As ocupações das escolas públicas: crítica às representações dos estudantes na mídia escrita

Resumo

Discutimos, neste artigo, a ocupação das escolas públicas, que foi um movimento social desencadeado no Brasil nos anos de 2015 e 2016. Nosso objetivo é analisar as representações de estudantes nas ocupações das escolas públicas produzidas pela mídia escrita, ao mesmo tempo em que buscaremos apresentar o fundamento social que as caracterizam. Nossas principais fontes são as notícias divulgadas na mídia escrita (disponíveis online) referentes ao já citado movimento de ocupação, cuja finalidade foi lutar contra as várias propostas anunciadas pelos governos estaduais, tais como o fechamento de escolas — proposta realizada pelo Estado de São Paulo — e a transferência da gestão para as Organizações Sociais — as OSs — proposta que ocorreu no Estado de Goiás.

Biografia do Autor

Veralúcia Pinheiro, Universidade Estadual de Goiás (UEG)

Doutora em Educação pela Unicamp/SP, professora dos cursos de História, Pedagogia e Letras e do Programa de Pós Graduação Interdisciplinar em Educação, Linguagem e Tecnologias – PPG/IELT da Universidade Estadual de Goiás – UEG. Pesquisadora das áreas de educação, violência, juventude e gênero.

Lattes iD: http://lattes.cnpq.br/8080898661942973

Orcid iD: https://orcid.org/0000-0001-5075-4829

 E-mail: veraluciapinheiro27@gmail.com

Larissa Landim de Carvalho, Universidade Estadual de Goiás (UEG)

Advogada. Especialista em Direito e Processo do Trabalho (PROORDEM). Mestranda do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Educação, Linguagem e Tecnologias (PPG-IELT) da Universidade Estadual de Goiás (UEG). Pesquisadora das áreas de Direito e gênero.

Lattes iD: http://lattes.cnpq.br/7075905203814658

Orcid iD: https://orcid.org/0000-0003-0076-0790

E-mail: larissalandimcarvalho@gmail.com

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Pinheiro, V., & Carvalho, L. (2019). As ocupações das escolas públicas: crítica às representações dos estudantes na mídia escrita. Via Litterae (ISSN 2176-6800): Revista De Linguística E Teoria Literária, 11(2), 156-167. https://doi.org/10.5281/zenodo.4280929
Seção
Linguística