Quando o empírico contradiz a teoria: breve estudo sobre a operacionalização do conceito de neoextrativismo

When empiricism contradicts theory: a brief study about the operationalization of the concept of neoextractivism

  • Guilherme Magon Whitacker UNESP
  • Guilherme dos Santos Claudino
Palavras-chave: Geografia. Neoextrativismo. Questão agrária. Operacionalização

Resumo

Para compreender a questão agrária na atualidade consideramos necessário o uso adequado de determinados conceitos e categorias analíticas. Nesse aspecto, problematizamos a reprodução do conceito de neoextrativismo proposto por Eduardo Gudynas na Geografia brasileira. O neoextrativismo promove profundos impactos territoriais, daí a necessidade do estudo que objetiva contemplar a materialidade da reprodução do mesmo visando sua operacionalização geográfica.  Para isso, a metodologia efetuada contou com a pesquisa empírica realizada em Moçambique em confronto com teses e dissertações geográficas que fazem uso do conceito em pauta relacionando-o com categorias analíticas geográficas. O estudo aqui apresentado resultou na confirmação da reprodução conceitual e em uma aproximação de sua operacionalização no campo da pesquisa em Geografia.

Abstract: To understand the agrarian issue today we consider it necessary to use certain concepts and analytical categories. In this regard, we problematize the reproduction of the concept of neoextractivism proposed by Eduardo Gudynas in Brazilian Geography. Neo-extractivism promotes deep territorial impacts, hence the need for a study that aims to contemplate the materiality of its reproduction, aiming at its geographical operationalization. For this, the methodology carried out relied on empirical research carried out in Mozambique in comparison with theses and geographical dissertations that make use of the concept in question, relating it to geographical analytical categories. The study presented here resulted in the confirmation of conceptual reproduction and an approximation of its operationalization in the field of research in Geography.

Keywords: Geography. Neoextractivism. Agrarian question. Operationalization

Resumen: Para entender la cuestión agrario hoy consideramos necesario utilizar ciertos conceptos y categorías analíticas. En este sentido, problematizamos la reproducción del concepto de neoextractivismo propuesto por Eduardo Gudynas en Geografía brasileña. El neoextractivismo promueve impactos territoriales profundos, de ahí la necesidad de un estudio que tenga como objetivo contemplar la materialidad de su reproducción, apuntando a su operacionalización geográfica. Para ello, la metodología desarrollada se basó en la investigación empírica realizada en Mozambique en comparación con tesis y disertaciones geográficas que hacen uso del concepto en cuestión, relacionándolo con categorías geográficas analíticas. El estudio aquí presentado resultó en la confirmación de la reproducción conceptual y una aproximación de su operacionalización en el campo de la investigación en Geografía.

Palabras clave: Geografía. Neoextractivismo. Cuestión agraria. Operacionalización

Biografia do Autor

Guilherme Magon Whitacker, UNESP

Bolsista FAPESP. Pós-doutorando. UNESP / IPPRI / Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Territorial na América Latina e Caribe / São Paulo- SP. Doutor e mestre em Geografia. UNESP / Presidente Prudente-SP.

Guilherme dos Santos Claudino

Bolsista FAPESP. Doutorando em Geografia. Mestre, bacharel e licenciado em Geografia. UNESP / Presidente Prudente-SP.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. Martins Fontes: São Paulo. 2007.

ACOSTA, C. Y. D. Urbanización, red urbana y extractivismo. Una visión del caso de villavicencio (Meta, Colombia). 2018. Tese (doutorado em Geografia). UNESP. FCT. Presidente Prudente-SP. 2018.

ANTONINO, L. Z. Territórios extrativo-mineral na Bahia: violações de direitos e conflitos nos territórios terra-abrigo. 2019. Tese (doutorado em Geografia). Salvador-BA. UFBA. 2019.

BATA, E. J. Entre estatais e transnacionais, "quantos ais": efeitos espaciais dos Megaprojetos de mineração do carvão em Moatize, Moçambique. 2018. Tese (doutorado em Geografia). UFG. 2018.

