Mensuração e frequência da intensidade da ilha de calor urbana noturna de Santo Anastácio, São Paulo, Brasil

Nocturnal measurement and intensity frequency of the urban heat island in Santo Anastácio, São Paulo, Brazil

Palavras-chave: Clima urbano. Ilha de calor urbana. Intensidade e magnitude. Frequência.

Resumo

Estudos dedicados ao clima urbano e à atmosfera das cidades revelam há muito tempo a preocupação com o aquecimento urbano em relação às áreas rurais circundantes, o que convencionou-se chamar ilhas de calor urbanas. No presente artigo, as ilhas de calor atmosféricas foram investigadas no nível do dossel urbano (OKE, 1987) considerando o escopo teórico e metodológico do Sistema Clima Urbano (MONTEIRO, 1976) em estudo aplicado a Santo Anastácio, cidade de pequeno porte localizada no oeste paulista. Para atingir os objetivos do estudo, foram realizados registros da temperatura do ar às 21 horas entre os meses de abril e dezembro de 2017, em pontos representativos urbanos e rural, através dos quais obtiveram-se intensidades térmicas tomando o rural como referência. Os resultados comprovam a configuração de ilhas de calor de fraca, moderada e forte magnitude, bem como de ilhas frias que alternaram-se na presença dos diferentes tipos de tempo. A frequência das intensidades variou conforme os tipos de tempo, as características geoambientais e urbanas dos pontos representativos. Os resultados demonstram a importância da incorporação do conhecimento em climatologia para o planejamento e ordenamento urbano resiliente ao desconforto térmico, notadamente no ambiente tropical continental.

Nocturnal measurement and intensity frequency of the urban heat island in Santo Anastácio, São Paulo, Brazil

Abstract: Studies dedicated to the urban climate and the atmosphere of cities have long revealed the concern with urban heating in relation to the surrounding rural areas, in what has become generally known as urban heat islands. In this article, atmospheric heat islands were investigated at the level of the urban canopy (OKE, 1987), considering the theoretical and methodological scope of the Urban Climate System (MONTEIRO, 1976) in a study applied to Santo Anastácio, a small city located in the western region of the state of São Paulo, Brazil. To achieve the purposes of the study, air temperature records were made at 9:00 PM between April and December 2017, in points representative of the urban and rural areas, through which heat intensities were obtained taking the rural area as a reference. The results confirm the configuration of heat islands of weak, moderate and strong magnitude, as well as cold islands alternating in the presence of different types of weather. The frequency of the magnitudes varied according to the types of weather and the geo-environmental and urban characteristics of the representative points. The results demonstrate the importance of incorporating knowledge in climatology for urban planning and organization that is resilient to thermal discomfort, particularly in the continental tropical environment.

Keywords: Urban climate. Urban heat island. Intensity and magnitude. Frequency.

Medición y frecuencia de la intensidad de la isla urbana de calor nocturna de Santo Anastácio, São Paulo, Brasil

Resumen: Estudios dedicados al clima urbano y a la atmósfera de las ciudades revelan hace mucho tiempo la preocupación con el calentamiento urbano con relación a las áreas rurales circundantes, lo que se acordó llamar Islas de calor urbanas. En el presente artículo, las islas de calor atmosféricas fueron investigadas al nivel del baldaquino (OKE, 1987) considerando el alcance teórico y metodológico del Sistema Clima Urbano (MONTEIRO, 1976) en estudio aplicado a Santo Anastácio, ciudad de pequeño tamaño localizada en el Oeste paulista. Para alcanzar los objetivos del estudio, fueron realizados registros de la temperatura del aire a las 9:00 PM entre los meses de abril y diciembre del 2017, en puntos representativos urbanos y rural, a través de los cuales se obtuvieron intensidades térmicas tomando a lo rural como referencia. Los resultados comprueban la configuración de islas de calor de débil, moderada y fuerte magnitud, así como de islas frías que se alternaron ante la presencia de los diferentes tipos de tiempo. La frecuencia de las magnitudes varió conforme los tipos de tiempo, las características geoambientales y urbanas de los puntos representativos. Los resultados demuestran la importancia de la incorporación del conocimiento en climatología para la planificación y ordenamiento urbano resistente a la incomodidad térmica, específicamente en el ambiente tropical continental.

Palabras-clave: Clima urbano. Isla de calor urbana. Intensidad y magnitud. Frecuencia.

Biografia do Autor

Danielle Cardozo Frasca Teixeira, FCT Unesp, Rede de pesquisadores Questões ambientais urbanas

Licenciada, mestre e doutora em Geografia pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Faculdade de Ciências e Tecnologia campus Presidente Prudente. Membro do Grupo de Pesquisa Interações na Superfície, água e atmosfera - GAIA. Pesquisadora/bolsista pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) entre os anos 2013 e 2015.

Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim, Universidade Estadual Paulista FCT Unesp

Bolsista de Produtividade em Pesquisa 1C. Livre-docente pela UNESP-FCT. Doutora em Geografia pela Universidade de São Paulo. Mestre em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Presidente Prudente, Brasil (1993). Pós-Doutora pela Universidade do Porto. Professora da UNESP.

Referências

AMORIM, M. C. de C. T. A produção do clima urbano em ambiente tropical: o exemplo de Presidente Prudente (SP). Revista GeoNorte, v. 2, p. 52-64, 2012.

AMORIM, M. C. de C. T. Teoria e método para estudo das ilhas de calor em cidades tropicais de pequeno e médio porte. 2017. Tese (Livre-docência) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2017.

BRANDÃO, A. M. de P. M. O clima urbano da cidade do Rio de Janeiro. 1996. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

CARRERAS, C. et al. Modificaciones térmicas en las ciudades. Avance sobre la isla de calor en Barcelona. Documents d'Analisi Geografica, Barcelona, n. 17, p. 51-77, 1990.

DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA (Brasil). Banco de dados hidrológicos. São Paulo: Portal do Departamento de Águas e Energia Elétrica, [2018]. Disponível em: http://www.hidrologia.daee.sp.gov.br/ Acesso em: 16 out. 2018.

DORIGON, L. P. As ilhas de calor urbanas em Jundiaí (SP). 2019. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2019.

DUBREUIL, V. et al. Les types de climats annuels au Brésil: une application de la classification de Köppen de 1961 à 2015. EchoGéo. n. 41. p. 1-27, 2017.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (Brasil). Centro Nacional de Pesquisa de solos, Sistema Brasileiro de Classificação de solos. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 2009.

FERNÁNDEZ GARCÍA, F. Manual de climatologia aplicada: clima, medio ambiente y planificación. Madrid: Síntesis, 1996.

FERREIRA, M. C. Iniciação à análise geoespacial: teoria, técnicas e exemplos para
geoprocessamento. São Paulo: Ed. UNESP, 2014.

GARTLAND, L. Ilhas de calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. São Paulo: Oficinas de Textos, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. [Malha de setores censitários e faces de logradouros]. [2017]. Bases cartográficas das cidades do estudo. Disponível em: https://downloads.ibge.gov.br/downloads_geociencias.htm. Acesso em: 19 jul. 2017

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Santo Anastácio. [2017]. Estimativa populacional 2020. Sinopse. Disponível em:
https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/santo-anastacio/panorama. Acesso em: 07 jul. 2020.

LANDSBERG, H. E. The urban climate. New York: Academics, 1981.

MONTEIRO, C. A. de F. Análise rítmica em climatologia. São Paulo: IGEOG/USP, 1971.

MONTEIRO, C. A. de F. Teoria e clima urbano. São Paulo: IGEOG/USP, 1976.
OKE, T. R. Boundary Layer Climates. 2nd ed. London: Methuen; New York: John Wiley & Sons, 1987.

MONTEIRO, A. et al. O(s) clima(s) de Gaia. Câmara Municipal de Gaia. 59p, 2018.

OKE, T. R. Boundary Layer Climates. 2nd ed. London: Methuen; New York: John Wiley & Sons, 1987.

OKE, T. R. Initial guidance to obtain representative meteorological observations at urban sites. Geneva: World Meteorological Organization, 2006. (Instruments and Observing Methods. Report n. 81). Disponível em: http://library.wmo.int/pmb_ged/wmo-td_1250.pdf. Acesso em: 12 fev. 2017.

OKE, T. R. et al. Urban climates. Cambridge: Cambridge University Press, 2017.

OKE, T. R. Siting and exposure of meteorological Instruments at urban sites. In: INTERNATIONAL TECHNICAL MEETING ON AIR POLLUTION MODELLING AND ITS APPLICATION, 27., 2004, Banff. Proceedings [...]. [Banff]: NATO/CCMS, 2004. p. 1-14. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/225881560_Siting_and_Exposure_of_Meteorological_Instruments_at_Urban_Sites Acesso em: 10 mar. 2016.

SANT’ANNA NETO, J. L. Ritmo climático e a gênese das chuvas na Zona Costeira Paulista. 1990. (Dissertação de Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1990.

VOOGT, J. A. Urban Heat Island: Causes and consequences of global environmental change. Encyclopedia of Global Environmental Change, vol. 3, pp. 660-666, 2002.
Publicado
2021-01-12
Como Citar
Teixeira, D., & Amorim, M. (2021). Mensuração e frequência da intensidade da ilha de calor urbana noturna de Santo Anastácio, São Paulo, Brasil. Élisée - Revista De Geografia Da UEG, 10(1), e101211. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/elisee/article/view/10691
Seção
Artigos