“Sonha colorido e advinha em preto e branco” Identidade negra na música popular brasileira a partir do final da década de 60

  • Kênia Érica Gusmão Medeiros Universidade Federal de Goiás Goiânia – Goiás – Brasil

Resumo

Resumo: Os discursos musicados já são há algum tempo importantes e recorrentes fontes historiográficas. Muitos são os trabalhos dedicados a obras de compositores, movimentos da cena musical ou ainda performances ligadas à música. Este trabalho tem como tema a busca de sentidos e representações de consciência e politização sobre a cultura negra dentro do próprio samba. Como fontes principais serão utilizadas letras dos compositores Paulinho da Viola, Nei Lopes e Candeia. A metodologia do trabalho em tela se baseia nos pressupostos da interpretação das letras a partir de referências teóricas caras à história cultural.

Palavras-chave: Música. Politização. Negro. MPB. Ditadura Militar.

Biografia do Autor

Kênia Érica Gusmão Medeiros, Universidade Federal de Goiás Goiânia – Goiás – Brasil
Doutoranda em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG); professora da Universidade Estadual de Goiás. 
Como Citar
Medeiros, K. (1). “Sonha colorido e advinha em preto e branco” Identidade negra na música popular brasileira a partir do final da década de 60. Revista De História Da UEG, 4(1), 240-253. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/revistahistoria/article/view/3923
Seção
Artigos (Tema Livre)