Os (DES) CAMINHOS DA AVALIAÇÃO EXTERNA VIRTUAL IN LOCO:

os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia em discussão

Resumo

A pesquisa tem por objetivo analisar as características da recém política de avaliação externa virtual in Loco, criada em 2021, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) do Ministério da Educação (MEC), tendo como mote, os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (Institutos Federais). O estudo de natureza qualitativa, tomou como fontes referenciais bibliográficos e documentais. A relevância da pesquisa se pauta na tratativa desse processo regulatório, destituído de ampla discussão com a comunidade acadêmica, em um momento pandêmico e de precarização da vida. A política da avaliação na educação superior tem se situado entre a essência da avaliação formativa e os ritos de controle regulatório do Estado. Os Institutos Federais apresentam características próprias que têm sido desconsideradas pelo INEP/MEC, como a verticalização e a multiplicidade de campi e identidades institucionais. A única avaliação externa virtual realizada em um dos Institutos Federais, resultou no conceito institucional de excelência. Este contexto põe em questão os procedimentos metodológicos e políticos da regulação e a necessidade de aprofundar esta política. O estudo aponta ainda, para a valorização acentuada dos recursos tecnológicos, pois podem interferir, sobremaneira, nos resultados avaliativos, em detrimento da cultura, da missão, dos valores e da identidade das Instituições de Educação Superior.

Biografia do Autor

Celia Regina Otranto, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

É Professora Titular da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Desenvolveu estágio pós-doutoral em Educação na Unicamp, é doutora em Ciências Sociais pela UFRRJ e Mestre em Educação pela UFRJ. É membro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), na qual coordena o GT 11 – Política de Educação Superior. É sócia fundadora da Sociedade Brasileira de História da Educação (SBHE), onde desenvolve estudos sobre a história das Instituições educacionais. Atua como pesquisadora da Rede Universitas/BR e é líder do Grupo de Estudos e Pesquisas da História da Universidade Rural (GEPHUR). É autora de vários livros, capítulos e artigos em periódicos, com temáticas voltadas principalmente para política educacional, educação superior, história da educação e educação profissional

Nadia Maria Pereira de Souza, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). É
aposentada como Professora Titular do Instituto de Educação da UFRRJ, onde integra o
quadro docente do Programa de Pós-Graduação em Educação Agrícola (PPGEA). É
Coordenadora da Disciplina de Prática de Ensino III – EAD do CEDERJ/UFRRJ; é membro do
INEP/MEC/BASES; é membro da Rede UNIVERSITAS/BR de Pesquisadores; é membro
associada da Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação (ANFOPE)
e da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação (ANPEd).

Publicado
2021-12-16
Seção
Dossiê Políticas de educação superior: tendências e perspectivas