BATISTA, Â. F. Consciência e territorialização contra-hegemônica: uma análise das políticas de formação da Via Campesina América do Sul. 2013. Dissertação (mestrado em Geografia). UNESP. FCT. Presidente Prudente-SP. 2013.

CASSUNDÉ, J. R. de O. Territorialização e Resistência de “Camponeses Irrigantes” na Chapada do Apodi - Ceará. 2018. Dissertação (mestrado em Geografia). UNESP. IPPRI. TerritoriAL. São Paulo-SP. 2018.

CLAUDINO, G. S. Raízes e constelações do saber geográfico acadêmico brasileiro. O conhecer e o pensar na condição de nervuras. 2019. Tese (doutorado em Geografia). UNESP. FCT. Programa de pós-graduação em Geografia. Presidente Prudente-SP. 2019.

ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem. In: ENGELS, F.; MARX, K. Obras escolhidas. São Paulo: Alfa-Ômega, 1999, Volume II.

ESCOBAR, N. A. La Naturaleza vida se cuida y se defiende: conflictos por neoextractivismo en ele oriente del departamento de antioqua – Colombia. 2017. Dissertação. (mestrado em Geografia). Curitiba-PR. UFPR.

FERNANDES, B. M. Entrando nos territórios do Território. In: PAULINO, E. T; FABRINI, J. E. Campesinato e territórios em disputa. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

FREI, V. V. No país do mano muça, eu sou carvão: implicações socioterritoriais dos megaprojetos de mineração nas comunidades locais da província de Nampula. 2017. Tese (doutorado em Geografia). IESA/UFG. Goiânia-GO. 2017.

GONÇALVES, R. J. de A. F. No horizonte, a exaustão: disputa pelo subsolo e efeitos socioespaciais dos grandes projetos de extrativismo mineral em Goiás. 2016. Tese (doutorado em Geografia). IESA/UFG. Goiânia-GO. 2016.

GUDYNAS, E. Diez tesis urgentes sobre el nuevo extractivismo. Extractivismo, política y sociedad. CAAP / CLAES, Quito. 2009. http://www.gudynas.com/publicaciones/GudynasNuevoExtractivismo10Tesis09x2.pdf. Acesso em 21/06/2020.

HARVEY, D. O novo imperialismo. São Paulo: Loyola, 2012.

HARVEY, D. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

LACOSTE, Y. A geografia, isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. Campinas: Papirus, 2015.

LENCIONE, S. Acumulação primitiva: um processo atuante na sociedade contemporânea. CONFINS. Nº 14, 2012. Disponível em: https://journals.openedition.org/confins/7424?lang=pt. Acesso em 12/06/2020.

MAGNO, L. Espacialidade e identidade política dos atingidos por mineração no Brasil: teorias, escalas e estratégias. 2017. Tese (doutorado em Geografia). UFSC. Florianópolis-SC. 2017.

MARX, K. O capital. Crítica da economia política. Livro II. O processo de circulação do capital. Boitempo: São Paulo, 2014.

MARX, K. O capital. Crítica da economia política. Livro I. O processo de produção do capital. Boitempo: São Paulo, 2013.

MARX, K. Grundrisse. Manuscritos econômicos de 1857 – 1858: esboços da crítica da economia política. Boitempo: São Paulo, 2011.

MARX, K. Introdução à crítica da economia política. São Paulo: expressão popular, 2008.

MARX, K; ENGELS, F. Manifesto comunista. Boitempo: São Paulo, 2017.

MATOS, E. A. de. Desterritorialização e reterritorialização das comunidades atingidas pela exploração do carvão mineral em Moatize, Moçambique. Tese. 295f. Porto Alegre: IGEO/UFRGS. 2018.

MOREIRA, R.. 2007. Pensar e ser em geografia. São Paulo: Contexto, 2007.

