Simão de Vasconcelos: “Cronista Tardio” do descobrimento e da colonização do Brasil

  • Ruth de Fátima Oliveira Tavares Universidade Estadual de Goiás (UEG – Pires do Rio)
Palavras-chave: Bestiários. Colonização. Simão de Vasconcelos.

Resumo

O presente artigo trata dos aspectos simbólicos, figurativos, ideológicos e pragmáticos do imaginário medieval presentes na cronística do descobrimento e colonização do Brasil - exclusivamente da tradição literária europeia denominada bestiários – livros de ciência natural que apresentavam um repertório de alegorias cristãs, moralizantes e pedagógicas - e, especificamente na obra do padre jesuíta Simão de Vasconcelos, Notícias curiosas e necessárias das coisas do Brasil (1663/1977). Para tanto, utilizar-se-á o método analítico e crítico-comparativo a fim de identificar os modos, os recursos e as estratégias narrativas de representação que davam forma a esse ideário, e, examinar como formas e motivos do imaginário cultural europeu contribuíram para as ideias e construções mentais, formando um conjunto norteador – espiritual e material – para a efetiva colonização da Terra Brasilis e dos seus primeiros habitantes, os brasilíndios. 

Biografia do Autor

Ruth de Fátima Oliveira Tavares, Universidade Estadual de Goiás (UEG – Pires do Rio)

Graduada em História pela Universidade Estadual de Goiás (1997) e mestre pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2011). Atualmente é professora do quadro efetivo da Universidade Estadual de Goiás, Campus Pires do Rio, onde ministra as disciplinas História do Brasil e História da América e é coordenadora de área do subprojeto de História-PIBID. E-mail: ruthdfatima@yahoo.com.br.

Como Citar
Tavares, R. de F. (1). Simão de Vasconcelos: “Cronista Tardio” do descobrimento e da colonização do Brasil. Via Litterae (ISSN 2176-6800): Revista De Linguística E Teoria Literária, 7(2), 273-295. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/vialitterae/article/view/4796