RECORDAÇÃO, MEMÓRIA E IDENTIDADE

UMA PERSPECTIVA DE RESSIGNIFICAÇÃO EM O SENTIDO DE UM FIM, DE JULIAN BARNES

  • Adolfo José de Souza Frota UEG
  • Ivonete Aparecida Braga Moreira

Resumo

Este artigo objetiva analisar o romance O sentido de um fim, de Julian Barnes (2012), no intuito de entender como a memória se articula na reconstrução e na ressignificação do passado do protagonista Anthony Webster, que rememora a história de sua juventude, em especial o período em que viveu um triângulo amoroso com Veronica Ford e Adrian Finn, que comete suicídio. Essas memórias ressurgem no momento em que o protagonista recebe uma herança inesperada, e com ela as incertezas de suas lembranças. A metodologia utilizada para discutir o tema da memória para realização deste artigo se qualifica essencialmente como revisão bibliográfica. Utilizamos uma narrativa literária para abordar a memória, que é um fator fundamental para o desenvolvimento da identidade do protagonista, a memória coletiva e o remorso, aspectos visíveis na narrativa de Julian Barnes. Os teóricos que subsidiaram este artigo foram Assmann (2011), Bosi (1994), Candau (2016), Candido (2014), Kancyper (1994), Pollak (1992), dentre outros. Este artigo é fruto de uma pesquisa de Iniciação Científica e pode contribuir para a compreensão de aspectos que relacionam a literatura com temas existenciais humanos, como é a memória e a identidade.

Publicado
2021-07-23
Seção
Interdisciplinaridades: Ciência e arte