FORMAÇÃO E ENSINO REMOTO NO "NOVO NORMAL":

E O/A DOCENTE COMO VAI?

Resumo

A pandemia da COVID-19 tem nos feito passar por diversas experiências antes inimagináveis. Dentre elas, nos importou aqui a impossibilidade da continuidade de aulas presenciais desde março de 2020, que fez com que o ensino remoto emergencial figurasse, quase que exclusivamente, como possibilidade para o trabalho docente. Tal situação fez com que reemergissem discussões acerca da interlocução entre os temas Formação de professores/as e Tecnologia Educacional, em curso há algum tempo. Nosso objetivo principal é provocar reflexões acerca da formação docente e do (des)preparo profissional para o uso das TIDC. Assim, nesse espaço pretendemos discutir alguns resultados e conclusões obtidos em cinco pesquisas, articulados às reflexões provocadas pela obrigatoriedade da educação escolar remota, imposta pela pandemia da COVID-19, sob a luz da Teoria Histórico-Cultural, embasados pelos postulados de Vygotsky e de seus pares, bem como por estudos sobre Educação e Tecnologia Educacional. Para tanto, analisamos dois trabalhos de pós-graduação, dialogando com três pesquisas sobre o tema publicadas pela Universidade Federal de Minas Gerais, pelo site Nova Escola e pelo Instituto Península. Dentre os resultados recorrentes observados, ocupam lugar de destaque as questões inerentes às insuficientes formações inicial e continuada de professores/as para o uso das tecnologias. As conclusões obtidas permitiram inferir que a formação docente figura ainda como um dos desafios para a inserção das TDIC na educação escolar.

Biografia do Autor

Joelci Mora Silva, Secretaria Municipal de Educação - Campo Grande/MS

Doutora em Educação (Processos formativos, praticas educativas, diferenças) pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Realizou Estágio CientíficoAvançado de Doutoramento em Ciências da Educação, na especialidade de Tecnologia Educativa (Doutorado Sanduíche - Universidade do Minho/ Braga, PT). Mestre em Educação (Linha de Pesquisa Educação, Psicologia e Prática Docente) pela UFMS. Especialização em Tecnologias, Formação de Professores e Sociedade (Universidade Federal de Itajubá- SP (cursando). Licenciada em História pela UFMS, Licenciada em Pedagogia pela UNIGRAN, Analista deSistemas pela SEIC (Curso Livre em nível de graduação). Atua como professora na SEMED - Campo Grande/MS. Atuou como professora substituta no curso Licenciatura emHistória - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, nas disciplinas Teorias e Metodologias da História I, História Antiga e História Contemporânea (março a dezembro de2018). Trabalhou como professora substituta das disciplina de Metodologias da História, História Antiga, História Regional, Estágio e Trabalho de Conclusão de Curso nocurso Licenciatura em História - UFMS (setembro de 2011 a julho de 2012). Foi professora voluntária do curso Licenciatura em História - UFMS nas disciplinas de Prática deEnsino em História II, Prática de Ensino em História III e Estágio Supervisionado II (de agosto de 2008 a julho de 2011). Atuou na Coordenadoria de Educação Aberta e aDistância (EAD - UFMS) como professora pesquisadora nos cursos de Licenciatura em Pedagogia, na Pós-graduação lato senso - especialização - curso "Gestão de PolíticasPúblicas em Gênero e Raça" e como professora conteudista no curso de extensão "Produção de Material Didático para a diversidade". Possui experiência nas áreas deInformática educacional (SENAC-MS), Informática empresarial, formação de professores, treinamento empresarial e atendimento ao cliente. Pesquisadora nas áreas deEducação (formação docente, aprendizagem e prática docente, Tecnologias Educacionais (Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação na educação escolar). Atuoucomo professora no ensino fundamental I (SED-MS e FUNLEC).

Célia Beatriz Piatti, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduada em Pedagogia - Licenciatura Plena - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ituverava, com especialização em Administração Escolar e Orientação Educacional. Mestre em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (2006) e Doutora em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2013). Coordenadora do grupo de estudos e pesquisa em formação de professores (GEPFORP). Professora da UFMS, lotada na Faed (Faculdade de Educação) atuando como docente no curso de Licenciatura em Educação do Campo-LeduCampo, do curso de Pedagogia e no Mestrado e Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Atualmente é coordenadora da linha de pesquisa - Processos formativos, práticas educativas, diferenças. É membro do Comitê Interno de Iniciação Científica da UFMS/PIBIC/PIBIC-AF/CNPq. Tem experiência na área de educação, atuando em ensino, pesquisa e extensão com os seguintes temas: Educação do Campo; Formação de professores e práticas educativas.

Publicado
2021-11-22
Seção
Dossiê Novo Normal (?): Artes e Diversidades em isolamentos