CRÔNICAS DA CIDADE:

O LUGAR DAS SUBJETIVIDADES E DA EXISTÊNCIA NA PANDEMIA

  • Angelita Pereira de Lima
  • Eguimar Felício Chaveiro UFG - IESA
  • Luana Silva Borges UFG
  • Rodrigo Emidio Silva UFG

Resumo

Com este artigo pretendemos apresentar uma experiência de ensino remoto, em razão da pandemia de covid 19 no ano de 2020, na disciplina Espaço, Comunicação e Sociedade, ministrada na Universidade Federal de Goiás, no primeiro semestre letivo de 2020, por meio de uma parceria entre os cursos de Jornalismo e Geografia, na Faculdade de Informação e Comunicação. À ocasião, com o uso da plataforma Google Meet, trabalhou-se com o gênero crônica – que transita entre o jornalismo e a literatura - para motivar os/as discentes à escrita de suas experiências de cidadania, no contexto da pandemia. Nas noventa e oito crônicas produzidas por eles e nos três saraus virtuais organizados no âmbito da disciplina, verificou-se, sobretudo, sinestesias referentes aos territórios e lugares em que os discentes habitam e habitaram no contexto da pandemia. Ademais, dos textos acederam reflexões sobre a coexistência com o outro em uma realidade urbana, quase sempre na metrópole, marcada pelo distanciamento social. No curso, a um só tempo, os professores e estagiários de docência trabalharam com três vertentes que, embora distintas, foram complementares: com o ensino de um gênero textual, a crônica; com a operacionalização de categorias geográficas, tais como território, lugar e paisagem; e, por fim, com a simbiose entre geografia, jornalismo e literatura para narrar a cidade. O objetivo central, com este artigo, é que pensemos, a partir prática pedagógica interdisciplinar, como a escrita literária, articulada ao jornalismo e às categorias geográficas, pode ser eficaz para compor resistências no contexto opressivo de uma pandemia negligenciada. Concluímos que a articulação entre arte literária e o factual jornalístico – uma das características da crônica – é estratégia narrativa eficaz para se alcançar a complexidade da realidade, que envolve, sobretudo no contexto da covid 19, dores e perdas, pequenas esperanças e alegrias.

Publicado
2021-10-28