MOSCA, J. Mega-projectos no meio rural, desenvolvimento do território e pobreza: o caso de Tete. Maputo: IESE, 2012.

PALHA, F. P. Campo e rural idílicos como falácia: minério-dependência, incompletude urbana e injustiça ambiental-hídrica em Brumadinho. 2019. Tese (doutorado em Geografia). UFMG. Belo Horizonte-MG. 2019.

PEREIRA, L. I. A tríplice aliança continua sendo um grande êxito: os regimes de controle do território paraguaio (1870-2019). Tese (doutorado em Geografia). UNESP. FCT. Presidente Prudente-SP. 2019.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.
SANTANA, I. V. F. de. Geografia da resistência: a atuação das mulheres na construção da territorialidade camponesa no Assentamento Juá, Agrovila Mata Fresca, frente ao projeto de mineração de urânio e fosfato, em Santa Quitéria (CE). 2017. Dissertação (mestrado em Geografia). UNESP. IPPRI. TerritoriAL. São Paulo-SP. 2017.

SANTOS, M. Pensando o espaço do homem. São Paulo: EdUSP, Paulo, 2012.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EdUSP, 2009.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2007.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L.. O Brasil. Território e sociedade no início do Século XXI. Rio de janeiro: Record, 2011.

SANTOS, G. V. dos. Conflitos territoriais no Brasil e o movimento indígena contemporâneo. Dissertação. (211 fls.). UNESP. IPPRI. TerritoriAL. São Paulo-SP. 2019.

SELEMANE, T. Questões à volta da mineração em Moçambique – Relatório de Monitoria das Actividades Mineiras em Moma, Moatize, Manica e Sussundega. CIP, Maputo, 2010.

SILVA, S. M. Território pesqueiro de uso comum: Conflitos, resistência, conquistas e desafios na Reserva Extrativista Acaú - Goiana/PB-PE. 2017. Tese (doutorado em Geografia). UFPE. Recife-PE. 2017.

SMITH, N. Desenvolvimento desigual. Natureza, capital e a produção do espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.

SVAMPA, M. Consenso de los commodities y lenguajes de valoración en América Latina. Buenos Aires, Nueva Sociedad nº 244, 2013.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, L. S.. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo, Martins Fontes, 2001.

WANDERLEY, L. J. Do Boom ao Pós-Boom das commodities: o comportamento do setor mineral no Brasil. Versos – Textos para Discussão. PoEMAS. V. 1, nº1. 2017. Disponível em: https://www.ufjf.br/poemas/files/2017/04/Wanderley-2017-Do-Boom-ao-P%c3%b3s-Boom-das-commodities-versos.pdf. Acesso em: 12/06/2020.

WHITACKER, G. M. Geopolítica dos recursos naturais estratégicos e questão agrária em Moçambique: a Vale S.A. e o extrativismo epidêmico. Caderno de Geografia, v.29, Número Especial 2. PUC. Minas Gerais. 2019a. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/geografia/article/view/20719. Acesso em 07/05/2020.

WHITACKER, G. M. A dinâmica neoextrativista da Vale S.A. Entre o desenvolvimento sustentável e a acumulação por espoliação. In: FERREIRA, G. H. C. (org.). Conflitos e convergências da geografia. Ponta Grossa: Atena, 2019b. Disponível em: https://www.atenaeditora.com.br/wp-content/uploads/2019/05/e-book-Conflitos-e-Convergencias-da-Geografia.pdf. Acesso em 03/05/2020.

WHITACKER, G. M. Pesquisa empírica: narrativa de uma experiência em Moçambique. Revista entre-lugar. PPGG. Universidade Federal da Grande Dourados. No prelo.
Publicado
2020-11-19
Como Citar
Magon Whitacker, G., & dos Santos Claudino, G. (2020). Quando o empírico contradiz a teoria: breve estudo sobre a operacionalização do conceito de neoextrativismo. Élisée - Revista De Geografia Da UEG, 9(2), e922031. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/elisee/article/view/11184