Clima do Cerrado: dinâmica atmosférica e características, variabilidades e tipologias climáticas

Cerrado climate: atmospheric dynamics and features, variability and climatic typologies

  • Diego Tarley F. Nascimento Universidade Federal de Goiás - IESA
  • Giuliano Tostes Novais Universidade Estadual de Goiás
Palavras-chave: Cerrado, Climatologia, Dinâmica Atmosférica, Variabilidade, Classificação Climática

Resumo

Este texto busca demonstrar um panorama dos aspectos climáticos do Cerrado, abordando a dinâmica dos sistemas atmosféricos e as características, variabilidades e tipologias climáticas deste bioma. Para tanto, o texto foi desenvolvido, num primeiro momento, a partir de revisão bibliográfica a respeito das propriedades e da dinâmica dos sistemas atmosféricos atuantes na área em apreço. Em um segundo momento, foram utilizados dados secundários, com recortes espaciais e temporais distintos, para a descrição da variação espaço-temporal dos principais elementos climáticos (temperatura, precipitação e umidade) do bioma; a retratação da variabilidade anual, mensal e diária para uma localidade situada na área core do Cerrado (Goiânia-GO) e; a definição das tipologias climáticas para o bioma. Os dados apresentados evidenciam uma forte sazonalidade climática, configurando um período chuvoso, durante a primavera e verão, que se intercala com um período seco, ao longo do outono e inverno. Sob a influência da variação de latitude e altitude, a porção norte do bioma apresenta as maiores temperaturas, enquanto que, em resposta ao desempenho dos sistemas atmosféricos que produzem chuvas e são responsáveis ​​pelo transporte de umidade, as médias de precipitação e relativa diminuição da umidade na direção noroeste/sudeste. Ainda, é perceptível a variabilidade entre os acumulados anuais e o regime mensal de precipitação e, especialmente, no tocante ao ritmo diário dos elementos meteorológicos, tendo como base a cidade de Goiânia – evidenciando o papel da atuação dos sistemas atmosféricos na gênese e variabilidade dos tipos de tempo. Foram subdivididas unidades até o nível de tipos climáticos ampliando as tradicionais propostas de classificações climáticas, detalhando melhor sua localização espacial no território brasileiro. Os modelos empíricos e genéticos puderam se associar em um intercâmbio de informações, e geraram um padrão que aborda tanto os valores observados do tempo e do clima, quanto a influência dos sistemas atmosféricos.

Abstract: This text seeks to demonstrate an overview of climatic aspects of Cerrado, addressing the dynamics of atmospheric systems and the climatic features, variability and typologies of this biome. To this purpose, the text was developed, at first, from a bibliographic review about the properties and dynamics of atmospheric systems operating in the area in question. In a second step, secondary data were used, with different spatial and temporal cutouts, for the description of the spatio-temporal variation of the main climatic elements (temperature, precipitation and humidity) of the biome; the portrayal of the annual, monthly and daily variability for a locality located in the core area of ​​the Cerrado (Goiânia-GO) and; the definition of climatic typologies for the biome. The data presented show a strong climatic seasonality, configuring a rainy period, during spring and summer, which is interspersed with a dry period, throughout autumn and winter. Under the influence of the variation of latitude and altitude, the northern portion of the biome has the highest temperatures, whereas, in response to the performance of atmospheric systems that produce rain and are responsible for the transport of humidity, the averages of precipitation and relative humidity decrease in northwest/southeast direction. Still, it is noticeable the variability between the annual accumulated and the monthly precipitation regime and, especially, regarding the daily rhythm of the meteorological elements, based on the city of Goiânia - evidencing the role of the performance of the atmospheric systems in the genesis and variability of the types of weather. Units were subdivided up to the level of climatic types, expanding the traditional proposals of climatic classifications, detailing their spatial location in the Brazilian territory. Empirical and genetic models were able to associate themselves in an exchange of information, and generated a pattern that addresses both the observed values ​​of weather and climate, and the influence of atmospheric systems.

Key-words: Cerrado. Climatology. Atmospheric Dynamics. Variability. Climate Classification.

