Joaquim Marçal Ferreira de Andrade, pesquisador da Biblioteca Nacional (BN) e curador do portal Brasiliana Fotográfica

  • Rogério Pereira de Arruda Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Resumo

Como parte do dossiê “A fotografia em instituições de memória: experiências no Brasil e em Portugal” entrevistamos Joaquim Marçal Ferreira de Andrade, para trazer aos leitores e leitoras algumas reflexões sobre uma instituição brasileira que é referência no trato com os acervos fotográficos: a Biblioteca Nacional (RJ). Ela tem sua origem vinculada à chegada da Corte portuguesa no Brasil, que trouxe entre 1808 e 1810 o acervo inicial da instituição, que atualmente conta com cerca de 9 milhões de itens e tem como missão a coleta, registro, salvaguarda e viabilização do acesso à produção intelectual brasileira, de modo a assegurar o intercâmbio com instituições nacionais e internacionais e a preservação da memória bibliográfica e documental do país. Ela se constitui como uma referência para pesquisadores de diversas áreas, principalmente de humanidades, ciências e artes interessados nas mais diversas temáticas. Hoje, a BN tem o grande desafio de continuar a exercer suas atividades com excelência em meio ao desprestígio da área cultural, intensificado desde 2019, com a extinção do Ministério da Cultura e a falta de uma política cultural baseada em princípios democráticos.

Biografia do Autor

Rogério Pereira de Arruda, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Doutor em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); professor Adjunto III na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - Campus JK-Diamantina.

Publicado
2020-07-13
Como Citar
Arruda, R. (2020). Joaquim Marçal Ferreira de Andrade, pesquisador da Biblioteca Nacional (BN) e curador do portal Brasiliana Fotográfica. Revista De História Da UEG, 9(2), e922009. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/revistahistoria/article/view/10676