A importância da educação escolar indígena para o povo Tapuia, Goiás, Brasil: desafios e perspectivas

The Importance of Indigenous School Education for the Tapuia People, Goiás, Brazil: Challenges and Perspectives

  • Lorranne Gomes da Silva Universidade Estadual de Goiás - Campus Cora Coralina
  • Sélvia Carneiro de Lima Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
  • Elias Nazareno Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Povo Tapuia. Educação Escolar Indígena. Território. Vida Indígena.

Resumo

O povo indígena Tapuia, vive na Terra Indígena Carretão I e II, localizada entre os municípios de Rubiataba e Nova América no Estado de Goiás, Brasil. Sua formação sócio-histórica, assim como de vários povos indígenas no Brasil, foi influenciada historicamente por diversos aspectos, entre eles, políticas de aldeamentos, assimilação, integração; contatos interétnicos; catequização, entre outras formas opressoras e violentas de domínio utilizadas pelos colonizadores europeus neste território desde o século XVI. O objetivo desse texto é mostrar a importância da Educação Escolar Indígena para o povo Tapuia que tem cunhado uma pauta de luta pela afirmação de sua identidade étnica. A pesquisa de caráter qualitativo foi desenvolvida por meio de levantamento bibliográfico, trabalhos de campo na aldeia, entrevistas, roda de conversa e observação das atividades desenvolvidas na escola indígena. O principal resultado encontrado revelou que a Educação Escolar Indígena tem contribuído de forma significativa para a permanência dos indígenas no território, bem como para o seu fortalecimento sociocultural, sobretudo, por meio da revitalização/constituição da língua indígena materna e da proteção da diversidade e sustentabilidade desse povo.

Resumen: El pueblo indígena Tapuia vive en la Tierra Indígena Carretão I y II, ubicada entre los municipios de Rubiataba y Nova América en el Estado de Goiás, Brasil. Su formación socio-histórica, así como la de varios pueblos indígenas en Brasil, ha sido históricamente influenciada por varios aspectos, entre ellos, políticas de asentamiento, asimilación, integración; contactos interétnicos; la catequesis, entre otras formas de dominación opresivas y violentas utilizadas por los colonizadores europeos en este territorio desde el siglo XVI. El propósito de este texto es mostrar la importancia de la Educación Escolar Indígena para el pueblo Tapuia que viene acuñando un patrón de lucha por la afirmación de su identidad étnica. La investigación cualitativa se llevó a cabo mediante levantamiento bibliográfico, trabajo de campo en la aldea, entrevistas, conversación y observación de las actividades desarrolladas en la escuela indígena. El principal resultado encontrado reveló que la Educación Escolar Indígena ha contribuido significativamente a la permanencia de los indígenas en su territorio, así como a su fortalecimiento sociocultural, especialmente a través de la revitalización / constitución de la lengua materna y  de la protección de la diversidad y sostenibilidad de ese pueblo.

Palabras clave: Pueblo Tapuia. Educación escolar indígena. Territorio. Vida indígena.

Abstract: The Tapuia indigenous people live in Carretão I and II Indigenous Land located between the municipalities of Rubiataba and Nova América in the State of Goiás, Brazil. Its socio-historical development, as well as that of some indigenous peoples in Brazil, was historically influenced by several aspects, among them, settlement policies, assimilation, integration; interethnic contacts; catechization, among other oppressive and violent forms of domination used by European colonizers in this territory since the 16th century. The aim of this text is to depict the importance of Indigenous School Education for the Tapuia people, who have enhanced an agenda of struggle to the affirmation of their ethnic identity. The qualitative research was carried out by bibliographical survey, fieldwork in the village, interviews, and both conversation and observation of the activities developed within the indigenous school. The main result found showed that Indigenous School Education has contributed significantly to the permanence of indigenous people in the territory, including their socio-cultural strengthening, mainly through the revitalization / constitution of the indigenous mother tongue and the protection of diversity and sustainability of such people.

Key-words: Tapuia People. Indigenous School Education. Territory. Indigenous Life.

Biografia do Autor

Lorranne Gomes da Silva, Universidade Estadual de Goiás - Campus Cora Coralina

Doutora em geografia pela Universidade Federal de Goiás, docente da Universidade Estadual de Goiás no Campus Cora Coralina e no Programa de Pós Graduação em Geografia da UEG.

