O financiamento do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) durante a Ditadura Civil Militar (1964-1985)

Resumo

Resumo: Este artigo[1] analisa as relações estabelecidas entre o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) e o Estado durante a ditadura civil militar (1964-1985), sobretudo através do financiamento estatal da Instituição mediante o repasse de verbas e dos auxílios financeiros concedidos durante o período correspondente a cada chefe de Estado do regime ditatorial à Instituição. Verifica-se também o financiamento da Instituição desde a sua fundação até a vigência do regime ditatorial, compreendendo a proximidade – e a dependência financeira - do Instituto com o Estado como uma relação e uma constante ao longo da sua história.

Palavras-chave: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Ditadura Civil Militar. Regime Ditatorial.


[1] Este artigo é parte da dissertação de mestrado intitulada “Os Generais Ditadores (1964-1985) como Presidentes de Honra do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB)”, defendida em 2017 na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). A pesquisa teve o financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Biografia do Autor

Ivan Rodrigo Trevisan

Graduação em História Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Mestrado em História Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Publicado
2017-07-13
Como Citar
Trevisan, I. (2017). O financiamento do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) durante a Ditadura Civil Militar (1964-1985). Revista De História Da UEG, 6(1), 136-161. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/revistahistoria/article/view/6244
Seção
Artigos (Tema Livre)