Resumen: Este texto busca demostrar una visión general de los aspectos climáticos del Cerrado, com base en la dinámica de los sistemas atmosféricos y las características, variabilidad y tipologías climáticas de este bioma. Para ello, el texto se desarrolló, en un primer momento, a partir de una revisión bibliográfica sobre las propiedades y dinámica de los sistemas atmosféricos que operan en la zona en cuestión. En un segundo paso, se utilizaron datos secundarios, con diferentes cortes espaciales y temporales, para la descripción de la variación espacio-temporal de los principales elementos climáticos (temperatura, precipitación y humedad) del bioma, la representación de la variabilidad anual, mensual y diaria para una localidad ubicada en la zona núcleo del Cerrado (Goiânia-GO) y la definición de tipologías climáticas para el bioma. Los datos presentados muestran una fuerte estacionalidad climática, configurando un período lluvioso, durante la primavera y el verano, que se intercala con un período seco, a lo largo de otoño e invierno. Bajo la influencia de la variación de latitud y altitud, la porción norte del bioma tiene las temperaturas más altas, mientras que, en respuesta al desempeño de los sistemas atmosféricos que producen lluvia y son responsables del transporte de la humedad, los promedios de precipitación y humedad relativa disminución en dirección noroeste/sureste. Aún se nota la variabilidad entre el régimen de precipitación anual acumulada y mensual y, especialmente, en cuanto al ritmo diario de los elementos meteorológicos, con base en la ciudad de Goiânia, evidenciando el papel del desempeño de los sistemas atmosféricos en la génesis y variabilidad de los tipos de clima. Las unidades fueron subdivididas hasta el nivel de tipos climáticos, ampliando las propuestas tradicionales de clasificaciones climáticas y detallando mejor su ubicación espacial en el territorio brasileño. Los modelos empíricos y genéticos pudieron asociarse en un intercambio de información y generaron un patrón que aborda tanto los valores observados del tiempo y el clima como la influencia de los sistemas atmosféricos.

Palabras clave: Cerrado. Climatología. Dinámica Atmosférica. Variabilidad. Clasificación Climática.

Biografia do Autor

Diego Tarley F. Nascimento, Universidade Federal de Goiás - IESA

Possui Graduação (2009), Mestrado (2011) e Doutorado (2016) em Geografia pela Universidade Federal de Goiás. Tem experiência profissional como consultor ambiental e docente de ensino superior, tendo atuado como consultor em geoprocessamento na Petrobrás e em Furnas Centrais Elétricas e docente na Faculdade Católica de Anápolis, na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás) e na Universidade Estadual de Goiás (UEG - Câmpus Iporá). Atualmente é Professor Adjunto na Universidade Federal de Goiás, atuando na área de Geografia Física e Geomática, com ênfase em Cartografia, Geoprocessamento, Sensoriamento Remoto e Climatologia. Também é professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Goiás - Câmpus Cora Coralina, orientando no Mestrado.

Giuliano Tostes Novais, Universidade Estadual de Goiás

Bacharel, mestre e doutor em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia. Especialista em Geomática e licenciado em Geografia pela Faculdade Católica de Uberlândia. Professor efetivo do curso de Geografia da Universidade Estadual de Goiás (Campus Nordeste-Formosa). Atua principalmente nas áreas de Climatologia (classificação de unidades climáticas), Geografia Física e Cartografia. Como Geógrafo faz trabalhos cartográficos e de monitoramento climatológico para empresas públicas e privadas.

