A ironia de Ares

  • Luiz Gustavo Leitão Vieira Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Ilíada. Literatura de guerra. Ironia.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar um aspecto em particular da Ilíada, aqui compreendida como arquétipo de narrativa de guerra na literatura ocidental. O aspecto a ser abordado é a inescapável lacuna existente entre a guerra idealizada e a guerra real, o que pode ser denominado de a inerente ironia da guerra. O desenrolar de todo e qualquer conflito armado se mostra sempre pior do que o esperado – a idealização da guerra não resiste à concretização da guerra. Tal característica de conflitos armados pode ser localizada mesmo na representação homérica da Guerra de Troia, que usualmente é vista meramente como uma arena para obtenção de glória em combate. A ironia de Ares

Biografia do Autor

Luiz Gustavo Leitão Vieira, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Mestre em Literaturas de Expressão Inglesa, doutorando em Literatura Comparada pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Tradutor Público e Intérprete Comercial. E-mail: lglvieira@hotmail.com.
Como Citar
Vieira, L. (1). A ironia de Ares. Via Litterae (ISSN 2176-6800): Revista De Linguística E Teoria Literária, 4(2), 419-439. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/vialitterae/article/view/5300
Seção
Teoria Literária