BRENDA STARR, REPORTER: UMA ESTRELA DOS QUADRINHOS

Palavras-chave: Histórias em quadrinhos; mulher; estereótipos

Resumo

Este artigo pretende explorar a representação feminina na produção quadrinística Brenda Starr: reporter (1940-1941), de Dale Messick (1906-2005). Lançada em 1940, a obra inaugura uma era de relativa maior abertura para publicação de quadrinhos produzidos por mulheres no interior da indústria quadrinística. A autora estadunidense é concebida como a primeira mulher das Américas a desenhar e roteirizar uma HQ cuja personagem principal é uma mulher independente que busca se afirmar como uma jornalista de sucesso num momento - a primeira metade do século passado - em que o jornalismo era um ofício predominantemente masculino. Há, nesse sentido, um paralelo entre a condição profissional e intelectual da autora e da personagem de sua obra. Este estudo chama a atenção para as construções socioculturais e de poder que condicionaram a mulher a partir de estereótipos tais como o de mulher bela, sexy e desejada.  Há um imbricamento entre uma concepção de gênero que subverte as representações de mundo daquele contexto e a representação de gênero que representa o feminino a partir da beleza e do apelo sensual.

Biografia do Autor

Jaqueline dos Santos Cunha, Universidade Estadual de Goiás

Mestra em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão (2016), graduada em Letras Português/Inglês pela Universidade Estadual de Goiás - Unidade de Inhumas (2007). Possui interesse em Literatura, Histórias em quadrinhos e estudos acerca das identidades de gênero e Sexualidade.

Publicado
2020-11-20