ANÁLISE CIENCIOMÉTRICA DOS ESTUDOS COM FITORREMEDIAÇÃO

Resumo

Entre as diversas ferramentas para se diminuir os contaminantes no meio ambiente, a biorremediação se destaca por ser viável e promissora. Nesse contexto, a fitorremediação, que é uma técnica de biorremediação tem sido amplamente usada. Essa técnica tem como função acumular, transformar, degradar e/ou estabilizar um contaminante. Assim, com o objetivo de identificar as principais tendências e focos dos estudos sobre fitorremediação, o presente trabalho fez uma análise cienciométrica sobre a fitorremediação utilizando a base de dados Thomson ISI na Coleção Principal do Web of Science entre 1991 a 2014. Ocorreu uma forte tendência de crescimento dos artigos relacionados a fitorremediação. Países como a Índia e Espanha que não estão na vanguarda da produção científica mundial apresentaram um alto destaque nas publicações sobre fitorremediação. Assim como observados em outros trabalhos cienciométricos, também identificamos um forte decréscimo temporal no número de artigos com um único autor. A maioria dos trabalhos foram produzidos por 4 autores. A maioria dos trabalhos estão concentrados em plantas muito bem estudadas como Brassicas sp., Salix sp. e Populus sp. Essas plantas foram utilizadas no controle dos mais diversos contaminantes. Diante da grande diversidade de plantas conhecidas, provavelmente, o estudo mais aprofundado da genética, evolução e fisiologia de plantas implique na descoberta de novas plantas com potencial uso em fitorremediação. Identificamos ainda a necessidade em se produzir estudos que envolvam a poluição do ar, visto que os mesmos em número absolutos foram escassos.

Palavras-Chaves: Plantas; Brassicas sp.; Salix sp.; Poluição; Biorremediação.

Biografia do Autor

Fernanda Melo Carneiro, Dra, Universidade Estadual de Goiás

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2005), mestrado (2007) e doutorado (2012) em Ecologia e Evolução pela Universidade Federal de Goiás. Realizou doutorado Sanduíche no laboratório de comunidade e ecologia quantitativa da Université du Québec à Montréal (UQAM - Montreal - Canada). Tem experiência na área de Ecologia, com ênfase em Ecologia de comunidades, atuando principalmente nos seguintes temas: ecologia aquática, padrões espaciais e temporais de comunidades e cienciometria. É professora efetiva da Universidade Estadual de Goiás.

Publicado
2020-09-02
Seção
Artigos