CORRELAÇÃO DE SINTOMAS OSTEOMUSCULARES E RISCOS MUSCULOESQUELÉTICOS EM CABELEIREIRAS

  • Hildiane Aires Dias
  • Luiza Karollynne dos Santos Silva
  • Thalyta Christian Moura Campos
  • Adroaldo José Casa Júnior
  • Vitor Hugo da Silva
  • Nara Lígia Leão Casa

Resumo

Introdução: A profissional cabeleireira está exposta a variados riscos musculoesqueléticos devido à demanda e fatores ergonômicos, com isso torna-se mais suscetível ao desenvolvimento de sintomas osteomusculares. Objetivo: Descrever e correlacionar os sintomas osteomusculares e riscos musculoesqueléticos de cabeleireiras da cidade de Aparecida de Goiânia (Goiás). Métodos: Trata-se de um estudo transversal e analítico, sendo a amostra composta por 30 cabeleireiras com idade igual ou superior a 18 anos e que trabalhavam em salões de beleza da cidade Aparecida de Goiânia (Goiás). As participantes foram abordadas em seus locais de trabalho e avaliadas por meio do Roteiro de Avaliação de Riscos Musculoesqueléticos (RARME) e Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares (QNSO), que verificam os riscos musculoesqueléticos e sintomas osteomusculares, respectivamente. Adotou-se um nível de significância de 5% (p ≤ 0,05). Este estudo foi aprovado no Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Salgado de Oliveira, sob o número 089997/2016. Resultados: Pôde-se observar elevada prevalência dos referidos sintomas nos últimos 12 meses. Foi demonstrado que as regiões com mais sintomas foram a coluna vertebral, punho/mãos/dedos e tornozelo/pés/dedos. Houve correlação entre as variáveis peso e Índice de Massa Corporal (IMC) e os riscos musculoesqueléticos, demonstrando riscos de médio à alto, segundo a classificação do RARME. Conclusão: Destaca-se a importância de um ambiente de trabalho adequado e seguro para essas trabalhadoras na realização de suas atividades diárias, pois este é capaz de influenciar positivamente na saúde das cabeleireiras e ainda previne a exarcebação dos sintomas osteomusculares e riscos musculoesqueléticos.

 

Palavras-chave: Trabalho; Ergonomia; Distúrbios osteomusculares.

 

Abstract


Introduction: The professional hairdresser is exposed to a variety of musculoskeletal risks due to the demand and ergonomic and emotional factors, as this becomes more susceptible to the development of musculoskeletal symptoms. Objective: To describe and correlate the musculoskeletal symptoms and musculoskeletal risks of hairdressers in the city of Aparecida de Goiânia (Goiás). Methods: This is a cross-sectional and analytical study. The sample consisted of 30 hairdressers aged 18 years and over who worked in salons in the city of Aparecida de Goiânia (Goiás). Participants were approached in their work places and evaluated through the Musculoskeletal Risks Roadmap (RARME) and Nordic Questionnaire of Musculoskeletal Symptoms (QNSO), which verified musculoskeletal risks and musculoskeletal symptoms, respectively. A significance level of 5% (p ≤ 0.05) was adopted. This study was approved by the Research Ethics Committee of Salgado de Oliveira University under number 089997/2016. Results: It was possible to observe a high prevalence of these symptoms in the last 12 months. It was shown that the regions with the most symptoms were the spine, wrist / hands / fingers and ankle / feet / fingers. There was a correlation between the variables weight and Body Mass Index (BMI) and musculoskeletal risks, showing medium to high risks, according to the RARME classification. Conclusion: The importance of an adequate and safe working environment for these workers in the performance of their daily activities is important because it is able to positively influence the hairdressers' health and also prevents the exacerbation of musculoskeletal symptoms and musculoskeletal risks.

 

Keywords: Work; Ergonomics; Osteomuscular Disorders.

Publicado
2019-03-04
Seção
Artigo Original