SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS ORAÇÕES SEM SUJEITO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

  • Anderson Ulisses S. Nascimento Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Palavras-chave: Sintaxe. Oração sem sujeito. Verbos fenomenológicos. Gramaticalização. Ergatividade.

Resumo

Tradicionalmente, as orações sem sujeito são abordadas como casos categoricamente excepcionais dentro da sintaxe portuguesa. Ocorre que as mesmas encontram-se em escala muito maior, no uso tanto escrito quanto falado, do que fazem supor as lições desta tradição de ensino de português. Tal situação verifica-se, sobretudo, no português brasileiro, em que tais construções passam por clara expansão, imprimindo assim considerável aumento no espectro de possíveis orações sem sujeito nesta variedade da língua portuguesa. Pretendemos aqui, sucintamente, descrever os casos em que se dá tal estrutura oracional e levantar as motivações para tal alargamento sintático de possibilidades.

Biografia do Autor

Anderson Ulisses S. Nascimento, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Mestrando em Língua Portuguesa pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), sob orientação do Professor Dr. José Carlos de Azeredo.

Como Citar
Nascimento, A. (1). SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS ORAÇÕES SEM SUJEITO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. Via Litterae (ISSN 2176-6800): Revista De Linguística E Teoria Literária, 2(1), 5-29. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/vialitterae/article/view/5401
Seção
Linguística