MULHER, CORPO E IDEOLOGIA EM “V DE VINGANÇA”

Resumo

O presente estudo aborda a violência contra a mulher por meio da análise do filme “V de Vingança”, relacionando os comportamentos atribuídos pela sociedade patriarcal como posições sujeitos homem e mulher. O objetivo deste trabalho é expor como a violência contra a mulher é algo constituído historicamente e que perpetua até os nossos dias atuais, por mais que a força feminina tem se desenvolvida por meio de alguns movimentos, como o feminismo, ainda assim os direitos das mulheres estão longe de serem igualados aos direitos dos homens. Esta pesquisa tem como base a Análise de Discurso (ORLANDI, 2007; PÊCHEUX, 2009), para compreender os efeitos sobre o sujeito-mulher e a violência na relação entre língua, história e ideologia. Compreendemos que as posições que a personagem Evey assume durante a narrativa a coloca como um sujeito que vive num regime opressor, possuindo um olhar crítico sobre isso, mas que somente depois de várias experiências é que vai se sentir livre para assumir uma posição de mudança, de luta dentro desse regime, mudança que ocorre no próprio corpo, corpo simbólico que significa sua luta, ou seja, vai além do corpo empírico, é o corpo enquanto discurso. 

Biografia do Autor

Joseleide Alves Pinto, Universidade Estadual de Goiás

Acadêmica do curso de Letras/Português-Inglês da Universidade Estadual de Goiás/Unidade Universitária de Iporá. Foi voluntária de Iniciação Científica VIC/UEG, de agosto de 2018 a julho de 2019 no projeto A sétima arte em (dis)curso: a(s) língua(gens) e os sujeitos na materialidade fílmica.

Fernanda Surubi Fernandes, Universidade Estadual de Goiás

É professora efetiva na área de Língua Portuguesa e Linguística na Universidade Estadual de Goiás - UEG. Doutora e mestra em Linguística pela Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT.

Publicado
2020-12-21