Sélvia Carneiro de Lima, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás

Doutora em geografia pela Universidade Federal de Goiás, docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás

Elias Nazareno, Universidade Federal de Goiás

Doutor em Sociologia pela Universidade de Barcelona, docente da Universidade Federal de Goiás, do Programa de Pós-graduação em História e do Curso de Educação Intercultural para formação de Professores Indígenas da UFG.

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. A atuação dos indígenas na História do Brasil: revisões historiográficas. Rev. Bras. Hist., São Paulo, v. 37, n. 75, p. 17- 38, maio 2017.

ARAÚJO, Ordália Cristina. Os Javaé e os protestantismos: salvação, resistência e interculturalidade (1896-1950). 2019. Qualificação (Doutorado em História) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia. 2019.
BARBOSA, Altair Sales. Andarilhos da Claridade: Os primeiros habitantes do Cerrado. Goiânia: Ed. UCG, 2002.
______. Ocupação indígena no sistema biogeográfico do Cerrado. In: GOMES, Horieste (Coord.). Universo do Cerrado. Goiânia: Ed. UCG, 2008. Vol. 1.
CARDOSO, Ludimila, Stival. DE CALIBAN A PRÓSPERO: A sociedade brasileira e a política externa da república (1889-1945). Tese de Doutorado defendida no PPGH/UFG, 2015.

CIMI. Conselho Indigenista Missionário. Relatório Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil. Disponível em: https://cimi.org.br/2019/09/a-maior-violencia-contra-os-povos-indigenas-e-a-apropriacao-e-destruicao-de-seus-territorios-aponta-relatorio-do-cimi/. Acesso: 19 de fevereiro de 2020.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL (1988). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso: 03 de março de 2020.

COUTINHO, Leopoldo Magno, 1934-2016. Biomas brasileiros. São Paulo: Oficina de Textos, 2016.

DEAN, W. A ferro e fogo. São Paulo: Schwarez, 1996.

Diretrizes Para aPolítica Nacional De Educação Escolar Indígena. Caderno de educação básica. Comitê de Educação Escolar Indígena, 2’ed. Brasília: MEC/SEF/DPEF, p.24, 1994.
DUARTE, Rosália. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar em revista, n. 24, p. 213-225, 2004.

FUNAI. Terras Indígenas no Brasil. Disponível em: http://www.funai.gov.br/. Acesso: 07 de março de 2020.

______. Carta dos Povos Indígenas do Cerrado e da Caatinga – Desafios para a Gestão Ambiental e Territorial das Terras Indígenas (2018). Disponível em: http://www.funai.gov.br/. Acesso: 07 de março de 2020.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Liber Livros, 2005.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/. Acesso: 19 de fevereiro de 2020.

KARASCH, Mary. Catequese e cativeiro. Política indigenista em Goiás: 1780-1889. In CUNHA, Manuela Carneiro da. História dos índios no Brasil / organização.São Paulo Companhia das Letras Secretaria Municipal de Cultura : Fapesp. 1992

LIMA, Sélvia Carneiro de. Os Karajá de Aruanã-GO e os Tori: O Cerrado goiano em disputa. Dissertação de mestrado. 174 f. Universidade Federal de Goiás, 2010.

MARTINS, José de Souza (a). O cativeiro da terra. 9ed (2013). São Paulo: Contexto, 1979.

MARTINS, Joel (b). A pesquisa qualitativa. In: FAZENDA, I. (Org.). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, p. 47-58, 1989.

MELATTI, J. C. Quatro séculos de política indigenista: de Nobrega a Rondon. Revista de atualidade indígena. Brasília, v.1, nº3, 1977, p. 39-45.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Trabalho De Campo: Contexto De Observação, Interação e Descoberta. Pesquisa social: teoria, método e criatividade, p. 61, 2011.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MONTEIRO, John Manuel. Tupis, Tapuias e historiadores. Estudos de História Indígena e Indigenismo. Campinas, Unicamp, 2001.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. Índios no Brasil: marginalização social e exclusão historiográfica. Diálogos Latinoamericanos núm. 3, 2001, pp. 87-113

