ROBERTO PIVA: PROFESSOR DO CAOS

  • Fabrício Carlos Clemente UFG

Resumo

Este artigo tem como objetivo estudar a relação entre poesia e conhecimento na obra do poeta Roberto Piva a partir da visão do saber, da escola e das instituições de ensino traçada ao longo dos escritos do autor. Em toda a obra de Piva há menções aos espaços, aos corpos, assim como a determinada teoria do conhecimento professada nos lugares representativos da educação formal. Pressupõe-se, tendo em vista a postura do sujeito piviano diante do tema e o modo como se refere a professores, à universidade e demais instituições do saber, que, a partir das relações esboçadas entre o sujeito e a escola, elabora-se uma contrateoria do conhecimento, que é reação à violência epistemológica sofrida pelo eu. Tal conflito seria constitutivo da subjetividade da poesia de Piva e se estenderia a sua concepção literária. O artigo pretende, nesse sentido analisar, a partir da leitura das Obras Completas (2005), (2006), (2008) o caráter “professoral” dessa subjetividade, culminando na indagação sobre a força e permanência da epistemologia do delírio de Piva na contemporaneidade. Servem de base ao estudo aqui empreendido desde referências aos estudos críticos presentes nas Obras Completas como os de Claudio Willer (2005) e Alcir Pécora (2005), passando por Octavio Paz (1982) e Heidegger (2019), até o pensamento de Byung-Chul Han (2015) e Annie Le Brun (2018), presentes nos questionamentos finais.

Palavras-chave: Poesia Brasileira. Ensino. Epistemologia. Roberto Piva.

Publicado
2021-07-25