Terra, família e poder: a construção de um mercado de terras pessoal em Natal (RN – Brasil) no início do século XX

  • Gabriela Fernandes Siqueira Universidade Federal do Ceará

Resumo

Resumo: Este artigo tem como objetivo analisar a configuração de um mercado de terras na cidade de Natal no início do século XX. Por meio de estudos de casos de enfiteutas vinculados à família Albuquerque Maranhão, uma das famílias mais atuantes no Rio Grande do Norte durante o período da Primeira República, foi possível mapear transações de terras que não tiveram como objetivo principal obter capital econômico. A política de apropriação de terra foi utilizada como um mecanismo de fortalecimento dos grupos influentes. Intendentes permitiam alienações constantes do patrimônio público, concediam latifúndios cobrando foros simbólicos e não revogavam as enfiteuses de foreiros que passavam anos sem construir e sem pagar as taxas. Observou-se em Natal a construção de um mercado de terras do tipo pessoal, em que os sujeitos envolvidos não pretendiam apenas transacionar capital econômico. Eram sujeitos inseridos em um espaço social específico, que utilizavam as transações de terras para fortalecer seus laços de parentela e amizade, conquistar ou manter seus cargos na política local, fortalecer, portanto, diferentes tipos de capitais (políticos, sociais e culturais). 

Palavras-chave: Mercado de terras. Albuquerque Maranhão. Capital simbólico.

Biografia do Autor

Gabriela Fernandes Siqueira, Universidade Federal do Ceará
Doutoranda em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da UFC.
Publicado
2015-07-29
Como Citar
Siqueira, G. (2015). Terra, família e poder: a construção de um mercado de terras pessoal em Natal (RN – Brasil) no início do século XX. Revista De História Da UEG, 4(1), 57-82. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/revistahistoria/article/view/3597
Seção
Artigos (Tema Livre)