De comida à patrimônio: a importância da valorização da farinha de mandioca no litoral do Paraná, Brasil

From food to heritage: the importance of valorizing the cassava flour of the coast of Paraná, Brazil

  • Alini Nunes de Oliveira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) - Cuiabá, Mato Grosso, Brasil
Palavras-chave: Farinha de mandioca, Patrimônio, Indicação geográfica, Litoral do Paraná

Resumo

Com um território extenso e bastante diverso, o Brasil apresenta grande riqueza alimentar, que inclui as práticas e o saber-fazer inerentes aos sistemas em que estes alimentos estão incluídos e que são a base onde se produz e se reproduz o patrimônio cultural imaterial, como as diferentes variedades de farinhas de mandioca. Este alimento contém em si muitas características dos territórios em que são produzidos, ou seja, foco do sistema de indicações geográficas (IG). Reconhecendo as aproximações entre patrimônio e IG, o presente artigo tem como objetivo investigar o processo de obtenção deste sinal distintivo, sobretudo no que se refere às possibilidades de valorização deste alimento como bem cultural que compõe o patrimônio cultural gastronômico do litoral do Paraná. Como procedimentos metodológicos utilizou-se pesquisa bibliográfica e documental, além de entrevistas semiestruturadas. A farinha de mandioca produzida no litoral do Paraná além de ser um produto com diferencial e que pode se destacar perante o mercado consumidor, por meio das indicações geográficas pode-se atribuir tanto um melhor valor monetário agregado, quanto um valor simbólico-cultural, devido à riqueza da memória e saber-fazer enraizado neste território. O reconhecimento da farinha de mandioca como indicação geográfica pode ser uma forma de manutenção da tradição deste alimento não apenas como parte da base alimentar regional, mas também como fonte de renda aos pequenos agricultores em um território em que há restrições quanto aos tipos de atividades econômicas que podem ser desenvolvidas e, sobretudo, valorização de práticas culturais que são características daquele território.    

Palavras-chave: Farinha; mandioca; patrimônio; indicação geográfica; Paraná.

From food to heritage: the importance of valorizing the cassava flour of the coast of Paraná, Brazil

Abstract: With an extensive and quite diverse territory, Brazil is also rich in food products, which includes the practices and savoir fare inherent in the systems in which they are produced. This knowledge is the basis on which intangible cultural heritage is produced and reproduced, such as the varieties of the cassava flour are. The characteristics of these territories are the focus of the geographical indications system (IG). Considering the similarities shared by heritage and the IGs, this article aims to investigate the process of obtaining this distinctive sign, especially with regard to the possibilities of valorizing the cassava flour as a cultural asset that makes up the gastronomic cultural heritage of the coast of the Paraná state, Brazil. Bibliographic and documentary research were used as methodological procedures in addition to semi-structured interviews. The cassava flour produced in the coast of Paraná, besides being a differentiated product that can stand out before the consumer market, can be attributed both a better monetary value and a symbolic-cultural value through geographical indications due to its relevance to local memory and the savoir fare rooted in the territory. The recognition of the cassava flour as geographical indication can represent a means of maintaining it not only as part of the basic regional food, but also as a source of income for small farmers in a territory where there are restrictions to types of economic activities that can be developed. Above all, such recognition is an aid to the valorization of cultural practices that are characteristic of the Paraná’s coast.

Keywords: Cassava; flour; Cultural heritage; Geographical Indication; Paraná; Brazil.

De comida a patrimonio: la importancia de la valorización de la harina de yuca en el litoral del Paraná, Brasil

Resumen: Con un territorio extenso y bastante diverso, Brasil presenta una gran riqueza alimentaria, que incluye las prácticas y el saber-hacer inherentes a los sistemas en el que estos alimentos están incluidos y que son la base donde se produce y se reproduce el patrimonio cultural inmaterial, como las diferentes variedades de harinas de yuca. Este alimento contiene muchas características de los territorios donde son producidos, es decir, foco del sistema de indicaciones geográficas (IG). Reconociendo los acercamientos entre patrimonio e IG, el presente artículo tiene por objetivo investigar el proceso de obtención de esta señal distintiva, principalmente en lo que se refiere a las posibilidades de valoración de este alimento como bien cultural que compone el patrimonio cultural gastronómico del litoral del Paraná. Como procedimientos metodológicos se utilizó investigación bibliográfica y documental, además de entrevistas semiestructuradas. La harina de yuca producida en el litoral del Paraná, además de ser un producto con diferencial y que puede destacarse ante el mercado consumidor, por medio de las indicaciones geográficas se puede atribuir tanto un mejor valor monetario añadido, como un valor simbólico-cultural, debido a la riqueza de la memoria y el saber-hacer enraizado en este territorio. El reconocimiento de la harina de yuca como indicación geográfica puede ser una manera de manutención de la tradición de este alimento no solo como parte de la base de la alimentación regional, sino también como fuente de renta a los pequeños agricultores en un territorio donde hay restricciones sobre los tipos de actividades económicas que pueden ser desarrolladas y, principalmente, la valoración de prácticas culturales que son características de aquel territorio.   

