Poéticas do excesso: Adília Lopes e Marília Garcia

  • Letícia Costa e S. Ferro (UFG) Universidade Federal de Goiás
  • Goiandira Ortiz de Camargo (UFG) Universidade Federal de Goiás (UFG)

Resumo

Sabe-se que a produção lírica contemporânea vem se afigurando de forma tão diversa quanto dispersa, dando mostras de que mais é mais. Quer dizer: quanto mais aberta a toda sorte de estofo estético tanto melhor. Assim, este trabalho busca, por meio do emprego multiplicado da palavra excesso, pensar como isso se dá, especialmente, na poesia portuguesa e brasileira, na inscrição de Adília Lopes e Marília Garcia, respectivamente, nelas enfatizando a crise que as arruína, no que diz respeito às suas tensões. Estas, por sua vez, nos mostram que a noção extremista acaba não poucas vezes imputando à poesia contemporânea a ideia de anacronismo, ou, mesmo, de insuficiência, ainda que, não raro, se parta de tal noção para balizar criticamente a escritura dos versos. 

Biografia do Autor

Letícia Costa e S. Ferro (UFG), Universidade Federal de Goiás

Doutora em Estudos Literários pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil. E-mail: icesf@bol.com.br.

Goiandira Ortiz de Camargo (UFG), Universidade Federal de Goiás (UFG)

Professora Titular da Universidade Federal de Goiás (UFG). Doutora em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Coordenadora da Rede Goiana de Pesquisa em Leitura e Ensino de Poesia. Pesquisadora do CNPq. E-mail: goiandira.letras@gmail.com.

Publicado
2017-05-06
Como Citar
Ferro (UFG), L., & Camargo (UFG), G. (2017). Poéticas do excesso: Adília Lopes e Marília Garcia. Via Litterae (ISSN 2176-6800): Revista De Linguística E Teoria Literária, 8(2), 353-371. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/vialitterae/article/view/6175
Seção
Teoria Literária