“É o jeito vender”: coletores, marreteiros e o trabalho no manguezal em Bacuriteua (Pará – Brasil, 1975-2010)

  • Alexandre de Brito Alves Universidade Federal do Pará

Resumo

Resumo: Este artigo discute a relação comercial entre os coletores (mariscadores) e os marreteiros (compradores) no ciclo produtivo de caranguejo-uçá, Ucides Cordatus (LINNAEUS, 1763) na Vila de Bacuriteua, Nordeste do Estado do Pará. O estudo é importante pelo fato de nos últimos anos, em função de políticas criadas na década de 1970 para o desenvolvimento do ecoturismo local e pelo fato de o manguezal ter sido afetado pelos projetos de urbanização de Bragança, com efeito, cresceu o número de pessoas trabalhando em seu interior. Assim, o texto aborda as mudanças nas interações econômicas dos sujeitos sociais que residem naquele território.   

Palavras-chave: Manguezal. Coletores. Marreteiros. Interações econômicas. Ecoturismo. 

Biografia do Autor

Alexandre de Brito Alves, Universidade Federal do Pará
Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Sociologia da Universidade Federal do Pará (UFPA).
Publicado
2016-01-27
Como Citar
Alves, A. (2016). “É o jeito vender”: coletores, marreteiros e o trabalho no manguezal em Bacuriteua (Pará – Brasil, 1975-2010). Revista De História Da UEG, 4(2), 211-226. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/revistahistoria/article/view/4203