QUEM CONTA UM CONTO, AUMENTA UM PONTO

A ENXADA — UM CONTO DE BERNARDO ÉLIS

  • Tereza Caroline Lôbo Instituto Cultural e Educacional Bernardo Élis para os Povos do Cerrado (ICEBE)

Resumo

Apresentamos neste artigo o que internalizamos da leitura de um dos mais famosos contos do escritor goiano Bernardo Élis — A Enxada. Escrito em 1966, sua contemporaneidade se dá pela infinitude de sua poética e suas reflexões ontológicas. Partindo dos entendimentos que obtive quando perpassada por este conto estabeleço um diálogo com a Geografia humanista e cultural, com a antropologia e com a filosofia, bem como com outras obras do autor e sua biografia. Pontuei e transcrevi algumas impressões provocadas por este conto no meu ser ao conviver com Supriano e sua saga em busca de uma enxada.

Palavras-chave: Bernardo Élis. A Enxada. Geografia Humanista.

Biografia do Autor

Tereza Caroline Lôbo, Instituto Cultural e Educacional Bernardo Élis para os Povos do Cerrado (ICEBE)

É licenciada em Ciências Sociais, mestra e doutora em Geografia (IESA/UFG). Pesquisadora pirenopolina de cultura e festas populares. Membro Correspondente do Instituto Cultural e Educacional Bernardo Élis para os Povos do Cerrado (ICEBE).

Publicado
2020-11-14