Invisibilidade da Mulher na História Do Pensamento Geográfico: o caso de Mary Arizona (Zonia) Baber

The invisibility of women in the history of geographical thought: the case of Mary Arizona (Zonia) Baber

  • José Vandério Cirqueira Instituto Federal de Brasília - Campus Riacho Fundo
  • Wallace Vitor Leão Feitosa Instituto Federal de Brasília - Campus Riacho Fundo
Palavras-chave: Invisibilidade da mulher. História da geografia. Zonia Baber.

Resumo

A geografia estadunidense do final do século XIX e início do XX foi pioneira em abrir portas para a participação da mulher nos espaços acadêmicos institucionalizados. Apesar da imposição de papéis de gênero, as geógrafas protagonizaram grandes avanços nas pesquisas, no ensino e no pensamento geográfico. Este trabalho tem como proposta trazer à superfície a presença de Mary Arizona Baber, conhecida como Zonia Baber. Esta geógrafa vai se engajar na militância feminista e na luta por espaço profissional da mulher, bem como, pela presença feminina nos espaços acadêmicos da geografia tradicional de sua época. Foi pioneira em constituir uma geografia de autoria feminina comprometida com a luta de libertação da mulher. Bem antes do giro radical da geografia feminista e de gênero, que é do final dos anos de 1980, Baber já trazia rupturas à sua época e reflexões emancipatórias frente uma geografia patriarcal e misógina. Todavia, sua obra foi duramente negligenciada, sofrendo invisibilidade e violência epistêmica pelo cânone institucional ortodoxo da historiografia geográfica. Cartografar a trajetória dessa geógrafa negligenciada pela historiografia dominante torna-se fundamental para que se possa refletir acerca do emudecimento das mulheres na teoria do conhecimento geográfico.

 

Biografia do Autor

José Vandério Cirqueira, Instituto Federal de Brasília - Campus Riacho Fundo

Ativista anarquista. Doutor em geografia pela Unesp, professor do quadro permanente do Instituto Federal de Brasília, campus Riacho Fundo, onde atua no ensino técnico integrado e na licenciatura em geografia, nas disciplinas de história do pensamento geográfico e teoria e método em geografia. Faz parte do GEOTECER, Grupo de Pesquisa Geografia, Território, Ensino e Cerrado, desenvolvendo pesquisas no campo da teoria e prática espacial cerradeira.

Wallace Vitor Leão Feitosa, Instituto Federal de Brasília - Campus Riacho Fundo

Graduando em geografia do Instituto Federal de Brasília, campus Riacho Fundo, desenvolve pesquisa de iniciação científica no GEOTECER, Grupo de Pesquisa Geografia, Território, Ensino e Cerrado.

Referências

BABER, Z. The Scope of Geography. The Elementary School Teacher, vol. 4, n. 5, 1904, p. 271 - 282.
BABER, Z. The Scope of Geography. Journal of Geography, vol. 4, n. 9, 1905, p. 386 - 396.
BABER, Z. Lost Opportunities in Teaching Geography. Journal of Geography, vol. 14, n. 8, 1916, p. 295 - 298.
BABER, Z. A Proposal for Renaming the Solar Circles. Journal of Geography, vol. 19, n. 7, 1920, p. 245 - 249.
BABER, Z.; HUNTER, D. The Public May Be Brought to Understand the Importance of Geography. Scientific American Blog, Nature Publishing Group, 2013.
BARROS, M. As mulheres do Harvard College Observatory: Henrietta Swan Leavitt - a mulher que descobriu como medir a distância das galáxias. História da Ciência e Ensino: construindo interfaces, vol. 18, 2018, p. 12 - 21.
BLUNT, A.; WILLS, J. Dissident geographies: an introduction to radical ideas and practices. Edimburgo: Person Education Limited, 2000.
CIRQUEIRA, J. V. Geografias subterrâneas. Para ensinar uma prática geográfica nas trincheiras da anarquia. União da Vitória: Monstro dos Mares, 2018.
CIRQUEIRA, J. V.; SPOSITO, E. S. Geograficidade. Modo de ser, experiência e prática espacial. Curitiba: Appris, 2019.
FEYERABEND, P. Contra o método. São Paulo: Ed. Unesp, 2011.
FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 8ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.
McDOWELL, L. Gender, identity and place: understanding feminist geographies. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1999.
McNEILL, L. The Woman Who Transformed How We Teach Geography. Smithsonian Magazine, São Paulo, 18 de jan. de 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 de mar. de 2020.
MENEZES, L. Mulheres e pesquisa em ciências exatas da universidade federal da Bahia: uma análise preliminar. Anais do Fazendo Gênero 10, Florianópolis: UFSC, 2013, p. 1 – 11.
LIVINGSTONE, D. The Geographical Tradition. Episodes in the History of a Contested Enterprise. Malden. Oxford: Blackwell, 2008.
MASSEY, D. Pelo espaço. Uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.
MASSEY, D. Space, place and gender. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1994.
MONK, J. Women, Gender, and the Histories of American Geography. Annals of the AAG, nº 1, march, 2004, p. 1 - 22.
MONK, J.; FRIEDBERG, M. Mary Arizona (Zonia) Baber. Geographers Bibliographical Studies, vol. 30, New York: Bloomsburry, 2011, p. 68 - 79.
MOREIRA, R. O que é geografia. São Paulo: Brasiliense, 1981.
ONFRAY, M. Contra-história da filosofia. As sabedorias antigas. Vol. 1. São Paulo: 2008.
PITTSER S. Early Women Geography Educators, 1783-1932, Journal of Geography, 98:6, 1999, p. 302 – 307.
REED, H. Women´s Work at Harvard Observatory, New England Magazine, n. 166, 1892. Disponível em: http//nrs.harvardedu/urn3:FCORWOLBACH:2177395
SCHIEBINGER, L. O feminismo mudou a ciência? Bauru: EDUSC, 2001.
SOUSA, F. A personagem Lou como transgressora das normas sociais impostas à mulher no século XIX em humana, demasiado, humana. Caderno Espaço Feminino, Uberlândia, v. 29, n. 2 – jul./dez. 2016, p. 112 – 123.
SILVA, J. M (Org.). Geografias subversivas. Discursos sobre espaço, gênero e sexualidade. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009.
SPIVAK, G. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.
TYNER, J. Women in American Cartography. Lanham: Lexington Books, 2019.
TRISTAN, F. União operária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015.
Publicado
2020-10-19
Como Citar
Cirqueira, J., & Feitosa, W. V. (2020). Invisibilidade da Mulher na História Do Pensamento Geográfico: o caso de Mary Arizona (Zonia) Baber. Élisée - Revista De Geografia Da UEG, 9(2), e922027. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/elisee/article/view/11089