Palabras llave: Harina; yuca; Patrimonio; Indicación Geográfica; Paraná; Brasil.

Biografia do Autor

Alini Nunes de Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) - Cuiabá, Mato Grosso, Brasil

Graduada em Turismo e Geografia. Mestre e Doutora em Geografia pela Universidade Estadual de Londrina. Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT), campus Cuiabá.

Referências

AGRICULTORES de Santa Catarina preservam a tradição da farinha de mandioca. Globo Rural, 26 jan. 2020. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2020.

BADARÓ, L. Farinha de Cruzeiro do Sul agora é Patrimônio Cultural do Acre. Jornal Acre 24 horas, 30 set. 2019. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2020.

BRASIL. Lei n° 9.279, de 14 de maio de 1996. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2020.

COLOGNESE, S. A.; MELO, J. L. B. de. A técnica de entrevista na pesquisa social. Cadernos de Sociologia, Porto Alegre, v. 9, p. 143-159, 1998.

DENARDIN, V. F.; SULZBACH, M. T.; KOMARCHESCKI, R. Farinheiras no litoral do Paraná: uma análise a partir da noção de sistema agroalimentar localizado – SIAL farinheiras. In: DENARDIN, V. F.; KOMARCHESKI, R. (Orgs.). Farinheiras do Brasil: tradição, cultura e perspectivas da produção familiar de farinha de mandioca. Matinhos: UFPR Litoral, 2015. p. 197-217.

DENARDIN, V. F.; SULZBACH, M. T. Produtos com identidade territorial: o caso da farinha de mandioca no litoral paranaense. In: SAQUET, M. A.; SANTOS, R. A. dos. Geografia agrária, território e desenvolvimento. São Paulo: Expressão Popular, 2010. p. 219-236.
DENARDIN, V. F.; LAUTERT, L. F.; HERNANDES, C. C.; RIBAS, C. P.; PICCIN, H. H.; KOMARCHESCKI, R. Casas de farinha no litoral do Paraná: realidade e desafios. Revista Raízes e Amidos Tropicais, v. 5, Volume Especial- XIII Congresso Brasileiro da Mandioca, p. 1037-1042, 2009a.

DENARDIN, V. F.; LAUTERT, L. F.; RIBAS, C. P.; ZANETTI, R. Farinha de Mandioca no Litoral Paranaense: um Produto com Potencial Agroecológico. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 4, n. 2, p. 2420-2424, nov. 2009b.

DESGUALDO, P. É tempo de farinhada: Santa Catarina celebra com festa a produção de sua farinha. Estadão, 19 jul. 2019. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2020.

DUARTE, G. S. D.; HOOGERHEIDE, S. S. E.; REIS, J. C.; SOUZA, G. F.; SILVA, J. F. V. Produção de farinha de mandioca: subsistência e tradição cultural na comunidade São Benedito, Poconé, MT, Brasil. Cadernos de Agroecologia, v. 11, n. 2, dez. 2016.

EMBRAPA (EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA). Mandioca: produção nacional por estado 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2020a.

EMBRAPA (EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA). Mandioca: produção nacional por municípios 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2020b.

ESTADES, N. P. O litoral do Paraná: entre a riqueza natural e a pobreza social. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, n. 8, p. 25-41, jul./dez. 2003.

FARINHEIRAS do litoral. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2020.

FARINHEIRAS do litoral do Paraná – Morretes e Guaraqueçaba, 18 abr. 2019. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2020.

FAO (FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION). Faostat. Crops. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2020b.

GIMENES, M. H. S. G. Cozinhando a tradição: festa, cultura e história no litoral paranaense. 2008. 393 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

IPHAN (INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL). INRC da Farinha de Mandioca. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2020l.
INPI (INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL). Pedidos de Indicação Geográfica no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 3 fev. 2021.

JUNGES, C. Farinha de mandioca: tradição centenária. Gazeta do Povo, 24 nov. 2011. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2020.

LEANDRO, J. A. Viver e sobreviver da farinha de mandioca no Litoral do Paraná no século XIX. In: DENARDIN, Valdir Frigo; KOMARCHESKI, Rosilene (Orgs.). Farinheiras do Brasil: tradição, cultura e perspectivas da produção familiar de farinha de mandioca. Matinhos: UFPR Litoral, 2015. p. 13-36.

LEANDRO, J. A. A roda, a prensa, o forno, o tacho: cultura material e farinha de mandioca no litoral do Paraná. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 27, n. 54, p. 261-278, 2007.

