EDUCAÇÃO ESPECIAL

POLÍTICAS DE ACESSO A PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR

  • Thays Santos Souza
  • Ricardo Antonio Gonçalves Teixeira
  • Andreia da Silva Quintanilha Sousa
  • Suely Ferreira UFG

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar um recorte dos resultados alcançados na pesquisa intitulada “Expansão e qualidade da educação superior no contexto do Plano Nacional de Educação (2014-2024): tensões, limites e perspectivas”. Trata-se de pesquisa em rede, financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, tendo como lócus de investigação a Universidade Federal de Goiás e a Universidade Federal do Rio Grande do Norte. O recorte da pesquisa exploratória de base mista (quali-quantitativa) apresentado neste trabalho traz os dados coletados na Universidade Federal de Goiás, referentes aos anos de 2018 e 2019, sem perder de vista os documentos oficiais que subsidiam o contexto histórico das políticas de inclusão, a fim de lançar luzes sobre os ingressos oriundos de políticas de cotas via reserva de vagas para pessoas com deficiência (Pcd). Os resultados permitem afirmar que dentre os tipos de deficiência dos aprovados em 2018 e 2019, na UFG, está a deficiência física, seguida da deficiência visual e da auditiva/surdez. De um modo geral, os cursos mais procurados foram: Direito, Medicina, Letras-Libras, Pedagogia, Ciência da Computação e Geografia. O acesso de Pcd, bem como das demais minorias, apesar de ser um processo em construção, passa a constituir as bases para um novo projeto de universidade inclusiva, plural, diversa e democrática.

Publicado
2020-11-05
Seção
Dossiê: Políticas para educação superior e Plano Nacional de Educação