Situação linguística do povo indígena Tapuia do Carretão (GO) sob a perspectiva da Ecolinguística

  • Maria de Lurdes Nazário Universidade Estadual de Goiás (UEG)
Palavras-chave: Povo Tapuia, Ecossistema Fundamental da Língua, Comunidade de Fala.

Resumo

Discute-se aqui a situação linguística do povo indígena Tapuia do Carretão-GO, considerando fundamentos da Ecolinguística que ajudam a compreender o seu Ecossistema Fundamental da Língua (COUTO, 2007). Esta pesquisa tem um caráter qualitativo, baseando-se em informações sobre os aldeamentos goianos (CHAIM, 1997), estudos antropológicos sobre os Tapuia (LAZARIN, 1985; MOURA, 2008) e estudos de campo desenvolvidos por professores Tapuia sobre a história de formação de seu povo e sua identidade etnolinguística (RODRIGUES, 2011; SILVA, 2012; LIMA, 2012). Os Tapuia são descendentes indígenas dos aldeados em Pedro III (fundado em 1788) que não falam a língua de seus antepassados e não possuem um fenótipo dessa raça, e por isso têm sua origem étnica questionada. Essa situação que não é prototípica de comunidades indígenas demonstra a complexidade de qualquer ecossistema, sendo preciso situá-lo no contexto sócio-histórico para compreender sua configuração como uma outra comunidade de fala, os Tapuia, que surge em função das transformações nos ecossistemas originais de cada povo aldeado.

Biografia do Autor

Maria de Lurdes Nazário, Universidade Estadual de Goiás (UEG)
Professora efetiva da Universidade Estadual de Goiás (UEG).  Doutoranda em Letras e Linguística da FL da UFG.  E-mail: mlnazario@yahoo.com.br.
Como Citar
Nazário, M. de L. (1). Situação linguística do povo indígena Tapuia do Carretão (GO) sob a perspectiva da Ecolinguística. Via Litterae (ISSN 2176-6800): Revista De Linguística E Teoria Literária, 7(1), 77-89. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/vialitterae/article/view/4453