharelado e Licenciatura em Geografia), Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

BRASIL. Decreto Federal s/n°, de 23 de março de 2006. Cria o Parque Nacional dos Campos Gerais. Brasília, DF. Disponível em: < http://www6.senado.gov.br/legislacao/ListaPublicacoes.action?id=253890&tipoDocumento=DEC&tipoTexto=PUB >. Acesso em: 10 jun. 2016.

BRASIL. Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9985.htm >. Acesso em: 23 abr. 2018.

BURGARDT, Solange. MOREIRA, Jasmine Cardozo. Análise dos Impactos Ambientais relacionados ao Uso Público na furna do Buraco do Padre, Parque Nacional dos Campos Gerais (PR). Revista Brasileira de Espeleologia, Brasília: ICMBio, v. 1, n.9, p. 1-20, 2018.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE MONTANHISMO E ESCALADA (CBME). Sistema Brasileiro de Graduação de Vias de Escalada. Disponível em: < http://www.femesp.org/wp-content/uploads/2017/07/sistema_brasileiro_graduacao.pdf >. Acesso em: 19 abr. 2017.

CRUZ, Gilson Campos. Alguns aspectos do clima dos Campos Gerais. In: MELO, Mário Sérgio de; MORO, Rosemeri Segecin; GUIMARÃES, Gilson Burigo (Org.). Patrimônio natural dos Campos Gerais do Paraná. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2007, p. 59 - 72.

FEDERAÇÃO DE ESPORTES DE MONTANHA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (FEMERJ). Biblioteca. Disponível em: < http://www.femerj.org/ > Acesso em: 14 fev. 2017.

FEDERAÇÃO DE ESPORTES DE MONTANHA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (FEMERJ). Código de Ética do I Congresso Brasileiro de Montanhismo. Disponível em < http://www.femerj.org/wp-content/uploads/femerj_codigo_etica_i_congresso_montanhismo.pdf >. Acesso em: 10 jan. 2019.

GARCIA, Lilian Vieira Miranda. Cachoeira da Mariquinha: Impactos e Potencialidades do Uso Público no Parque Nacional dos Campos Gerais – PR. 2015, 156 f. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território) Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL (IBDF). Plano de Manejo do Parque Nacional do Itatiaia. Brasília: Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal IBDF/FBCN, 1982.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE (ICMBIO). Plano de Manejo - Parque Nacional da Serra dos Órgãos. Brasília: ICMBio, 2008.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE (ICMBIO). Plano de Manejo - Parque Nacional do Itatiaia. Brasília: ICMBio, 2013.

INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ (IAPAR). Atlas climático do Estado do Paraná. Londrina: IAPAR Ed., 2019.

MAACK, Reinhard. Geografia Física do Estado do Paraná. Ponta Grossa: Editora da Universidade Estadual de Ponta Grossa, 2012.

MASSUQUETO, Luana. Potencialidades de turismo e uso acadêmico no Sítio Natural Cachoeira do Rio São Jorge Ponta Grossa PR. 104 f. TCC (Graduação) - Curso de Bacharelado em Geografia, Departamento de Geociências, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2003.

MELO, Mário Sérgio de. Formas rochosas do Parque Estadual de Vila Velha. Ponta Grossa: Editora da Universidade Estadual de Ponta Grossa, 2006.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA). Diretrizes para Visitação em Unidades de Conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2007.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA). Dez anos do sistema nacional de unidades de conservação da natureza: lições do passado, realizações presentes e perspectivas para o futuro. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2011.

MINISTÉRIO DO TURISMO (MTUR). Ecoturismo: orientações básicas. Brasília: Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação Geral de Segmentação, 2010.

MILANO, Miguel. Unidades de Conservação: atualidades e tendências. Curitiba: Fundação O Boticário de proteção à natureza, 2002.

OLIVEIRA, Emerson Antonio. O Parque Nacional dos Campos Gerais: processo de criação, caracterização ambiental e proposta de priorização de áreas para regularização fundiária. 2012. 294 p. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) - Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

RIBAS, Sara Ferreira. Subsídios para o manejo da atividade de escalada no Parque Nacional dos Campos Gerais. 2017. 139f. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território), Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2017.

RIBEIRO, Katia; LORENZETTO Alexandre; RODRIGUES Camila. Bases para o manejo de escaladas em Unidades de Conservação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, 4, 2004. Curitiba. Anais... Curitiba: Fundação o Boticário de Proteção à Natureza, Rede Nacional Pró-Unidades de Conservação. p. 335 –345.

VERTICAL INDOOR. Glossário. Disponível em: < http://www.verticalindoor.com.br/glosario.html >. Acesso em: 20 jan. 2019.

Publicado
2020-07-31
Como Citar
Ribas, S., & Moreira, J. (2020). Parque Nacional dos Campos Gerais (PR): subsídios visando o manejo e o monitoramento dos impactos do uso público da atividade de escalada. Élisée - Revista De Geografia Da UEG, 9(2), e922002. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/elisee/article/view/9561