AS RELATIVAS PREPOSICIONADAS PADRÃO SÃO NATURAIS AOS FALANTES DO PORTUGUÊS DO BRASIL? EVIDÊNCIAS DE PESQUISA EXPERIMENTAL EM PSICOLINGUÍSTICA.

  • Eduardo Kenedy Universidade Federal Fluminense (UFF)
Palavras-chave: Relativas preposicionadas. Pied-piping. Prepositional-stranding. Cortadoras. Minimalismo. Move F.

Resumo

O presente artigo descreve e comenta um experimento de leitura automonitorada aplicado com 20 sujeitos de nível superior falantes do português brasileiro. Nesse experimento, comparou-se o desempenho dos sujeitos com relação à leitura e à interpretação do segmento pied-piping (preposição + pronome) em relativas e em interrogativas, com o objetivo de argumentar em favor da “Hipótese da antinaturalidade de pied-piping em relativas” (KENEDY, 2007). Segundo essa hipótese, pied-piping é um tipo de construção impossível de ser gerada naturalmente pelo sistema computacional da Faculdade da Linguagem quando o tipo de estrutura em questão são as relativas preposicionadas, por contraste à naturalidade de pied-piping em interrogativas preposicionadas. Essa assimetria teórica entre relativas e interrogativas é aqui posta à prova experimentalmente.
Como Citar
Kenedy, E. (1). AS RELATIVAS PREPOSICIONADAS PADRÃO SÃO NATURAIS AOS FALANTES DO PORTUGUÊS DO BRASIL? EVIDÊNCIAS DE PESQUISA EXPERIMENTAL EM PSICOLINGUÍSTICA. Via Litterae (ISSN 2176-6800): Revista De Linguística E Teoria Literária, 2(1), 58-74. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/vialitterae/article/view/5404
Seção
Linguística