Rede fundiária no Oeste Paulista: Inventário dos Bens Rústicos de Campinas (1818)

Resumo

O presente texto tem como objetivo publicar a transcrição comentada do Inventário dos Bens Rústicos da vila de Campinas/SP. A mando do rei D. João VI, o documento foi constituído com o objetivo de conhecer melhor a rede fundiária de seu território. Os vários levantamentos de terras produzidos têm sido utilizados pelos historiadores nas investigações sobre a estrutura fundiária no Brasil, especialmente a paulista. Contudo, o de Campinas foi pouquíssimo utilizado. O arrolamento de terras é datado de 1818, foi realizado pelas Companhias de Ordenanças e organizado, grosso modo, em propriedades rurais. Em relação a estas últimas, o levantamento de Campinas compreendeu: o nome do proprietário, o nome da propriedade, o tamanho, o número de escravizados empregados, a existência de cultivo e, por fim, o local de residência do proprietário.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Nicolette, Universidade de São Paulo (USP)

Mestrando em História Social pela Universidade de São Paulo (USP).

Breno Aparecido Servidone Moreno, Universidade de São Paulo (USP)

Doutorando em História Social pela Universidade de São Paulo (USP).   

Publicado
2021-08-31
Como Citar
Nicolette, C., & Moreno, B. (2021). Rede fundiária no Oeste Paulista: Inventário dos Bens Rústicos de Campinas (1818). Revista De História Da UEG, 10(02), e022115. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/revistahistoria/article/view/11697