Muito além da “hierarquia e disciplina”: resistência e representatividade da Associação de Marinheiros e Fuzileiros Navais do Brasil (1962-1964)

  • Robert Porto Castro Universidade Federal de Pelotas

Resumo

Resumo: O presente artigo constitui-se em uma breve releitura do movimento de marinheiros e fuzileiros navais, entre os anos de 1962-1964, a partir das relações de dominação e resistência estabelecidas entre oficiais e praças nas graduações iniciais, bem como das suas vivências na Marinha de Guerra Brasileira. Neste sentido, buscamos compreender a própria constituição da Associação de Marinheiros e Fuzileiros Navais do Brasil enquanto forma organizada de resistência e representatividade daqueles militares, na busca por direitos e garantias sociais durante o tensionado período imediatamente anterior ao golpe civil-militar de 1964. Analisando suas vivências durante o contexto social da época e, ainda, as relações por eles estabelecidas no seio da força naval brasileira, o presente artigo se propõe a contribuir para um entendimento da mobilização daqueles marinheiros e fuzileiros navais, a partir de 1962, que transcenda o binômio “hierarquia e disciplina”, basilar na estrutura castrense.

Palavras-chave: Marinheiros. Resistência. Golpe Civil-Militar. 

Publicado
2017-12-29
Como Citar
Castro, R. (2017). Muito além da “hierarquia e disciplina”: resistência e representatividade da Associação de Marinheiros e Fuzileiros Navais do Brasil (1962-1964). Revista De História Da UEG, 6(2), 129-146. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/revistahistoria/article/view/6243
Seção
Artigos (Tema Livre)