Correlação da antropometria, capacidade funcional e força de preensão manual com a qualidade de vida de servidores públicos do Estado de Goiás

Palavras-chave: Atividade física, Saúde mental, Antropometria, Aptidão física

Resumo

Correlacionar as variáveis antropométricas, capacidade funcional e força de preensão manual com a qualidade de vida dos servidores da Superintendência Federal de Agricultura em Goiás. Participaram 61 servidores, com idade 49±2,27 anos. Foram coletados dados referentes a antropometria, esforço físico, capacidade funcional, qualidade de vida e prática de atividade física Apenas 1,6% dos participantes era sedentário. A variável antropométrica de maior inadequação foi a circunferência muscular do braço (95,1%). Houve uma correlação negativa entre a capacidade funcional e o IMC, CC e RCE (p = 0,003; p = 0,001; p < 0,001, respectivamente), e positiva com a preensão manual não dominante (p = 0,048). Apesar da elevada prevalência de prática de atividade física encontrada, a mudança de outros fatores relacionados ao estilo de vida mostra-se relevante para a reversão das inadequações antropométricas e melhora da qualidade de vida dos participantes.

Publicado
2020-06-29
Como Citar
DA SILVA, M.; MARQUES, V.; ALVES, A. G.; DA SILVA, C.; SILVA, N.; VIEIRA, C. A. Correlação da antropometria, capacidade funcional e força de preensão manual com a qualidade de vida de servidores públicos do Estado de Goiás. Praxia - Revista on-line de Educação Física da UEG, v. 2, p. e2020006, 29 jun. 2020.
Edição
Seção
Artigos Originais