A nova divisão territorial do trabalho nos circuitos espaciais produtivos de celulose e papel

The new territorial division of work in cellulose and paper producing spacial circuits

  • Leandro Reginaldo Maximino Lelis Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal-RN, Brasil
Palavras-chave: Divisão territorial do trabalho. Circuito espacial produtivo. Celulose. Papel.

Resumo

Este artigo objetiva evidenciar a nova divisão territorial do trabalho nos circuitos espaciais produtivo de celulose e papel, que ocorre tanto na escala global como na nacional. Na escala global, a nova divisão é marcada pela transferência da produção florestal e de celulose, etapas iniciais do circuito espacial produtivo de papel, dos países do Norte para os países do Sul. Na escala nacional, sua característica principal refere-se à interiorização da produção florestal e de celulose, incorporando novas regiões brasileiras ao circuito espacial produtivo de papel global. Ademais, também é possível averiguar que o Brasil, em decorrência de vantagens comparativas naturais e artificiais, tem se destacado nessa nova divisão territorial do trabalho, tornando-se um dos principais produtores de celulose do mundo.

The new territorial division of work in cellulose and paper producing spacial circuits

Abstract: This article aims to evidence the new territorial division of labor in the productive spacial circuits of cellulose and paper, that occurs both in scale global as well as national. On a global scale, the new division is marked by the transfer of forestry and cellulose production, early steps of the paper-producing spacial circuit, from the northern to the southern countries. At the national scale, its main characteristic refers to the internalization of forest and cellulose production incorporating new regions in the global paper productive spacial circuit. Moreover, it is also possible to observe that Brazil, due to comparative natural and artificial advantages, it has stood out in this new division of labor, becoming one of the leading producers of cellulose in the world.

Keywords: Territorial division of labor. Productive spacial circuit. Cellulose. Paper.

La nueva división territorial del trabajo em los circuitos espaciales de producción de celulosa y papel

Resumen: Este artículo tiene como objetivo destacar la nueva división territorial del trabajo em lós circuitos espaciales productivos de celulosa y papel, que se produce tanto a nível mundial como nacional. En la escala global, la nueva división está marcada por la transdeferencia de la producción forestal y de celulosa, las primeira etapas del circuito espacial de producción de papel, de lós países del Norte al Sur. En la escala nacional, su característica principal se refiere a la internalización de la producción forestal y de celulosa que incorpora nuevas regiones brasileñas en el circuito espacial mundial de producción de papel. Además, también es posible verificar que Brasil, como resultado de ventajas comparativas naturales y artificiales, se ha destacado en esta nueva división territorial del trabajo, convirtiéndose em uno de lós principales productores de celulosa del mundo.

Palabras clave: División territorial del trabajo. Circuito espacial productivo. Celulosa. Papel.

Biografia do Autor

Leandro Reginaldo Maximino Lelis, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal-RN, Brasil

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), campus de Três Lagoas. Licenciado e Bacharel em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus de Presidente Prudente.

Referências

ABRAF. Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas. Anuário Estatístico da ABRAF 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2017.

BERNARDES, A. A contemporaneidade de São Paulo: produção de informações e novo uso do território brasileiro. 2011. 301 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana) - Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, 2001. 301 f.

BIAZUS, A.; HORA, A. B.; LEITE, B. G. P. Panorama de mercado: celulose. In: BNDES Setorial 32. Rio de Janeiro: BNDES, 2010. p. 311-370. Disponível em: . Acesso em: 13 mai. 2017.

DEPEC. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. BRADESCO. Papel e celulose, 2017.

EMBRAPA FLORESTAS. Plantações florestais: geração de benefícios com baixo impacto ambiental. Colombo, Paraná: 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2017.

FAO. Food and Agriculture Organization. Global demand for wood products (2009).

IBÁ. Indústria Brasileira de Árvores. Relatório Anual 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2017.

______. Indústria Brasileira de Árvores. Relatório Anual 2016. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (1990 a 2015). Disponível em . Acesso em: 25 mai. 2017.

MORELLI, L. A. A Monocultura do Eucalipto e a Monopolização do Território na Metade Sul do Rio Grande Do Sul. 2011. 209 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Instituto de Geociências, Departamento de Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

PERPETUA, G. M. A mobilidade espacial do capital e da força de trabalho na produção de celulose e papel: um estudo a partir de Três Lagoas (MS). 2012. 251 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2012.
______. Pilhagem territorial, precarização do trabalho e degradação do sujeito que trabalha: a territorialização do capital arbóreo-celulósico no Brasil contemporâneo. 2016. 370 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2016.

SANTOS, J. R. A constituição do complexo agroindustrial de celulose no Rio Grande do Sul: uma avaliação da dinâmica global e da inserção brasileira no setor. In: Encontro de Geógrafos de America Latina, XII. Anais... Montevidéu: 2009. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2017.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4 ed. São Paulo: Edusp, 2006.

SUZANO. Visão geral do setor. São Paulo: 20--. Disponível em: . Acesso em: 27 mai. 2017.

VIDAL, A. C. F.; HORA, A. B. A indústria de papel e celulose. In: BNDES 60 anos: perspectivas setoriais. Rio de Janeiro: BNDES, 2012. p. 335-381. Disponível em: . Acesso em: 13 mai. 2017.

WRM. World Rainforest Movement. Boletim nº 83 WRM. Montevidéu: 2004. Disponível em: . Acesso em 06 mai. 2017.
Publicado
2020-08-13
Como Citar
Maximino Lelis, L. (2020). A nova divisão territorial do trabalho nos circuitos espaciais produtivos de celulose e papel. Élisée - Revista De Geografia Da UEG, 9(2), e922004. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/elisee/article/view/9599