“Salazar, um fascista?” Debate sobre a natureza ideológica do Estado Novo português a partir do jornal Portugal Livre

  • Franco Santos Alves da Silva Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

Resumo: O Estado Novo sob a égide de António Oliveira Salazar surgiu no período entreguerras, 1926, e perdurou até a Revolução dos Cravos, em abril de 1974. Ele guarda, desde seu surgimento, semelhanças com o regime do nacional-socialimo alemão de Adolf Hitler e com o fascismo de Benito Mussolini. Isto posto, este artigo busca fazer uma discussão dos elementos autoritários do salazarismo, trazendo à luz do debate as opiniões dos jornalistas envoltos na publicação do jornal Portugal Livre, editado no Brasil por exilados do Estado Novo português. Ademais, será trazida à historiografia sobre o tema, sobretudo a respeito de questões como a repressão, o partido único, os grupos de mocidade juvenil, o culto ao líder e a censura. Por fim, comprende-se a adjetivação, pelos opositores do referido períodico do Estado Novo como fascista  uma estratégia de denúncia e condenação do regime para a comunidade internacional.

Palavras-chave: Estado Novo português. Fascismo. Oposição.

Biografia do Autor

Franco Santos Alves da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). 

Publicado
2019-07-01
Como Citar
Silva, F. (2019). “Salazar, um fascista?” Debate sobre a natureza ideológica do Estado Novo português a partir do jornal Portugal Livre. Revista De História Da UEG, 8(1), e811914. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/revistahistoria/article/view/8813