A institucionalização pós-revolucionária e a Constituição mexicana de 1917

  • Mariana Varandas Lazzari Universidade de São Paulo

Resumo

Resumo: A partir da discussão em torno do conceito de tirania, busca-se trazer à tona a questão da legalidade como ferramenta para expor as contradições do novo Estado mexicano e a correlação de forças que se deixa entrever nessa formação. Em um segundo momento, recorre-se à comparação entre artigos constitucionais anteriores e posteriores à reforma constitucional de modo a expor como a institucionalização e a correlação de forças apresentadas estão plasmadas no documento. A hipótese proposta é a de que existe uma relação forte entre a formação do novo Estado e a necessidade de coibir o potencial avanço dos exércitos populares, o que, apesar das reformas, resulta em uma institucionalização antipopular.

Palavras-chave: Constituição Mexicana de 1917. História do México. Institucionalização.

Biografia do Autor

Mariana Varandas Lazzari, Universidade de São Paulo

Graduanda em História pela Universidade de São Paulo (USP).

Publicado
2019-07-01
Como Citar
Lazzari, M. (2019). A institucionalização pós-revolucionária e a Constituição mexicana de 1917. Revista De História Da UEG, 8(1), e811920. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/revistahistoria/article/view/9023