LISBOA, P. Turismo cultural e patrimônio sob a perspectiva da gastronomia: o caso da mandioca. Revista de Turismo Contemporâneo, Natal, v. 3, n. 1, p. 1-15, jan./jun. 2015.

MUNIZ, É. S. A. Comida como patrimônio: consumo, soberania e identidade na Indicação Geográfica da Farinha de Bragança, no Pará (2013-2018). Revista Ingesta, v. 1, n. 2, p. 180, dez. 2019.

PIMENTEL, L. O. (Org.). Curso de propriedade intelectual & inovação no agronegócio: Módulo II, indicação geográfica. 4. ed. Florianópolis: MAPA/FUNJAB, 2014.

PINTO, M. D. N. Sabores e saberes da Casa de Mani: a mandioca nos sistemas culinários. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 32, 2005. p. 281-301.

PINTO, M. D. N. Mandioca e farinha: subsistência e tradição cultural. Encontros e Estudos, n. 5. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular/IPHAN, 2002.

PRODUÇÃO de farinhas pode se tornar Patrimônio Cultural em MG. Triângulo Notícias, 15 out. 2019. Disponível em: . Acesso em: 27 maio. 2020.

PRODUZIDA por comunidades ribeirinhas, Farinha Uarini ganha selo de Indicação Geográfica. G1, 29 ago. 2019. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2020.

PROJETO de vereador quer tornar farinha do Uarini patrimônio cultural de Manaus. Portal do Holanda, 1º nov. 2019. Disponível em: . Acesso em: 3 fev. 2021.

SAUTIER, D.; BIÉNABE, E.; CERDAN, C. Geographical Indications in Developing Countries. In: BARHAM, E.; SYLVANDER, B. (Eds.). Labels of origin for food: local development, global recognition. Oxfordshire: CABI, 2011. p. 138–153.

SCHULTE, A. L.; DENARDIN, V. F.; LAUTERT, L. F. de C.; MATZENBACHER, L.; SIQUEIRA, M. C.; SANTOS, F. O. dos; SANTOS, J. dos. Dificuldades e potencialidades da agroindústria familiar de farinha de mandioca no litoral paranaense. Cadernos de Agroecologia, v. 5, n. 1, 2010.

SEBRAE (SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Guia das indicações geográficas: conceitos, 2019. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2020.

SEBRAE (SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Origens Paraná. Litoral do Paraná: farinha de mandioca. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2020.

SOUZA, J. M. L. de; ÁLVARES, V. de S.; NÓBREGA, M. de S.; NOBRE, I. Farinha de Mandioca de Cruzeiro do Sul: Características da Identidade Regional para a Indicação Geográfica. In: SOUZA, J. M. L. de; ÁLVARES, V. de S.; NÓBREGA, M. de S. (Ed.). Indicação geográfica da farinha de mandioca de Cruzeiro do Sul, Acre. Brasília: Embrapa, 2017. p. 37-51.

SILVA, M. A. da; ALCIDES, M. M.; CERQUEIRA, L. M. M. Memórias palatáveis: práticas e saberes na produção da farinha de mandioca em Alagoas, Brasil. Patrimônio e Memória, Assis, v. 15, n. 1, p. 47-72, jan./jun. 2019.

SILVA, Y. F. e; VIEIRA, M. T. Engenhos de Farinha: Resgates Culturais, Acolhimento e Hospitalidade. In: SEMINTUR, 8., 2015, Caxias do Sul. Anais... Caxias do Sul: Universidade de Caxias do Sul, 2015.

TERRA Madre Brasil. Disponível em: . Acesso em: 3 fev. 2021.

TRADIÇÃO de produção de mandioca pode virar patrimônio cultural. Estadão, 8 abr. 2020. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2020.

VARENHOLD, M.; GOES, C. A.; MEDEIROS, M. de L. Consumo e atitude dos turistas com relação aos produtos gastronômicos do Litoral Paranaense. Ágora, Santa Cruz do Sul, v. 21, n. 1, p. 42-54, jan./jun. 2019.

VIEIRA, M. T.; SILVA, Y. F. e. O Patrimônio Cultural em torno de um Engenho de Farinha em Balneário Camboriú/SC: saberes e fazeres como atributo turístico. In: ANPTUR, 13., 2016, São Paulo. Anais... São Paulo: Universidade de São Paulo, 2016.
Publicado
2021-12-27
Como Citar
Oliveira, A. (2021). De comida à patrimônio: a importância da valorização da farinha de mandioca no litoral do Paraná, Brasil. Élisée - Revista De Geografia Da UEG, 10(2), e102218. https://doi.org/10.31668/élisée.v10i2.11843
Seção
Artigos