O Sertão do Contestado: uma análise de história conceitual

  • Eloi Giovane Muchalovski Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO
  • Oseias de Oliveira Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO

Resumo

Resumo: O presente artigo propõe uma discussão acerca do conceito de “sertão”, com especificidade em sua noção no contexto do Contestado (1912-1916), com ênfase nas obras de Alcebíades Miranda (2012), Demerval Peixoto (1995), Aujor Ávila Luz (1999), Maurício Vinhas de Queiroz (1977) e Paulo Pinheiro Machado (2004). Para tal, desenvolver-se-á uma abordagem genérica da categoria “sertão”, sua constituição etimológica, problematizando sua idealização nos primórdios da historiografia brasileira, categoria esta figurada nos pensamentos de Varnhagen, Capistrano de Abreu e Sergio Buarque de Holanda. Também serão pontuados aspectos teóricos da “história conceitual”, campo de estudo que concebe o significado de termos e palavras em constante mudança, carregada de significância histórica e cultural. Em seguida, abordar-se-á a importância do debate historiográfico nos estudos históricos, enfatizando o caráter auto reflexivo da história, o qual contribui para a superação crítica de determinadas visões de mundo, demonstrando que certos modelos podem não ser os melhores em termos analíticos. Em suma, o texto apresenta uma possível linearidade do pensamento intelectual de importantes estudiosos do movimento sertanejo do Contestado, nos quais o “sertão” configura desde um local distante, desabitado, inculto, até um lugar praticado, não isolado, de intensas e conflituosas relações sociais e culturais.

Palavras-chave: Sertão. História conceitual. Historiografia. Contestado.

Biografia do Autor

Oseias de Oliveira, Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO
É graduado em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1995) e defendeu o doutorado direto em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), em 2003 com a tese "Índios e Jesuítas no Guairá: a redução como espaço de reinterpretação cultural (século XVII)". Integra o corpo docente do Departamento do curso de Licenciatura em História (UNICENTRO-Irati). Também é Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em História e Regiões da (UNICENTRO). Desenvolveu a pesquisa intitulada ?A construção dos sertões de Tibagi e Guarapuava ? século XVIII?, junto ao Instituto de Investigação Científica Tropical ? IICT ? Lisboa ? Portugal, como requisito para o pós-doutorado. Também concentra suas reflexões nos temas das territorialidades sagradas e identidades étnicas na América Meridional. Foi presidente da Comissão Estadual Universidade para os Índios (SETI ? 2012), integrante do Comitê de Ética em Pesquisa da UNICENTRO-Irati e coordenador tanto do "Projeto de Extensão Educação para as Relações Étnico-Raciais? (2011-2012) quanto do "Núcleo de Estudos Étnico-Raciais? da UNICENTRO-Irati (2008-2012), no qual desenvolveu pesquisa e atividades de extensão com as comunidades do Quilombo Paiol de Telha (Financiamento - Fundação Araucária/SETI) e Quilombo Córrego do Franco (Financiamento - INCRA). É autor dos livros "Diversidade no Ensino"; "Turismo e Sustentabilidade em Comunidade Quilombola"; "Estudos Étnico-Raciais", "História Agrária - propriedade e conflito", "Ensino e Pesquisa de História: abordagens e metodologias" e "Reinterpretação Cultural nas Missões: a conversão de índios e missionários no Guairá". Tem publicado artigos em periódicos científicos e trabalhos em reuniões científicas sobre os temas da educação étnico-racial, regiões e religiosidades, diversidade cultural, identidade étnica, indígenas e quilombolas.
Publicado
2017-12-29
Como Citar
Muchalovski, E., & Oliveira, O. (2017). O Sertão do Contestado: uma análise de história conceitual. Revista De História Da UEG, 6(2), 234-257. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/revistahistoria/article/view/6266
Seção
Artigos (Tema Livre)