MOURA, Marlene Castro Ossami de. Aldeamento Carretão: “marco zero” da história das relações interétnicas dos tapuios. Revista Dimensões. Vol: 18. Ed: Programa de Pós-Graduação em História (PPGHIS) e do Núcleo de Pesquisa e Informação Histórica (NPIH) da Universidade Federal do Espírito Santo. Acessível em: http://www.ufes.br/ppghis/dimensoes. 2006.
NASCIMENTO, Patrícia Emanuelle. Protagonismo indígena na capitania de Goiás
e suas estratégias e atuações frente às políticas indigenistas no século XVIII. Tese
(Doutorado em História) – UFG Goiás, Goiânia, 2019.

MOURA, Adriana Ferro; LIMA, Maria Glória. A Reinvenção da Roda: Roda de Conversa, um instrumento metodológico possível. Revista Temas em Educação, v. 23, n. 1, p. 95-103, 2014.

NAZARENO, Elias. O Estado E As Políticas Linguísticas Adotadas Como Estratégicas Na Formação Da Nação Brasileira A Partir Do Século XVI. In: Lídia de Oliveira Xavier; Carlos F. Domínguez Avila; Vicente Fonseca. (Org.). A qualidade da democracia no Brasil: questões teóricas e metodológicas da pesquisa. 4ed.Curitiba: CRV, 2019, v. 4, p. 299-317.

PALACIN, Luís. Sociedade Colonial (1549 a 1599). Goiânia, Ed. Da Universidade Federal de Goiás – Ufg, 1981.

PINTO, L. V. A. Caracterização física da bacia do ribeirão Santa Cruz, Lavras, MG, e propostas de recuperação de suas nascentes. 2003. 165 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2003.

RAVAGNANI, Oswaldo Martins. A experiência xavante com o mundo dos brancos. Araraquara: Unesp-Faculdade de Ciências e Letras, 1991. (Col. Textos nº 9)

RAMOS, Alcita Rita. Sociedades Indígenas. São Paulo: Editora Ática, 1986.

RIBEIRO, Darcy. Os índios e a civilização: Integração das populações indígenas no Brasil moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970.

SANTOS, Luciano Gersem. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, secretaria da educação continuada, alfabetização e diversidade. Laced/Museu Nacional, 2006.

SESAI. Secretaria Especial de Saúde Indígena. Dados locais, não publicados, 2020.

SILVA, Cristhian Teófilo da (a). "Parados, bobos, murchos e tristes" ou "caçadores de onça"? Estudo sobre a situação histórica e a identificação étnica dos tapuios do Carretão/GO. Boletim Anual do Geri (Grupo de Estudos em Relações Interétnicas). Nº 04. Universidade de Brasília. Instituto de Ciências Sociais. Departamento de Antropologia. 2000.

SILVA, Lorranne Gomes da. A luta pela terra, a luta pela vida: a interveniência das Políticas Públicas no Território do Povo Indígena Tapuia em Goiás Ateliê Geográfico - Goiânia-GO, v. 7, n. 3, 2013, p.164-187.

SILVA, Lorranne Gomes da; LIMA, Sélvia Carneiro de. Desafios da formação de professores indígenas no Brasil: contribuições geográficas. Revista Interface (Porto Nacional), n. 11, 2016.

PIMENTEL da SILVA, Maria do Socorro. A situação sociolinguística dos Karajá de Santa Isabel do Morro e Fontoura. Brasília: FUNAI/DEDOC/2001.

SOUZA, Luciene Guimarães. “Demografia e saúde dos índios Xavante do Brasil Central” tese apresentada ao programa de pós-graduação da escola nacional de saúde pública Sergio Arouca com vistas à obtenção do título de doutor em ciências na área da saúde pública, 2008.

TRINDADE, Israel Elias. O fenômeno da Monotongação no Português Tapuio. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Goiás. Banco de teses e dissertação da UFG. 2009.
Publicado
2020-09-07
Como Citar
da Silva, L., de Lima, S., & Nazareno, E. (2020). A importância da educação escolar indígena para o povo Tapuia, Goiás, Brasil: desafios e perspectivas. Élisée - Revista De Geografia Da UEG, 9(2), e922017. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/elisee/article/view/10897