Uma discussão sobre condicionamentos semânticos do uso do objeto nulo no português brasileiro

  • Ivanete Mileski Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS)
Palavras-chave: Objeto nulo, Condicionamentos semânticos, Português brasileiro

Resumo

Não saliente ao falante nativo do português brasileiro (PB), o fato de podermos nos referir a uma categoria apresentada anteriormente na situação discursiva mediante uma categoria foneticamente nula na posição de objeto tem sido abordado em diferentes pesquisas. Entre as pesquisas que investigam o objeto nulo (ON) no PB, parece haver ao menos duas questões ainda não consensuais: uma delas diz respeito aos condicionamentos semânticos para o uso do objeto preenchido ou nulo, isto é, ao papel de traços como animacidade e especificidade do referente; a outra questão se refere à classificação do ON no PB, ou seja, a que tipo de categoria vazia o objeto nulo corresponde. Neste texto pretendemos retomar brevemente a questão que envolve as restrições semânticas de uso do ON ou objeto preenchido mediante uma análise de resultados de estudos sobre ON no PB. O trabalho não adentra em dados diacrônicos nem na natureza do objeto nulo no português, mas limita-se a explicar de forma breve o fenômeno e, posteriormente, discutir os condicionamentos semânticos para o uso de ON ou preenchido. A partir das pesquisas analisadas, é possível notar que o preenchimento ou não da posição de objeto depende de fatores como animacidade, especificidade e gênero semântico do referente.

Biografia do Autor

Ivanete Mileski, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS)
Doutoranda em Letras (área de concentração: Linguística) pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Mestre em Letras pelo mesmo programa.
Como Citar
Mileski, I. (1). Uma discussão sobre condicionamentos semânticos do uso do objeto nulo no português brasileiro. Via Litterae (ISSN 2176-6800): Revista De Linguística E Teoria Literária, 6(2), 221-234. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/vialitterae/article/view/3540
Seção
Linguística