Referências

AB’SABER, A. N. O domínio dos cerrados: introdução ao conhecimento. Revista Do Serviço Público, v. 40, n. 4, p. 41-56, 1983.
ASSAD, E. D.; SANO, E. E.; MASUTOMO, R.; CASTRO, L. H. R. de; SILVA, F. A. M. da. Veranicos na região dos cerrados brasileiros: frequência e probabilidade de ocorrência. Pesq. agropec. bras., Brasília, v. 28, n. 9, p. 993-1003, 1993.
BARROS, J. R. A chuva no Distrito Federal: o regime a as excepcionalidades do ritmo. 2003. Dissertação (Mestrado em Geografia)-Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista – Campus de Rio Claro, Rio Claro, 2003.
______.; ZAVATTINI, J. A. Bases conceituais em climatologia geográfica. Mercator, v. 08, n. 16, p. 255-261, 2009.
BERNARDES, L. M. C. Clima do Brasil. Boletim Geográfico Brasileiro, v. 9, n. 103, p. 727-739, 1951.
BOIN, M. N. Chuvas e erosões no Oeste Paulista: uma análise climatológica aplicada. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro, 2000.
COLE, M. M. The savannas: biogeography and geobotany. London: Academy Press, 1986.
FARIAS, S. E. M. de. Estimativas satelitárias de precipitação sobre o bioma Cerrado. Tese (Doutorado em Ciências Ambientais)-Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.
FERREIRA, N. S. Zona de Convergência Intertropical. Climanálise Especial. Edição Comemorativa de 10 anos. FUNCEME. 136 – 139. 1996.
FONZAR, B. C. A circulação atmosférica na América do Sul: os grandes sistemas planetários e subsistemas regionais que atingem o continente: localização e trajetórias. Caderno de Geociências, Rio de Janeiro, n. 11, p. 11-33, jul./set. 1994.
INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Normais climatológicas (1981 –2010). Brasília, 2018.
KOPPEN, W. Climatologia: con un studio de los climas de la Tierra. México: Fundo de Cultura Económica, 1948.
KOUSKY, V. E. Pentad outgoing longwave radiation climatology for the South American sector. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 3, p. 217-231, 1988.
LUIZ, G. C. Influência da relação solo-atmosfera no comportamento hidromecânico de solos tropicais não saturados: estudo de caso - município de Goiânia-GO. 2012. 246 f. Tese (Doutorado em Geotecnia)-Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2012.
MONTEIRO, C. A. de F. A análise rítmica em climatologia: problemas da atualidade climática em São Paulo e achegas para um programa de trabalho. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1971. (Série Climatologia, 1).
_____. A dinâmica climática e as chuvas do estado de São Paulo: estudo geográfico sob forma de atlas. São Paulo: IGEOG, 1973.
______. Notas para o estudo do clima do Centro-Oeste brasileiro. Revista Brasileira de Geografia. v. 13, n. 1, p. 3-46, jan-mar 1951.
MOREIRA, A. M. Metodologia para definir padrões pluviométricos caso: Cerrado brasileiro. Brasília, 1985. 120 f. Dissertação (Mestrado em Estatística) – Departamento de Estatística, Universidade de Brasília.
NASCIMENTO, D. T. F. Chuvas no estado de Goiás e no Distrito Federal a partir de estimativas por satélite e circulação atmosférica. 2016. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.
______.; LIMA, L. V. V.; CRUZ, V. P. Episódios e gênese dos eventos climáticos extremos em Goiânia-GO. Caderno de Geografia, v.29, n.57, p. 583-608, 2019.
______.; LUIZ, G. C.; OLIVEIRA, I. J. Panorama dos sistemas de classificação climática e as diferentes tipologias climáticas referentes ao estado de Goiás e ao Distrito Federal. Élisée, Rev. Geo. UEG – Porangatu, v.5, n.2, p.59-86, jul./dez. 2016.
______.; PESSOA-DE-SOUZA, M. A.; SILVA, G. C. Representação e análise da distribuição espaço-temporal das chuvas a partir do pluviograma de Schroder. In: VII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CLIMATOLOGIA, 2019, Belém. Anais do VII SIC. Belém: UFPA, 2019. v. 1. p. 1-10.
NEVES, G. Z. de F. Distribuição geográfica das chuvas no estado de Goiás e Distrito Federal: dinâmica e aplicações nos estudos rítmicos. Tese (Doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2018.
NIMER, E. Climatologia do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. 1979.
NOVAIS, G. T. Classificação Climática aplicada ao Bioma Cerrado. Tese de doutorado apresentada ao Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia. 2019. https://dx.doi.org/10.14393/ufu.te.2019.2199.
______. Distribuição média dos Climas Zonais no Globo: estudos preliminares de uma nova classificação climática. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, v.10, n.5, p. 1614-1623, 2017. https://doi.org/10.26848/rbgf.v.10.5.p1614-1623.
______.; BRITO, J. L. S.; SANCHES, F. O. Unidades climáticas do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba-MG. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, v.23, p. 223-243, jul/dez 2018. https://doi.org/10.5380/abclima.v23i0.58520
PINTO, P. H. P. As chuvas no estado do Tocantins: distribuição geográfica e gênese das variações rítmicas. 2013. Dissertação (Mestrado em Geografia), Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2013.
QUADRO, M. F. L. Estudo de Episódios de Zonas de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) sobre a América do Sul. 1994. 97 f. Dissertação (Mestrado em Meteorologia)–Instituto Nacional de Meteorologia, São José dos Campos, SP, 1994.
REBOITA, M. S.; GAN, M. A.; DA ROCHA, R. P.; AMBRIZZI, T. Regimes de precipitação na América do Sul: uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Meteorologia, São José dos Campos, v.5, n.2, p. 185-204, 2010.
SANTOS, N. B. F. dos. Distribuições espaciais e temporais de temperaturas de superfície no bioma Cerrado: uma análise integrada a partir de dados orbitais de resolução moderada. 2010. Tese (Doutorado em Ciências Ambientais), Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.
SENTELHAS, P. C., ROLIM, G. S., BARBIERI, V. Planilhas no ambiente EXCEL TM para os cálculos de balanços hídricos: normal, sequencial, de cultura e de produtividade real e potencial. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v. 6, n.1, p133-137, 1998.
SERRA, A.; RATISBONNA, L. As massas de ar na América do Sul. Rio de Janeiro: Serviço de Meteorologia, Ministério da Agricultura, 1942.
SETTE, D. M. Os climas do cerrado do Centro-Oeste. Revista Brasileira de Climatologia, v.1. n.1, 2005. https://doi.org/10.5380/abclima.v1i1.25225.
SILVA, F. A. M. da; ASSAD, E. D.; EVANGELISTA, B. A. Caracterização climática do bioma cerrado. IN: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. de; RIBEIRO, J. F. (Orgs.). Cerrado: ecologia e flora. Brasília: Embrapa, 2008.
STRAHLER, A. N. Geografía Física. Barcelona: Ed. Omega, 1989.
ZAVATTINI, J. A. A Dinâmica Atmosférica e a distribuição das chuvas no Mato Grosso do Sul. São Paulo, 1990. Tese (Doutorado em Geografia Física) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.
Publicado
2020-09-08
Como Citar
Nascimento, D., & Novais, G. (2020). Clima do Cerrado: dinâmica atmosférica e características, variabilidades e tipologias climáticas. Élisée - Revista De Geografia Da UEG, 9(2), e922021. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/elisee/article/view/10854