O cânone literário em perspectiva: o caráter político em detrimento do estético

  • Daniel Teixeira Costa Araujo Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Cânone. Historicidade da recepção. Poder. Dispositivo. Clássico.

Resumo

Inicialmente uma lista de autores e obras modelares, o cânone literário hoje se comporta como meio de assegurar a identidade de uma nação, de um povo, de um grupo. Sem se ater à atualidade da questão cultural a esse respeito, este artigo se propõe investigar os pressupostos epistemológicos do cânone literário para explicitar seu caráter político e a intenção de controle seja do que é lido seja de como deve ser lido inerente a todo cânone, assim como revelar o papel de instituições, tais como a escola e a universidade, na determinação de interpretações válidas ou inválidas. Este artigo visa ainda evidenciar o quanto a recepção influi no processo de configuração de um cânone, apontando para o papel da historicidade da recepção como denúncia da precariedade da função do cânone enquanto discurso de legitimação da literatura. Por fim, será explicitada a relação entre cânone e poder, apontando para um possível uso do conceito foucaultiano de dispositivo como operador para a discussão do conceito de cânone literário.

Biografia do Autor

Daniel Teixeira Costa Araujo, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Mestre em Teoria da Literatura pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) 2008, graduando em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), professor de língua francesa e intérprete/tradutor.

Como Citar
Araujo, D. (1). O cânone literário em perspectiva: o caráter político em detrimento do estético. Via Litterae (ISSN 2176-6800): Revista De Linguística E Teoria Literária, 3(2), 415-434. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/vialitterae/article/view/5366
Seção
Teoria Literária