Estudo sobre a privação em Semiótica

  • Paulo Henrique Espirito Santo Nestor Universidade Federal de Goiás (UFG)
  • Sebastião Elias Milani Universidade Federal de Goiás (UFG)
Palavras-chave: Privação. Prova. Semiótica.

Resumo

Este artigo de Historiografia Linguística discorre sobre a privação, um componente da prova na Semiótica de Greimas. A prova foi apresentada no inventário das funções elaborado por Propp (1984a), que a identificou através da análise dos contos de magia russos. Greimas (1973) promoveu uma redução das funções de Propp e manteve a noção de prova, articulando-a com os demais conceitos de sua teoria. Posteriormente, Greimas e Courtés (2008) escreveram que a prova é constituída por três enunciados: defrontação, dominação e consequência. Na consequência, a privação é sua forma negativa, opondo-se à forma positiva, a aquisição. Se, no eixo das consecuções, a consequência é o último dos enunciados constitutivos da prova e a privação é sua resultante, então essa última é o arremate do eixo. Contudo, como sugeriram Greimas e Courtés (2008), esse eixo pode ser substituído pelo das pressuposições, em que a consequência pressupõe a dominação, que pressupõe a defrontação. Esse novo enfoque permite considerar que a privação pode se colocar como determinante no primeiro enunciado da prova, ou seja, um começo. É sobre essa possibilidade que este artigo se orienta, com o objetivo de aprofundar nas questões teóricas referentes à organização narrativa.

Biografia do Autor

Paulo Henrique Espirito Santo Nestor, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Mestrando (bolsista) pelo Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Sebastião Elias Milani, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Professor Adjunto IV de Linguística da Faculdade de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Como Citar
Nestor, P. H., & Milani, S. (1). Estudo sobre a privação em Semiótica. Via Litterae (ISSN 2176-6800): Revista De Linguística E Teoria Literária, 3(2), 373-383. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/vialitterae/article/view/5359
Seção
Linguística